Consultor Jurídico

Comentários de leitores

23 comentários

Valorização da advocacia

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Engana-se o Prætor (Outros), que mostra em diversos comentários desconhecer a realidade da advocacia. Água vale muito mais no deserto do que na Amazônia em época de vazante, e assim quem verifica que pode ser preso mais rapidamente, inclusive por decisão de primeira instância (tribunal do juri) dá muito mais valor ao direito de defesa, independentemente de ser culpado ou inocente. A aprovação da PEC vai aumentar consideravelmente a renda dos advogados criminalistas.

Tréplica

Vince (Advogado Autônomo - Criminal)

Caro colega Pintar, creio que uma coisa é "prisão sem embasamento" e outra é "condenação com provas em primeira e segunda instância". Realmente, se não há provas, não há motivos para prisão e o juiz que mandou prender agiu muito errado (para não entrar nos pormenores da decisão). O problema discutido pela "PEC Peluso" não tem muita relação com o seu caso, pois ele continuaria ocorrendo em qualquer canto do Brasil, afinal, a prisão foi preventiva, certo? Acredito que o problema está quando há provas. Afinal, o trânsito em julgado só se dá quando as partes deixam (ou o Tribunal "induz"), mas a formação da culpa se dá com a produção da prova e avaliação do caso concreto. Essa presunção de inocência à brasileira é mais uma daquelas jabuticabas que passaram desapercebidas e que, anos depois, passaram a ser bradadas cegamente e, hoje, quebram o sistema... Criam igrejas contra a verdade real, deveriam criar uma igreja contra essa presunção de inocência à brasileira também...

Estão absolutamente corretos

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório)

Muito oportuno o sábio comentário do Dr. VINCE (sem dúvida de total procedência, qdo. analisada a situação de um condenado tupiniquim, em relação a qquer outro em país diverso. Concordo, ainda, com o colega PRAETOR, porquanto a quase totalidade dos recursos destina-se,mesmo, a procrastinação evidente no que tange ao cumprimento da pena,eternizando, via do abuso do sagrado direito de defesa, o processo com base na absurda "presunção de inocência" indefinidamente alegada, durante um feito que nunca termina (situação que faz do Brasil uma Nação ímpar nesse aspecto e que motiva o descrédito do resto do mundo na nossa Justiça). Qto. ao comentário do Dr. PINTAR,embora traduza uma hipótese flagrante de violação do direito de liberdade,acho que se trata de um fato pontual, atípico,isolado, totalmente incomum e que, em absoluto, não retrata a realidade vivida na esmagadora maioria dos demais casos, de sorte a não se poder fincá-lo como fonte de referência natural a embasar o conteúdo do próprio comentário,exceto se considerado apenas o inconformismo pessoal pelo fato de que advogou para o injustiçado,porém, repita-se,numa circunstância que se distancia anos-luz do cotidiano, data venia.

Comentários em série

Hiran Carvalho (Advogado Autônomo)

Confirmo meu pronunciamento dando parabéns ao preclaro colega Vince. Todavia, ressalto que o eminente colega Marcos Alves Pintar não deveria cobrir os espaços destinados aos leitores com vários comentários consecutivos.

Se for moralizar, muita gente vai perder dinheiro

Prætor (Outros)

Impossível passar uma PEC como a proposta por Peluzo. Muitos têm na procrastinação um meio de vida. Mais da metade das ações judiciais no Brasil têm como único objetivo procrastinar o cumprimento de uma obrigação. Muito advogado deve estar preocupado.

Parece anedota

Fernando Romero Teixeira (Prestador de Serviço)

Tai uma notícia que muitos não acreditariam.
http://portuguese.ruvr.ru/news/2013_12_03/policia-islandesa-mata-criminoso-pela-primeira-vez-na-historia-do-pais-9733/

Anedota

Fernando Romero Teixeira (Prestador de Serviço)

Num país civilizado o senhor não contaria esta anedota, pois sequer existiria. Como vivemos no mundo cão chamado Brasil, onde impera toda sorte de absurdos, inclusive legais, vamos lendo essas anedotas todos os dias nos jornais. Só não tenho contato com elas no dia que acordo indisposto para ler jornal ou assistir qualquer noticiário. Viver no Brasil é uma grande anedota, esperar por um sistema justo é um grande programa de humor (negro). Esse negro não tem nada com afro-descendentes.

