Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Falta de profissionais

Há apenas 15 ginecologistas para 35 mil presas no país

Não há ginecologistas em quantidade suficiente para atender as 35 mil brasileiras que estão presas. Dados referentes a dezembro do ano passado do Sistema Integrado de Informações Penitenciárias, do Ministério de Justiça, revelam que apenas 15 profissionais prestam atendimento às detentas brasileiras. A média é de um médico para cada 2,3 mil mulheres atrás das grades.

Se fosse cumprida a recomendação do Ministério da Saúde, que prevê uma consulta anual por mulheres, os 15 ginecologistas deveriam trabalhar 365 dias por ano, atendendo seis pacientes por dia. A falta de profissionais para cuidar da saúde da mulher será um dos temas do II Encontro Nacional do Encarceramento Feminino, que o Conselho Nacional de Justiça, que ocorre nos dias 21 e 22 de agosto.

Segundo Luciano Losekann, juiz auxiliar da Presidência do Conselho Nacional de Justiça e coordenador do Departamento de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário e do Sistema de Execução de Medidas Socioeducativas, é necessário adotar outras soluções. Ele explica que o ideal seria cada unidade contar com um médico. Como isso não é possível, as presas são encaminhadas à rede do Sistema Único de Saúde.

Anualmente, de acordo com o Ministério da Saúde, toda mulher deve ir ao ginecologista para o exame de Papanicolau, que é fundamental para a prevenção e diagnóstico do câncer de colo de útero. As grávidas devem fazer seis exames de pré-natal e ao menos um após o parto. 

Segundo Valdirene Daufemback, ouvidora do Departamento Penitenciário Nacional, a falta de atendimento ginecológico e a ausência de itens como absorventes estão entre as críticas mais comuns das presas. Elas também reclamam da revista íntima vexatória dos visitantes e a separação precoce e abrupta dos filhos. Com informações da Assessoria de Imprensa do CNJ.

Revista Consultor Jurídico, 16 de agosto de 2013, 10h09

Comentários de leitores

3 comentários

Revoltante

Observador.. (Economista)

Esta preocupação, excessiva, com o preso no Brasil.
Há cidades no interior do nordeste onde nem há médicos.Não há nada.
E há presos com vida bem melhor do que a de muitos brasileiros que, mesmo com pouco, procuram viver suas vidas de forma digna.
Ah....a vítima...aquela que foi enterrada?Dessa só a família lembra no país.
É tudo muito tosco, mal feito e mal pensado em Banânia..

Há cidades inteiras que não contam com ginecologistas

Winfried (Outros)

Perfeito seu comentário, Ana Lúcia! E fora que há cidades inteiras que se contarem com UM ÚNICO ginecologista vinculado ao SUS será muito!!!

não há necessidade de médicos exclusivos em presídios, usem

analucia (Bacharel - Família)

não há necessidade de médicos exclusivos em presídios, usem o SUS.
ORa, presos e soltos devem usar o SUS e não ter mordomias.

Comentários encerrados em 24/08/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.