Consultor Jurídico

Notícias

Comentários na internet

Justiça proíbe advogado de acessar redes sociais

Comentários de leitores

  • Página:
  • 1
  • 2

32 comentários

amiguinho

Márcio Versiani Penna (Advogado da União)

o juiz é amiguinho do promotor!

Sábia decisão

Diego Tuschtler (Advogado Autônomo - Financeiro)

Sábia decisão, muito sábia.
Tão inteligente que será extremamente eficaz para impedir o acesso por meio de contas "fakes" ou por meio da senha de outrem.
Estou ironizando, senhores.
.
.
.
Aliás, paro por aqui, antes que meu acesso à Internet seja proibido judicialmente...

Conluio... ???

Diego Tuschtler (Advogado Autônomo - Financeiro)

Alguém muito importante no Judiciário tupiniquim disse, dias atrás, que há "conluios perniciosos" entre nós advogados e (alguns) magistrados.
Pois é.
Acho que esse eminente senhor deveria "sair mais às ruas" - ou aos fóruns.
Digo, ainda que aparente diminuto e mesquinho o meu pensar, que tal autoridade se olvidou dos cotidianos "lanches da tarde" que permeiam as relações judiciais e ministeriais nos fóruns e tribunais deste imenso Brasil, das conversas ao pé do ouvido em audiência etc.
Posso estar enganado, mas nas comarcas em que atuo nunca tivemos notícia sobre advogado que participasse desses coffee breaks vespertinos, dos quais sabemos (e como!) que emergem até mesmo futuras decisões processuais.
Bom, digo isso com todo o respeito aos dignos magistrados e membros do MP (que conheço ou não) que não se enquadram nesses meus dizeres. Certamente, a maioria.
OAB, menos politicagem e bajulações e mais atuação defensiva, por favor.

Decisões assim ocorrem todo dia

Rodrigo P. Martins (Advogado Autônomo - Criminal)

O problema é que o dono da caneta em nada é responsabilizado por seus atos...

Cade a Comissão de Defesa de Prerrogativas da OAB...

Antônio dos Anjos (Procurador Autárquico)

...e a turma dos Direitos Humanos???
Lambra-me o caso da blogueira cubana...

O que se esperar de um imbecil?

Gusto (Advogado Autônomo - Financeiro)

Isso aí, esse ser repugnante e pegajoso que verte uma toga não pode merecer outra consideração e qualificação que não a de verdadeiro IMBECIL, no sentido lato da palavra. Certamente é um protetor de corruptos e corruptores, utilizando a penada judicial para avalizar atos putrefatos de tantos outros vermes. Onde está a OAB? O que significa essa decisão anencéfala? Aonde vamos parar?

Oab omissa

Marques Almeida (Funcionário público)

Enquanto a OAB não tomar as devidas providências para fazer valer as prerrogativas dos advogados, decisões como essas aindam vão acontecer, onde já se viu proibir um operador do Direito ou qualquer cidadão de se manifestar publicamente pelas redes sociais ou ameaçá-lo de prisão por ter criticado um promotor de justiça que não está cumprindo com seu palel. Essa decisão judicial violou um dos direitos constitucionais que é manifestar sua opinião e, ressalta-se que ele não usou do anonimato, fez de forma transparente e moderada. Essa seria a hora da comissão de prorrogativas da OAB/SP acionar o CNJ para que esse juiz sofresse uma reprimenda por essa decisão judicial. Reage OAB, não seja omissa!!!

Vergonha

Dr. Montenegro (Advogado Associado a Escritório - Trabalhista)

Se o protecionismo é fragrante, onde está a OAB neste caso? talvez cobrando anuidades....

Oab cadê você????

rodrigues (Estudante de Direito)

Com as irrenunciáveis venias, ao invés da OAB ficar repudiando posicionamentos do Presidente do STF, deveria sim, E URGNTE, REPUDIAR VEEMENTEMENTE o ato que agora o Conjur nos anuncia. Meu Deus! É quase inacreditável!!!!

Que absurdo

Nelson Leite Filho (Advogado Autônomo)

Inacreditável, porém para que tudo fique justo e perfeito devemos lembrar que uns pensam que são Deus, outros têm certeza que o são, todavia, entre eles os advogados sabem que não são.

Se me contassem eu não acreditaria

Ariosvaldo Costa Homem (Defensor Público Federal)

Meu Deus!!!. Isto que dá Ministério Público sentar-se no mesmo plano e ao lado do Juiz. Poder supremo. Espero também não ser proibido de comentar aqui. Ariosvaldo de Gois Costa Homem, Defensor Público Federal aposentado.

o retorno da didatura. e a OAB?

Ribedson (Advogado Autônomo - Civil)

A didatura está de volta? A decisão ditatorial desse magistrado é uma ofensa ao estado demoncrático de direito devendo a Ordem dos Advogados do Brasil atuar com vigor neste caso não só porque se trata de advogado, mas sim porque, repito, configura um ''tapa na cara'' da democracia. Espero que esse juiz fique bem longe da Capital.

Lei da mordaça

Rivaldo Penha (Auditor Fiscal)

Para que ponto estamos caminhando? Isso é típico de um regime totalitário, no qual não se pode questionar o Rei. O que acontece se um promotor criticar um advogado?