Também tenho uma anedota a contar

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Também tenho uma anedota para contar, prezado Fernando Romero Teixeira (Prestador de Serviço), embora não muito engraçada. Um criminoso matou uma menina nos arredores de Curitiba, e certo de que o direito de defesa se encontra desmoralizado no Brasil a Polícia de lá arrumou uma solução fácil para a questão: pegou um punhado de trabalhadores que encontrou pela frente, prendeu sem base legal e torturou cada um deles por várias horas, até que todos "confessaram" o crime. Tudo resolvido. Porém, havia um empecilho no caminho chamado advogado, que denunciou a quadrilha, que acabou desmascarada. Enquanto isso, conduzida pela mídia, a população destruiu o local de trabalho deles, e só não linchou um por um porque não foram encontrados para isso. Vejam tudo aqui: http://www.pragmatismopolitico.com.br/2013/07/a-morte-da-menina-tayna-e-a-irresponsabilidade-da-imprensa.html e em vários outros locais. Pois é. Não tem muita graça a anedota.

Outra realidade

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Nenhum país civilizado possui tantos recursos e meios de impugnação como no Brasil. Porém, nenhum país civilizado possui uma magistratura e Ministério Público tão despreparada e alheio a realidade social como no Brasil. Eventualmente eu tenho acompanhado alguns julgamentos na Alemanhã e Estados Unidos, vendo inclusive os condenados saindo presos assim que a sentença é lida. Em um desses julgamentos, realizado na Califórnia, o acusado saiu conduzido para a prisão assim que o juiz, ao ler a sentença, concluiu que ele receberia a pena de prisão, mesmo antes de terminar de ler o restante (tratava-se do julgamento de Hans Reiser, amplamente discutido fora do Brasil). Mas o fato é que esses julgamentos lá fora são minuciosos, consumindo por vezes vários meses. Cada detalhe, por mais insignificante que seja, é visto e revisto várias vezes, antes do juiz chegar a uma conclusão final. O juiz, por sua vez, é alguém escolhido e respeitado pela sociedade, ao invés de alguém que está na função sem qualquer legitimidade, apenas e tão somente para proteger os agentes estatais e o poder econômico como ocorre aqui no Brasil. Há assim uma certeza muito maior, o que não acontece por aqui. A sentença judicial no Brasil, em matéria penal, é apenas resultado de um jogo político, voltado à dominação do homem pelo homem, exceto poucas exceções.

Conto do vigário

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Na verdade, prezado Vince (Advogado Autônomo - Criminal), o caso concreto que eu citei demonstra o que todo o mundo civilizado já descobriu há mais de um século: o flagelo social que a prisão sem embasamento causa. O que houve foi execução imediata da pena, antes de se saber se o acusado era culpado ou não. Ainda que ele fosse (culpado) não lhe seria impingida a pena privativa de liberdade, mas tal como vem ocorrendo milhares de vezes todos os anos o cidadão acabou sendo enviado ao cárcere sem motivo, gerando todo um processo de degradação e estigmatização que certamente não será contornado, ainda que no final ele seja considerado inocente ou aplicada uma pena não privativa da liberdade. Muitos, no entanto, caem fácil no conto do vigário acreditando que todo acusado é culpado, seguindo o que diz a mídia ou o Ministério Público, quando na verdade nós temos centenas de milhares de ações penais que foram proposta única e exclusivamente para perseguir, seja porque o sujeito é pobre, preto, por razões políticas ou ideológica. Algo precisa ser feito realmente para se contornar o problema do atraso nas ações penais, seja porque isso gera impunidade (prescrição), seja porque o inocentes acaba figurando na condição estigmatizante de acusado por muitos anos, causando-se por vezes danos irreparáveis mesmo quando não é preso. Mas essa solução não virá permitindo que essa casta sem representatividade o legitimidade popular, conhecida também como magistratura, saia por aí prendendo todos que os desagradarem.

É preciso distinguir os crimes em violentos ou não

Hiran Carvalho (Advogado Autônomo)

