Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Crime de desobediência

STF julga ação contra senador Lindbergh Farias

O Plenário do Supremo Tribunal Federal resolveu, na sessão plenária dessa quinta-feira (18/4), questão de ordem em Ação Penal 679 a que responde o senador Lindbergh Farias (PT-RJ) pelo crime de desobediência. O senador é acusado de ter deixado de responder a ofícios da 2ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva de Nova Iguaçu (RJ), cidade da qual era prefeito.

O ministro Dias Toffoli resolveu a questão com precedente do STF no julgamento de agravo regimento na Ação Penal 630. “Tendo em vista que o acusado enseja a nulidade do recebimento da denúncia porque não lhe foi dada a faculdade de defesa prévia, mas, desde logo, apresentou tal defesa, estou resolvendo a questão de ordem, na linha desse precedente, para que nós possamos, já tendo considerado válido o recebimento da denúncia em setembro de 2010, analisar se é caso de absolvição sumária ou não”, explicou.

Os ofícios solicitavam “dados técnicos indispensáveis à propositura de ação civil pública” e, nos termos da Lei 7.347/85 (artigo 10), a recusa, retardamento ou omissão de tais dados constitui crime punido com pena de reclusão (de um a três anos), mais multa. Lindbergh Farias alega que não respondeu tais ofícios porque não os recebeu pessoalmente.

A denúncia foi recebida pelo juízo da 1ª Vara Criminal de Nova Iguaçu em 9 de setembro de 2010, quando Lindbergh Farias estava em plena campanha eleitoral, após renunciar ao cargo de prefeito para concorrer ao Senado. Tendo sido eleito e diplomado em 17 de dezembro daquele ano, houve o deslocamento da competência penal para o STF em razão da prerrogativa de foro assegurada constitucionalmente aos congressistas.

Na questão de ordem, a defesa do atual senador afirmou que, com o deslocamento da competência penal, a defesa preliminar apresentada por Lindbergh Farias (nos termos dos artigos 396 e 396-A do Código de Processo Penal) não foi apreciada na origem nem no STF. Os dispositivos citados estabelecem que “nos procedimentos ordinário e sumário, oferecida a denúncia ou queixa, o juiz, se não a rejeitar liminarmente, recebê-la-á e ordenará a citação do acusado para responder à acusação, por escrito, no prazo de dez dias.”

Nessa resposta, o acusado poderá arguir preliminares e alegar tudo o que interesse à sua defesa, oferecer documentos e justificações, especificar as provas pretendidas e arrolar testemunhas, qualificando-as e requerendo sua intimação, quando necessário. Ocorre que há uma lei específica (Lei 8.038/90), que dispõe sobre as normas processuais que devem ser observadas nas ações penais originárias perante o STF e o STJ. O artigo 4º desta lei garante ao acusado a apresentação de defesa prévia antes do recebimento da denúncia.

A proposta do relator foi acompanhada pela maioria dos ministros, com exceção do ministro Marco Aurélio, que acolhia a nulidade invocada pela defesa de Lindbergh Farias. Em seguida, o Tribunal decidiu pela necessidade de nova publicação de pauta para intimar as partes quanto à análise da ação, tendo em vista que somente a questão de ordem foi pautada para a sessão desta sexta-feira (19/4). Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.

Ação Penal 679

Revista Consultor Jurídico, 19 de abril de 2013, 14h36

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 27/04/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.