Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Transição de modelos

Processo eletrônico começa a operar em Pernambuco

Depois de ser suspenso há quase dez dias por meio de liminar concedida pelo Conselho Nacional de Justiça e ter seu funcionamento garantido pelo Plenário do mesmo CNJ dias depois, o Processo Judicial Eletrônico (PJe) em Pernambuco teve seu primeiro despacho dado na quinta-feira (7/2). O despacho é justamente do responsável pela sua introdução, o corregedor-geral da Justiça em exercício, desembargador José Fernandes de Lemos, que está substituindo o corregedor geral, desembargador Frederico Neves.

No dia 1º de fevereiro, o conselheiro Emmanoel Campelo, do CNJ, acolheu o pedido de liminar da seccional pernambucana da OAB, suspendendo a obrigatoriedade do uso exclusivo do processo eletrônico em petições no estado de Pernambuco. No pedido de providências, os advogados questionavam o fato de a ferramenta eletrônica tornar-se obrigatória a todos aqueles que precisam dar entrada em processos no Tribunal de Justiça de Pernambuco, no Tribunal Regional do Trabalho da 6ª Região e no Tribunal Regional Federal da 5ª Região, extinguindo o uso de petições em papel.

Os advogados argumentaram contra os problemas técnicos no sistema, a baixa cobertura de internet e o impedimento formal ao sistema por advogados sem certidão eletrônica ou com pouca familiaridade com o meio eletrônico. “O impedimento de acesso dos advogados ao foro por meio que não seja eletrônico pode ocasionar lesões de difícil, grave ou impossível reparação, na medida em que inúmeros conflitos exigem urgente e impostergável análise judicial”, afirmou Campelo ao acolher pedido.

No dia seguinte, o Plenário do CNJ, por maioria de votos, cassou a liminar concedida por Campelo por entender não ser viável manter, paralelamente, o PJe e o expediente físico dos processos nas varas onde a ferramenta eletrônica já funciona.

Finalmente, na última quinta-feira, o sistema entrou em uso, quando o desembargador José Fernandes de Lemos exarou despachos em três procedimentos administrativos disciplinares. "Estou certo de que a implantação do PJe é um marco na história da Corregedoria-Geral da Justiça, que muda uma cultura de quatro séculos”, disse Lemos.

“Destaco, como uma de suas funcionalidades imprescindíveis, o efetivo controle dos prazos prescricionais dos Processos Administrativos Disciplinares, à medida que elimina a tramitação física dos autos e a comunicação dos atos passa a ser exclusivamente eletrônica", ressaltou. Com informações da Assessoria de Comunicação do TJ-PE.

Revista Consultor Jurídico, 12 de fevereiro de 2013, 18h56

Comentários de leitores

3 comentários

PJ-e

Marilda Ângela Tabosa Ramos (Advogado Autônomo - Empresarial)

O processo judicial eletrônico é uma realidade e vai beneficiar todos os envolvidos, poder judiciário, jurisdicionados e operadores do direito, entretanto entendo que dificuldades estão sendo criados o quê vai tornar conflitante a "migração" da forma física para a digital, dentre esses dificuktadores é a não uniformização do sistema, ou seja, assim como existe a Numeração Processual Única, deve existir um Sistema de PJ-e Único, uma plataforma única, utilizada por todo o poder judiciário, caso contrário, certamente, o caos vai ser inevitável!!

O processo eletronico em PE

ACUSO (Advogado Autônomo - Dano Moral)

A OAB/ PE tem a obrigação ( a exemplo da OAB daqui de São Paulo), de criar uma Cental de Apoio aos advogados que necessitam de cadastro e de treinamento para a utilização do processo virtual. Só impor sanções e colocar obstaculos e ainda cobrar taxas altas ( além da anuidade ) não está correto ; viola, inclusive a lei 8.906/94 que nos rege !

Processo Eletrônico

Cassius C. Barbosa (Advogado Autônomo - Comercial)

A OAB deveria tomar medidas junto ao CNJ para implementar o modelo de Processo Eletrônico para todo o país, e, com brevidade, pois isso trará benefícios à todos os advogados, pois não necessitarão deslocarem-se aos fóruns e enfrentarem filas na consultar processos, e terão qualidade de vida, produtividade, economia e tranquilidade em seus ambientes profissionais, sem contar nos ganhos operacionais para o próprio Poder Judiciário. Para os advogados sem acesso à internet ou desatualizados na informática, a OAB deve proporcionar o mesmo serviço realizado atualmente nos fóruns, assim ninguém sai prejudicado. Processo eletrônico já!

Comentários encerrados em 20/02/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.