Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Acesso restrito

OAB-SP repudia sessões fechadas de comissão na Câmara

O presidente da seccional paulista da Ordem dos Advogados do Brasil, Marcos da Costa, publicou nota manifestando repúdio contra fechamento de sessões da Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados. De acordo com a nota, o povo não pode ser impedido de acompanhar o trabalho de seus represenantes.

Na última quarta-feira (3/4) a Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara aprovou requerimento para restringir o acesso às reuniões do colegiado a deputados, assessores, convidados e à imprensa. De autoria do presidente da comissão, deputado Pastor Marco Feliciano (PSC-SP), a iniciativa visa a impedir as manifestações durante as sessões da comissão.

Para a OAB, “esse cerceamento remete a tempos obscuros e arbitrários de nossa história política, onde os direitos humanos somente podiam ser discutidos a portas fechadas. Muitos brasileiros, entre eles inúmeros advogados, empreenderam uma árdua e longa luta para que os direitos fundamentais do nosso povo fossem respeitados e debatidos à luz do dia. Dessa forma, não podemos ser coniventes com medida que constitui um retrocesso inadmissível em um Estado Democrático de Direito”.

“O episódio arranha a imagem do Parlamento e não deixa claro quais os motivos que levam a Câmara Federal a proteger um parlamentar sem qualquer representatividade na área dos Direitos Humanos, nem histórico de luta, e que tem externado continuadas manifestações de intolerância, demonstrando total incompatibilidade com o cargo para o qual foi investido”, conclui.

Veja a íntegra da nota de repúdio
A Ordem dos Advogados do Brasil — Seção São Paulo vem a público externar sua posição frente à decisão inédita da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara Federal de realizar sessões fechadas para contornar manifestações contrárias à permanência do presidente da Comissão, apequenando o papel do Congresso Nacional.

Essa decisão abre um precedente perigoso porque o Congresso Nacional está alijando os cidadãos de seus debates, em total descaso aos princípios republicamos mais básicos, que devem imperar em todos os Legislativos. Em uma democracia consolidada, o povo não pode ser impedido de opinar sobre decisões tomadas em seu nome, nem de acompanhar o trabalho de seus representantes no Poder Legislativo.

Esse cerceamento remete a tempos obscuros e arbitrários de nossa história política, onde os direitos humanos somente podiam ser discutidos a portas fechadas. Muitos brasileiros, entre eles inúmeros advogados, empreenderam uma árdua e longa luta para que os direitos fundamentais do nosso povo fossem respeitados e debatidos à luz do dia. Dessa forma, não podemos ser coniventes com medida que constitui um retrocesso inadmissível em um Estado Democrático de Direito.

O episódio arranha a imagem do Parlamento e não deixa claro quais os motivos que levam a Câmara Federal a proteger um parlamentar sem qualquer representatividade na área dos Direitos Humanos, nem histórico de luta, e que tem externado continuadas manifestações de intolerância, demonstrando total incompatibilidade com o cargo para o qual foi investido.

São Paulo, 5 de abril de 2013

Revista Consultor Jurídico, 5 de abril de 2013, 19h08

Comentários de leitores

4 comentários

Somos uma democracia?

Niciane Morais (Advogado Assalariado)

Em linhas gerais, podemos entender a democracia, inclusive, como a liberdade de manifestação do pensamento, mas será que encontramos, de fato, uma democracia estabelecida em nossa sociedade?
Será que não encontramos a alegoria da democracia, o faz de conta, a hipocrisia que nos remete à condição de seres acorrentados, mas que acreditam cegamente que são livres?
Será que democracia é... estar em frente a TV e ver continuamente a erotização desenfreada nas crianças, adolescente e jovens? Corpos expostos na proposta constante de serem desejados? Vamos liberar o erotismos, é isso? Só que, tristemente, assistimos na mesma TVzinha a notícia de pedófilos que acharam que a visão televisiva é pouco para matar o seu desejo.
Será que democracia é... é homens e mulheres vivente o sexo sem medidas e referenciais, no lema enganoso de "vamos viver intensamente"? Posso então, abusar sexualmente e estuprar, pois o exercício da sexualidade pode ser desmedida (quase animalesca)?
Será que democracia é... oferecer jogos e filmes de violência extrema, na triste ideia que "sou do bem" e o outro "é do mal". Então, podemos nos perguntar: nós temos a exata dimensão de nós mesmos ou será que precisamos que alguém diga que não sou do bem, e sim do mau?
A grande verdade é que somos conduzidos como seres antagônicos, pensamos que vemos, mas somos cegos, pensamos que optamos, mas estamos subjugados e massificados.
A OAB também faz parte desse quartel de manipuladores, desfruta das altas patentes, prega a democracia e parece querer andar atada ao populismo. Quando a quebradeira, desordem e os insultos lhe são "simpáticos", tudo bem, isso SIM é DEMOCRACIA.

OAB/SP você não me representa.

Leopoldo Neto (Advogado Autônomo - Civil)

OAB/SP você não me representa. Ainda que enfie a mão no meu bolso e me subtraia a "anuidade".

Apoiado!

Richard Smith (Consultor)

Endosso absolutamente todas as palavras do ponderado, percuciente e corajoso comentador Diogo, a quem encaminho forte abraço.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 13/04/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.