Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Falta de informações

Pouso em país diferente e sem assistência gera indenização

A companhia Gol foi condenada a indenizar uma passageira em R$ 10 mil, por danos morais, por ter deixado de lhe prestar assistência depois que ela desembarcou no Uruguai de um voo cujo destino original era a Argentina. A decisão é da 17ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, que considerou que a fornecedora de serviço deve fornecer atendimento em casos como esse, independentemente de culpa.

A mulher embarcou no Rio de Janeiro em agosto de 2010. Como o aeroporto de Buenos Aires estava fechado para pousos e decolagens devido a um mau tempo, o piloto pousou no aeroporto de Montevidéu, às 2h30. Por volta de 5h, depois de mais de duas horas de espera, o comandante avisou aos passageiros que eles poderiam desembarcar ou retornar a São Paulo e aguardar vaga nos próximos voos para Buenos Aires.

A consumidora escolheu a primeira opção e teve de arcar com as despesas de transporte fluvial e terrestre para chegar à capital argentina. Ela teve o pedido de indenização aceito pela primeira instância, na comarca de Juiz de Fora.

Para a Gol, o episódio causou meros aborrecimentos à consumidora, o que não poderia ser tratado como dano moral. A empresa disse ainda que não teve responsabilidade pela mudança de destino do voo, que ocorreu por fenômeno natural, imprevisível e inevitável.

O relator no TJ-MG, desembargador Leite Praça, disse que “não há prova de que a empresa tenha prestado as informações e assistência devidas [à consumidora], situação esta que, por si só, é suficiente para que reste configurado o dever de indenizar”. Ele avaliou que o valor deveria ser reduzido para R$ 7 mil, mas os desembargadores Evandro Lopes Teixeira e Luciano Pinto mantiveram o valor estabelecido em primeira instância. Com informações da Assessoria de Imprensa do TJ-MG.

Clique aqui para ler o acórdão.
Processo 0287936-78.2012.8.13.0145

Revista Consultor Jurídico, 7 de dezembro de 2013, 16h19

Comentários de leitores

1 comentário

Indenizações

Observador.. (Economista)

Um vôo marcado do ponto A para o ponto B. Este para, por motivos meteorológicos, no ponto X. A companhia Z, se quisesse demonstrar seriedade e interesse em bem atender, deveria providenciar hospedagem no ponto X até a melhoria das condições do tempo no ponto B.
Mas, companhia de Bruzundanga, sabe que as indenizações serão irrisórias e compensam o mal atendimento prestado.Imagine.Hospedagem, nova aeronave etc geram custos bem superiores às indenizações risíveis estipuladas em Bruzundanga.
Daí, vale à pena atender mal o cliente.Sempre.

Comentários encerrados em 15/12/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.