O preclaro colega Vince foi genial em denominar presunção da inocência à brasileira. No Brasil os assassinos confessos respondem em liberdade. Por exemplo, a lei Maria da Penha não diminuiu o alarmante e inaceitável índice de homicídios de mulheres porque previu a prisão preventiva por agressão e deixou de torna-la obrigatória por homicídio, de forma que o réu, após dar várias surras na mulher, se vier a mata-la, incrivelmente, se livra do perigo dessa prisão.
A citada presunção coexiste com a seguinte lógica: A gravidade do crime por si só não justifica a prisão preventiva. A comoção popular, idem. As surras e demais ocorrências policiais, pequenas ou extensas, também não valem nada porque não se referem a condenações transitadas em julgado. Ainda mais, se o réu surrar e matar a nova companheira, ainda assim segue livre porque continua primário por falta do trânsito em julgado dos crimes anteriores. Condenado por duas instâncias, ainda continua solto se recorrer ao STJ e STF.
Decididamente, é necessário tomar providências contra o assassinato de 50.000 pessoas por ano, vergonhosamente um dos maiores índices do mundo. Para isto, tirar das cadeias os apenados não violentos, dando-lhes as penas alternativas ou prisão distinta (incisos XLVI e XLVIII do art 5º da CF) e colocar lá dentro, com processos mais céleres, os autores de homicídios qualificados, latrocínios e de violência equivalente.

Vince e Delegado de Ribas

Fernando Romero Teixeira (Prestador de Serviço)

Vince, perfeito o comentário. Uma tremenda confusão ou má-fé na redação da presunção de inocência tupiniquim. Não há relato de algo parecido nas legislações dos países de fato civilizados.
Quanto "a quem interessa essa demora?", lembrei de uma pequena anedota:
O médico renomado, como todo pai, conseguiu que seu filho seguisse sua carreira. Ao se formar, o filho recebeu de seu pai sua carteira de pacientes. Ao atender um antigo paciente de seu pai, o filho de cara identificou a doença, receitou o tratamento e em curtíssimo espaço de tempo viu o paciente curado. Ávido de apresentar o caso ao seu pai, até com um certo ar de arrogância, disse ele: "Pai, lembra do senhor fulano, seu paciente há mais de 20 anos?" O pai respondeu: "Claro, o que tem?"
- "Pois bem, apliquei um moderno tratamento e está curado", isto com um tom irônico e um sorriso sarcástico nos lábios.
O pai prontamente respondeu com uma pergunta: "Quem você acha que pagou sua faculdade?".

Resposta

Vince (Advogado Autônomo - Criminal)

Caro colega Marcos Pintar, creio que o problema que você salientou (reincidência) não tem relação direta com a prisão a partir da 1º, 2º ou 4º instância. O sistema carcerário possui problemas próprios que deveriam ser cuidados pelos eleitos pelos cidadãos brasileiros. Não se pode querer simplesmente "não prender" porque o sistema carcerário não funciona. Ao contrário, o sistema carcerário deve ter condições de receber aquele que comete um ilícito e tem sua culpa comprovada conforme a lei. Creio que todo o problema nasce do "presumidamente inocente após o trânsito em julgado". Recomendo a pesquisa sobre como é a presunção de inocência em qualquer outro canto do mundo, inclusive desejo escrever um trabalho sobre o assunto. Enfim, entendo que pode ter um caso em que se verifique algum problema reflexo, porém, não há como argumentar que todo e qualquer processo deve sempre chegar até o STF, pois não é pra isso que esta Corte serve. Grande abraço!

Caso concreto II

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

No exemplo que eu cito abaixo, caso real, o acusado não deveria ter permanecido preso nem por um minuto, ainda que seja ao final considerado culpado. Mas é fato que juízes e membros do Ministério Público não estão nem um pouco preocupados se o jovem de 18 anos já apresentando alguns problemas sociais vai se pós-graduar em criminologia sendo enviado para a prisão sem julgamento, na base no "prender primeiro, ver se é culpado depois". Eles não se importaram, em nenhum momento, em verificar se estavam criando um novo problema ou não. Encheram o peito e descarregaram todo o ódio que nutrem em desfavor do cidadão comum pobre e desajustado, suprimindo-lhe a liberdade de ir e vir sem um julgamento definitivo. Nenhum deles vai admitir serem questionados pelo problema social que criaram, e nem vão "meter a mão no bolso" para indenizar o acusado se ao final restar concluído que, embora culpado, não poderia ter permanecido preso pois o sistema jurídico não prevê essa pena para aquele caso. E agora? O sujeito que na época tinha 18 anos deve ter agora 21 ou 22. Já passou muitos anos preso (sem condenação) e por certo tem noção de que sua prisão é ilegal. Basta somar a isso as condições insalubres das prisões para constatarmos o ódio que esse cidadão, vítima do abuso dos agentes estatais, deve estar nutrindo por todos, inclusive pela sociedade (que não se preocupou com ele), e da "doutrinação" que vem recebendo dos marginais de alta periculosidade com os quais ele convive. Quando ele sair do cárcere não vai ter emprego, nem amigos, e não lhe restará em sua visão outro caminho, considerando ainda as violações que sofreu (e o rancor de tudo o que se pode dizer como "oficial"), senão o crime.

