Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Dados compartilhados

Corregedora eleitoral suspende acordo entre TSE e Serasa

Por 

A corregedora-geral da Justiça Eleitoral, ministra Laurita Vaz, suspendeu, nesta quinta-feira (8/8), em caráter cautelar, o acordo de cooperação técnica entre o Tribunal Superior Eleitoral e o Serasa, que previa o fornecimento à empresa de dados cadastrais de eleitores. A ministra reconheceu o caráter sigiloso de alguns dos dados que são objetos do contrato, de modo que justificou a suspensão sob o argumento  do risco de quebra de sigilo de dados que estão a ela “confiados”.

Reportagem do jornal O Estado de S. Paulo, publicada nesta quarta-feira (7/8), revelou que o TSE firmou um acordo de cooperação técnica com fins de fornecer a Serasa seu cadastro com nomes, datas de nascimento e filiação materna dos eleitores em troca de a empresa prestar à corte serviços de certificação digital.

No despacho, a corregedora relata que sua antecessora no cargo, ministra Nancy Andrighi, recusou uma primeira proposta do Serasa pelo fornecimento de informações, tanto com base na disciplina legal que regulamenta a matéria tanto quanto na própria jurisprudência da corte. Contudo, no mesmo despacho em que negou o fornecimento de dados do cadastro eleitoral, a ministra Nancy Andrighi reconheceu que é permitido o compartilhamento de dados de eleitores acerca da  situação da inscrição e quitação eleitoral, desde que os dados sigilosos não fossem liberados.

Dessa forma, o Serasa formulou uma nova proposta de cooperação. A empresa queria o fornecimento dos dados referentes ao nome do eleitor, o número de inscrição e do CPF, além de dados relativos a óbitos. Na ocasião, a empresa afirmou que o compartilhamento de dados iria colaborar na diminuição da ocorrência de fraudes e, portanto, na redução do risco na operação de negócios e em favor da proteção do mercado de crédito.

A então ministra corregedora deferiu a nova proposta, com exceção do fornecimento dos CPFs. Após análise, a assessoria jurídica da diretoria-geral pronunciou-se a favor da decisão da corregedora. Ao suspender provisoriamente os efeitos do acordo, a ministra Laurita Vaz informou ainda que este não fora executado até o momento, sendo que as informações, deste modo, ainda estão preservadas. A suspensão é válida até o julgamento da matéria pelo Plenário do TSE.

Leia aqui o despacho que suspendeu o acordo.

 é repórter da revista Consultor Jurídico em Brasília.

Revista Consultor Jurídico, 8 de agosto de 2013, 17h31

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 16/08/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.