Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

'Jaleco branco'

STJ não vê fraude em caso de membro do TCE-BA

A Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça rejeitou, nesta quarta-feira (21/8), a denúncia contra o conselheiro do Tribunal Contas do Estado da Bahia Antônio Honorato de Castro Neto. O conselheiro era um dos investigados em operações promovidas pela Polícia Federal, entre elas a 'operação jaleco branco', sobre fraudes na Administração Pública. Com a decisão, o caso será remetido à primeira instância por envolver outros réus.

Castro Neto era acusado de fraude no Instituto Nacional do Seguro social (INSS), por supostamente intervir a favor de empresários que subornavam servidores do INSS, com o intuito de obterem Certidões Negativas de Débito. Por ser conselheiro do Tribunal de Contas baiano, a denúncia subiu ao STJ, em virtude da prerrogativa de foro do acusado.

Embora o conselheiro tenha sido denunciado por tráfico de influência, o STJ entendeu que o caso envolve crime de advocacia administrativa, o que formalmente caracteriza improbidade e, nesse caso, já teria assim ocorrido a devida prescrição. Porém, como o denunciado respondia ainda por formação de quadrilha, o que também foi rejeitado pelo STJ, o caso foi enviado à primeira instância no que se refere aos demais réus, que não possuem prerrogativa de função.

No julgamento desta quarta-feira (21/8), ficou vencida a relatora, ministra Eliana Calmon, que votou pelo recebimento da denúncia. Prevaleceu o voto do ministro João Otávio de Noronha, que sugeriu a votação em dois blocos. Desse modo, a Corte Especial decidiu primeiro se a denúncia deveria ou não ser recebida e, então, caso rejeitada, se cabia enviá-la à primeira instância.

Ficaram vencidos junto com a relatora os ministros Nancy Andrighi, Herman Benjamin e Sidnei Beneti. “Advirto que não é essa a conduta que se espera de um conselheiro do tribunal de contas estadual, agente que, ao invés de fiscalizar a atuação do Poder Executivo (por meio do julgamento de contas), atua perante este mesmo Poder Executivo na defesa de interesses privados, buscando, muito provavelmente, o recebimento de vantagem indevida”, disse Eliana Calmon.

Porém, a maior parte dos ministros reconheceu que os atos do conselheiro, registrados em diálogos interceptados pela Polícia, corresponderam à prática de advocacia administratia e que já ocorrera a prescrição do crime. As investigações da operação jaleco branco foi deflagrada pela Polícia Federal, na Bahia, em 2004.

Em novembro daquele a ano, a ministra Eliana Calmon, atendendo pedido da Polícia Federal, ordenou a prisão do conselheiro Antônio Honorato de Castro Neto e outros 15 acusados. Desde então, a defesa do réu tem criticado o tratamento dispensado e a exposição do seu cliente, como no caso em que ocorreu a mobilização de centenas de agentes e jornalistas no momento da prisão. Ainda de acordo com os advogados do conselheiro, ele teria sido encarcerdado e algemado por mais de 30 horas em razão da realização do interrogatório em Brasília, até ser, depois, liberado pela Justiça.

Revista Consultor Jurídico, 24 de agosto de 2013, 18h03

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 01/09/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.