Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Alarme antifurto

Cliente é indenizada por constrangimento ao sair de loja

A 10ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve indenização por danos morais em benefício de um cliente de um supermercado no valor de 100 vezes o valor da compra, ou seja, R$ 19.990,00, em razão de situação vexatória a que foi submetida na loja.

Ao sair do supermercado, após adquirir uma cadeira para transporte de criança em automóvel, pela qual o cliente pagou R$ 199,00, os sensores antifurto dispararam, em razão do dispositivo não ter sido retirado pelo funcionário do caixa.

O relator do caso no tribunal, desembargador Roberto Maia, afirmou que “não há controvérsia sobre o regular pagamento da mercadoria adquirida (reconhecido pela própria demandada), bem como sobre o acionamento do alarme, decorrente do esquecimento do caixa em retirar o dispositivo de segurança do produto”.

O desembargador destacou que “também restou confirmado que a autora teve seus pertences revistados na saída da loja ré, sendo exposta desnecessariamente a constrangimento perante outros clientes”. “Ademais, ao contrário do alegado pela demandada, a requerente não foi atendida pelo responsável pela segurança e tampouco teve o dispositivo de segurança desprendido do produto adquirido, tanto que este se encontra juntado aos autos, de onde se pode concluir que não houve o mencionado ‘pedido de desculpas’ por parte dos prepostos da apelante.” A votação foi unânime. Com informações da Assessoria de Imprensa do TJ-SP.

Processo 0128531-32.2008.8.26.0000

Revista Consultor Jurídico, 7 de abril de 2013, 15h23

Comentários de leitores

2 comentários

Resposta à Lúcida

Ismercio (Outros)

Bom dia.
Concordo com voce, também acho que já que "matou a cobra mostra o pau" ai é o seguinte, quando tem o número do processo voce copia e coloca no buscador que normalmente voce acha a mesma noticia em outros lugares e por muitas vezes traz o nome do estabelecimento em questão.
No caso do estab. da matéria acima (Processo 0128531-32.2008.8.26.0000) achei o link: http://www.tjsp.jus.br/Institucional/CanaisComunicacao/Noticias/Noticia.aspx?Id=17809
dê uma olhada Lúcida lá voce encontrará o estab. onde ocerreu o fato em questão.
Abraço espero ter sido util.

Falta o nome do estabelecimento

Lúcida (Servidor)

Aonde isso ocorreu? Por que escondem o nome do supermercado??

Comentários encerrados em 15/04/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.