Meeeuuu Deus!

DPC Fabio (Delegado de Polícia Estadual)

Sem comentários...

Assim caminha a Humanidade...

C.. (Advogado Autônomo)

Qualquer eventual dano levado a efeito via manifestação de opinião pode, em tese, ser indenizado, após o regular trâmite de ação para tal fim, respeitado o contraditório.
A decisão em questão retrata, quiçá, caso de abuso de poder.
E há os que ousam defender a limitação às possibilidades recursais, com base na frágil justificativa de concessão de celeridade processual (como se a culpa pela morosidade do Judiciário se devesse, realmente, à utilização de recursos, quando cediço é que apenas os advogados cumprem prazos fixados em lei para a prática de seus atos), aumentando de forma não ideal o poder de magistrados de 1ª Instância.
Será que, caso o jurisdicionado, ora mal influenciado pela distorcida visão midiática "datenística", realmente tivesse ciência do preço que virá a pagar pela supressão de recursos, concordaria com sua efetivação?
Quais as providências adotadas pela OAB em relação ao
caso?

Fiquei com medo

Bellbird (Funcionário público)

Tenho criticado a atuação do MP. Acho que posso ser condenado a pagar cesta básica de tomates.
Achava que a promiscuidade era entre os advogados e o judiciário.

Uma decisão surreal.. E ainda querem acabar com os recursos

Ademilson Pereira Diniz (Advogado Autônomo - Civil)

É quase inacreditável que um JUIZ tenha proferido uma decisão desse teor. Vejo, consternado, que há coisas hoje em dia praticadas pelo PODER PÚBLICO (LEGISLATIVO E JUDICIÁRIO, que nem os MILITARES na época da ditadura ousaram praticar. Vemos LEIS absurdamente fachistas, que negam direitos fundamentais aos cidadãos; vemos decisões judiciais que envergonhariam as mais toscas democracias. É preciso que esse JUIZ sofra a reprimenda do CNJ e mais, que, processado o ESTADO, veja-se esse Juiz condenado a ressarcir ao Estado o pagamento efetuado; isso no mínimo, pois o certo seria a PERDA da toga já que, como visto este senhor não tem condições de julgar ninguém. Agora um comentário à parte: com juízes desse naipe, alguém de bom senso ainda se atreve a defender a supressão dos recursos nos processos civis e penal?

Abuso total

Paulo Henrique M. de Oliveira - Criminalista (Advogado Autônomo - Criminal)

Há muito venho dizendo, em minhas manifestações públicas pelas redes sociais, que há um conluio promíscuo das relações entre alguns promotores com alguns juízes. Há varas em que a situação funciona descaradamente da seguinte forma: se o advogado requerer é indeferido, mas ao promotor concede-se tudo.
O nobre colega ousou denunciar o promotor e, é lógico, caiu na tal rede de promiscuidade a que me refiro.
É muito difícil imaginar-se que um juiz equilibrado e equidistante pudesse decidir de forma tão arbitrária, agindo ao arrepio completo dos direitos e garantias fundamentais constitucionalmente assegurados aos brasileiros e estrangeiros residentes no país.
Tratando-se de fato notório, publicado aqui no Conjur, a Comissão de Prerrogativas da OAB/SP tem de agir “ex officio” e já. Não se trata, no caso vertente, da defesa apenas do profissional, mas do cidadão, da cidadania e da democracia, enfim.
Não basta, porém, que se reverta o quadro. É imprescindível que referido magistrado seja punido e bem punido. Se a Corregedoria Geral da Justiça não o fizer, o Conselho Nacional de Justiça certamente o fará e, se ainda assim, persistirem os abusos e a impunidade do abusado, que se recorra à Cortes Internacionais.
É preciso cortar o mal pela raiz. Vale, a propósito, transcrever um excerto do poema “No Caminho com Maiakovski”, do grande poeta Eduardo Alves da Costa, a saber:
“Na primeira noite eles se aproximam
e roubam uma flor
do nosso jardim.
E não dizemos nada.
Na segunda noite, já não se escondem:
pisam as flores,
matam nosso cão,
e não dizemos nada.
Até que um dia,
o mais frágil deles
entra sozinho em nossa casa,
rouba-nos a luz, e,
conhecendo nosso medo,
arranca-nos a voz da garganta.
E já não podemos dizer nada.”

Prerrogativas

ILDEFONSO DOMINGOS (Advogado Autônomo - Consumidor)

Será que li mesmo que o “magistrado” determinou que “Ele também está obrigado a se apresentar mensalmente à Justiça para informar suas atividades”? Ora, se o exercício da atividade do colega é a advocacia, então a referida profissão está sob suspeita? Aí estaremos todos obrigados a comparecer em algum órgão de controle do Poder Judiciário para comprovar nossa atividade, onde, quando e como? Quero ver se o Conselho Federal da OAB, que cobra religiosamente as nossas anuidades, irá demonstrar a que veio. E rápido...

E a OAB de Limeira? E a OAB/SP??

DBS (Assessor Técnico)

Não vão se manifestar? O Procurador-Geral de Justiça foi pessoalmente se reunir com todos os promotores pra fazer o desagravo contra o advogado
E OAB? Kd?

  • Página:
  • 1
  • 2

Comentar

Comentários encerrados em 17/04/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.