Consultor Jurídico

Alta de 5,1%

Em 2012, entraram 2,2 milhões de ações trabalhistas

"Não há interesse das empresas em investir nos funcionários". A afirmação é do professor José Márcio Camargo, do Departamento de Economia da PUC-Rio, para justificar que a Consolidação das Leis do Trabalho gera incentivos errados para a economia, que são a alta rotatividade e a baixa produtividade. Apesar disso, ele considera difícil atualizar a legislação trabalhista, numa situação de pleno emprego, como está ocorrendo. As informações são do jornal O Globo.

“Alterações são feitas em momentos de crise e desemprego. Se todo mundo está achando que está bom, então para que mudar?”, indagou. Camargo ressaltou, porém, que o número crescente de ações judiciais é o efeito concreto de uma legislação que estimula os conflitos. Em 2012, ingressaram nas 1.440 varas de Trabalho do país 2,2 milhões de ações trabalhistas, aumento de 5,1% em relação a 2011.

Novos contratos
Para o ministro João Oreste Dalazen, ex-presidente do Tribunal Superior do Trabalho, a CLT inibe a adoção, no país, de novos tipos de contratos de trabalho. Ele cita o exemplo da Espanha, onde há o trabalho autônomo economicamente dependente, mas sem vínculo empregatício.

Nesse caso, os trabalhadores não têm os mesmos direitos de um empregado comum, mas benefícios específicos, em função da forma como o serviço é prestado. Criar novos tipos de contratos, na avaliação do ministro, é uma forma de incluir no mercado de trabalho milhões de trabalhadores informais.

No caso da nova legislação das domésticas, a ministra do TST Delaíde Miranda Arantes também acha necessário um ajuste por meio de súmula. Uma possível solução, disse a ministra, é que as famílias contratantes de babás e cuidadores de idosos passem a pagar folguistas ou adotem um sistema de revezamento entre os próprios membros da família para cuidar do parente.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 18 de abril de 2013, 10h29

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 26/04/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.