Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Fraudes no Dnit

Ex-governador do MS é réu por desvio de R$ 14 milhões

A Justiça Federal em Mato Grosso do Sul aceitou, nesta terça-feira (2/4), denúncia contra 12 acusados de participação em um esquema de fraudes no Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit). O grupo é acusado pelo Ministério Público Federal pelo desvio de R$ 14 milhões, entre 2001 e 2006, por meio de contratos com as empresas TV Técnica Viária Construções, Rodocon Construções Rodoviárias e ECR Sociedade Civil de Engenharia e Consultoria. A denúncia foi aceita pelo juiz federal Ricardo Damasceno de Almeida, da 2ª Vara da Justiça Federal de Dourados. As informações são do site de notícias Terra.

Entre os 12 acusados está o ex-governador Marcelo Miranda (PMDB), que responde pelo crime de corrupção passiva. Além dele, Carlos Roberto Milhorim, ex-Supervisor do Dnit em Dourados; Guilherme de Alcântara Carvalho, ex-chefe do Serviço de Engenharia na Superintendência Regional do Dnit; Francisco Roberto Berno, engenheiro da Rodocon; Vilmar José Rossoni, encarregado geral da Rodocon em Dourados; Gustavo Rios Milhorim, engenheiro da ECR; Renato Machado Pedreira e José Carlos Rozin, sócios da base Engenharia, que prestava serviço para a Rodocon e Técnica Viária; Hilário Monteiro Horta, engenheiro da Técnica Viária; Solange Regina de Souza, funcionária da Técnica Viária; Dori Spessato, proprietário da Spessato Diesel; e Tereza de Jesus Gimenez, funcionária da mesma empresa serão notificados, e terão um prazo de 10 dias para apresentar se defenderem.

O juiz determinou também que o ex-supervisor do Dnit, Carlos Roberto Milhorim, seja imediatamente afastado do desempenho de qualquer atividade relacionada à licitação, contratação e fiscalização de obras rodoviárias, conferência e medição de pavimentações, obras e serviços de manutenção e conservação de rodovias federais.

Damasceno aceitou ainda o pedido de sequestro do apartamento Milhorim. O juiz entendeu que há fortes indícios de que o imóvel foi comprado com dinheiro oriundo do esquema de corrupção.

Revista Consultor Jurídico, 4 de abril de 2013, 17h23

Comentários de leitores

1 comentário

Varicela

Zé Machado (Advogado Autônomo - Trabalhista)

Se corrupção fosse varicela o país estaria permanentemente colorido. Até parece campeonato com troféu e tudo mais e sempre na casa dos milhões. É uma pouca vergonha. É o mérito da impunidade.

Comentários encerrados em 12/04/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.