Caso concreto

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Vou responder ao colega Vince (Advogado Autônomo - Criminal) com um exemplo concreto. Fui nomeado para defender um réu há alguns anos, que se encontrava preso desde a data do fato imputado como criminoso. Era acusado de tentar roubar o dinheiro de um idoso, em plena luz do dia em uma rua movimentada. Trava-se de um jovem de 18 anos, sem qualquer antecedente. Formou-se uma confusão no local, com a intervenção de alguns transeuntes, quando a polícia foi chamada. O acusado permaneceu no local, inclusive aguardando a chegada dos policiais (alguém já viu um "ladrão" com esse comportamento) e acabou preso. Ninguém foi lesionado e nada foi roubado, sendo certo que em um caso como esse não há pena restritiva da liberdade a ser aplicada mesmo no caso de condenação. Pois bem, ingressei com uns 6 ou 7 habeas corpus, mas não consegui tirar ele da cadeia. Foi condenado em primeira instância a mais de 4 anos, quando a prisão cautelar foi convertida em definitiva. Na apelação, com a pena já em execução, houve diminuição para 2 anos e pouco, com o regime inicial semi-aberto. No momento, aguarda-se o processamento do recurso especial, que provavelmente concluirá por afastar por completo a pena restritiva da liberdade. Passados já muitos anos fui verificar a condição carcerária do acusado. Após cerca de 1 ano e meio houve progressão de regime na pena que estava sendo executada em definitivo sem trânsito em julgado da sentença, quando passou a regime semi-aberto. E não deu outra. Jovem de 18 anos, sem qualificação profissional, sem emprego, que passou um ano e meio na "escola do crime" convivendo com marginais perigosos: preso novamente pelo crime de furto.

Presos sem condenação?

Vince (Advogado Autônomo - Criminal)

Mas os presos "provisórios" não têm condenação exatamente pq o processo não termina! Parece muito difícil imaginar que os doutos que argumentam o excesso de prisões provisórias não vejam isso! Os processos são eternos! É óbvio que há vários presos provisórios! O que deveria se avaliar é quantos presos provisórios possuem sentença ou acórdão condenatórios! Claro que a presunção de inocência à brasileira (só com o trânsito em julgado) não tem culpa, culpa têm que teve a mirabolante ideia de escrever isso na Constituição! Ache outro país que a presunção de inocência impede prisão de condenado por juiz ou tribunal e cite aqui. Ache um país que exija o trânsito em julgado, com o fim de todos os recursos protelatórios e cite aqui, por favor.

Estado absoluto

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Respondendo à pergunta do Ribas do Rio Pardo (Delegado de Polícia Estadual), vale outro questionamento: em um País dominado pelo abuso estatal, na qual inexiste qualquer controle real e efetivo do povo em relação ao trabalho dos agentes públicos, com juízes escolhidos através de "perfil psicológico" e CENTENAS DE MILHARES DE PRESOS SEM CONDENAÇÃO muitas vezes por razões puramente ideológicas ou políticas, a quem interessa suprimir as garantias do cidadão?

Os maiores beneficiados

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório)

Evidentemente que os maiores interessados na eternização do processo são os políticos. Como cabe a eles o encargo de tornar isso possível ou deixar tudo como está, adivinhem qual será a opção. Fácil !

...

LeandroRoth (Oficial de Justiça)

Numa coisa os advogados tem razão: há um número excessivo de prisões preventivas no Brasil, muitas delas sem base, servindo como verdadeiras antecipação de pena, o que traz o sério risco de prisão de inocentes. É necessário que a lei fixe prazo para a prisão preventiva e critérios mais rigorosos.
Mas em outra coisa, ao meu ver, os advogados não tem razão alguma: EM NENHUM PAÍS DO MUNDO A EXECUÇÃO DA PENA DEPENDE DA CONDENAÇÃO EM "4 INSTÂNCIAS". Trata-se de uma blindagem para que os mais ricos jamais sejam punidos, valendo-se sempre de recursos ilimitados para postegar indefinidamente o desfecho do processo... é uma vergonha que a OAB defenda este tipo de aberraçáo em vez de focar nos verdadeiros problemas, como as prisões preventivas em excesso.

Pec peluso

huallisson (Professor Universitário)

Loucura, loucura, loucura. Comentar, só se eu fosse mais louco que a loucura.

Comentar

Comentários encerrados em 18/12/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.