Consultor Jurídico

Artigos

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Ciclo de conferências

Defensoria Pública está aberta à participação popular

Por 

A abertura de instituições públicas para uma efetiva gestão democrática e transparente constitui pauta de importância crescente desde a redemocratização do país, mas que ganhou urgência com as manifestações que tomaram as ruas das principais cidades no final do último semestre.

Embora seja arriscado assinalar apenas um ou outro aspecto das manifestações, caracterizadas por uma miríade de reivindicações, parece seguro o diagnóstico de que a população, cada vez mais consciente de sua cidadania, requer serviços públicos de qualidade e maior aproximação e legitimidade das instituições e órgãos públicos de todas as esferas.

É nesse cenário que a Defensoria Pública paulista inaugurou neste mês de agosto a quarta edição de seu Ciclo de Conferências Públicas, realizado a cada dois anos.

Durante dois meses, as unidades da Defensoria em 19 cidades do Estado de São Paulo promoverão conferências públicas locais para que os cidadãos — destinatários do serviço de assistência jurídica gratuita — compareçam, apontem quais são as demandas que consideram prioritárias para a atuação da instituição, além de críticas e sugestões.

Os encontros adotam uma metodologia de trabalho participativa, que valoriza a interação entre defensores públicos e sociedade civil. Os debates são divididos por eixos temáticos: discussão sobre a política institucional e de ampliação da Defensoria, direitos humanos, proteção aos idosos, consumidores, mulheres vítimas de violência doméstica, habitação e urbanismo, situação carcerária, infância e juventude, combate à discriminação, entre outros.

Em cada encontro, delegados regionais são eleitos para integrarem uma Conferência Estadual, que será realizada em dezembro, na capital. Nessa oportunidade, serão analisadas e aprovadas as propostas finais que irão compor as diretrizes de gestão da Defensoria Pública, traduzidas em seu Plano de Atuação.

O Ciclo de Conferências tem demonstrado ser um instrumento fundamental para que a Defensoria Pública mantenha-se sensível e atenta às demandas reconhecidas como prioritárias pelos usuários de seus serviços. Contribui também para cultivar um diálogo constante e perene entre defensores públicos e a população carente, afastando o risco de uma instituição voltada apenas para si.

Em São Paulo, a realização desse Ciclo não é mera iniciativa de gestão ou liberalidade, mas exigência prevista na Lei Orgânica da Defensoria Pública do Estado.

Acreditamos que esse mecanismo, ao lado de outras iniciativas que buscam transparência na gestão pública, constitui uma importante experiência para as instituições do sistema de Justiça, que não podem nunca deixar de se enxergarem como prestadores de serviços públicos. É dever dos órgãos públicos abrir cada vez mais suas portas aos cidadãos.

 é defensora pública-geral de São Paulo.

Revista Consultor Jurídico, 23 de agosto de 2013, 13h33

Comentários de leitores

5 comentários

Efetividade na ação

SCP (Outros)

Não conheço de perto os modelos que o comentarista Marcos se refere, mas esse modelo proposto pela Defensoria conta com a participação de uma Ouvidoria Externa, sendo fator bem interessante para garantir a efetividade da participação dos movimentos sociais.

Efetividade na ação

SCP (Outros)

Não conheço de perto os modelos que o comentarista Marcos se refere, mas esse modelo proposto pela Defensoria conta com a participação de uma Ouvidoria Externa, sendo fator bem interessante para garantir a efetividade da participação dos movimentos sociais.

Conheço na prática a DPGE-SP

Ramiro. (Advogado Autônomo)

Eu não era Advogado, e não podia me deslocar até São Paulo. Um processo, o Advogado perdeu prazo, não agravou, declinaram para São Paulo.
A DPGE-SP indicou do convênio da OAB uma Advogada que pegou um processo e o conduziu como quis sem ouvir em nenhum momento a mim como parte.
Os representantes da DPGE-SP foram de um comportamento lastimável. Não quiseram apelar, tive de arrumar apelação pelo Rio, não quiseram entrar com Recurso Especial... Largaram de lado...
Agora estar aberto à participação do dinheiro da patuleia, aberta a receber subsídios maiores desde que pagos com o dinheiro da patuleia, mal atendida...

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 31/08/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.