Consultor Jurídico

Comentários de leitores

8 comentários

"Casa Grande e Senzala"... ainda.

Luis Alberto da Costa (Funcionário público)

Vou copiar e guardar os textos dos comentários a este artigo. Talvez daqui a uns vinte anos seja possível mostrá-los e ver uma reação de perplexidade e indignação das pessoas. Mas, lamentavelmente, por enquanto esses comentários ainda refletem o pensamento de grande parte de nossa população. São, enfim, um fiel retrato do cinismo da nossa sociedade. Ainda bem que dessa vez o Congresso Nacional agiu em sentido oposto a esta triste realidade. O brasileiro é um povo oprimido, sim, mas quando tem a oportunidade de oprimir, não demora em aproveitá-la, até a última gota.

Empregada doméstica? Simples!!!

Flávio Barros (Jornalista)

Simples (Sistema Simples) é a solução para a empregada doméstica, com o direito do patronal descontar no seu imposto de renda custos extras com o seu empregado, tipo: refeição e dormir no emprego. Emprego doméstico é uma iniciativa empreendedora individual. O empregador deve ser estimulado a empregar, e não arcar com "direitos trabalhistas" de uma empresa. Passar para o empregador atribuições trabalhista é um pensamento tacanho, castrador, paternalista. Essa PEC demonstra o "nível" dos nossos parlamentares, que só enxergam entre o bem e o mal, tradicionalmente e não inovam, não incentivam à produção, só a punição por tributação e responsabilidades fiscais. Jovens deveriam ser impulsionados a aprender e valorizar o emprego doméstico como uma etapa na sua vida, na qual ele aposta no sistema pagando por si mesmo uma pequena taxa (Simples). E o empregador a entender o empregado doméstico como pessoa que dá os seus passos trabalhando na comunidade familiar. Vejo essa PEC como punição à figura humana: de quem trabalha e de quem paga. Por mais que se façam discursos "bonitos", de ambos os lados, há o sentimento de exploração mútua nessa relação que, em breve, eclodirá nas indenizações por tempo de serviço. Quem empregou terá de pagar com a sua poupança (se tiver); que trabalhou vai exigir o que é devido, nem que haja a penhora de bens, e a legislação trabalhista permite. Os advogados vão adorar incentivar uma empregada doméstica tirar os bens da pessoa que ela serviu com tanta eficiência e conhecimento do seu dia a dia. No final, será: "Trabalhando com o inimigo"! De social essa PEC nada tem. Apenas desfaçatez do que vem por aí!

Erro

Observador.. (Economista)

Mais uma "lei-bonita-no-papel".Mais um absurdo produzido por mentes ideológicas e não, de fato, preocupadas em melhorar relações trabalhistas.
Não se quer ter trabalho.Aquele trabalho duro que é o de pensar.Pensar muito e fazer projeções de como, na prática, esta ou aquela lei irá funcionar.O que se busca é "jogar para platéia".Do mesmo jeito que criaram a falsa classe média.Na caneta, apenas, ela existe.O que passou a existir, na realidade, é uma classe de trabalhadores hiper-endividados, que agora estão recebendo a conta dos exageros cometidos.Há números que apontam para 65 milhões, o de brasileiros com dividas em bancos, cartões etc.
No caso das domésticas, que não geram lucro para os patrões, haveriam formas de protegê-las, sem expô-las ao desemprego.Já vi político se orgulhando que, agora, seremos igual aos EUA.Só ricos terão empregados.E isto, por acaso, é bom para economia?E as empregadas que tem empregada?Há diversos casos.Elas darão conta de pagar as babás ou empregadas que cuidam das suas famílias?
Enfim.Mais um tiro no pé, que a ideologia faz o Brasil dar.
E uma relação que era baseada na confiança mútua poderá, com o tempo, ser minada pelo rigor das regras.

Demagogia

Alan R. Silva (Advogado Autônomo)

Pura demagogia e um populismo torpe que só prejudica.
Nem esposarei os motivos pois quem conhece e atua nessa área sabe dos reais impactos da medida, e os que pensam mais sobre os motivos das ações percebem qual o real motivo da mudança.
Triste é ver pessoas informadas defenderem uma torpeza abismal com um conhecimento superficial e argumentos tão genéricos que deveriam estar em bula de remédio.
Perdem os trabalhadores (em maior medida) ,os empregadores e o brasil.
Vamos ver qual vai ser a medida demagoga que virá...
"Cada povo tem o governo que merece".
~Joseph de Maistre

Sociedade ilusória

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

O Partido dos Trabalhadores quer criar, a todo custo e a qualquer preço na linha do falecido Chaves, uma sociedade ilusória, com um suposto crescimento econômico e melhoria nas condições de vida dos mais pobres (que na prática não existe). As diversas exigência legais para o trabalho doméstico já está causando desemprego no setor, sem que no entanto existam mecanismos efetivos e concretos visando reinserir os trabalhadores dispensados em outras áreas. E o resultado disso todos nós sabemos: vão todos correr em busca de benefícios sociais, formando um curral eleitoral em favor do PT. Muitos vão acreditar que ficar o dia todo sem fazer nada, recebendo benefícios sociais, é melhor do que "ralar" o dia todo como doméstica. Trata-se de uma "igualdade" forçada, ilusória, que só atrasará o desenvolvimento do País e gerará mais pobreza e marginalização.

aumentar o desemprego no setor domestico

Ciro C. (Outros)

ou diminuir a exploração nua do trabalho alheio? como somos hipocritas... que niilismo é esse que nos assola? que dificuldade de enxergar além do próprio umbigo!

Populismo asqueroso

Veritas veritas (Outros)

A inovação legislativa é apenas mais um regalo no pacote de populismo que tem infestado o Brasil neste governo e no anterior. Mas o modelo já está fazendo água por todos os lados. Agora, o que se conseguiu é em nome de um discurso patético de "igualdade a qualquer custo", aumentar o desemprego no setor doméstico e turbar relações jurídicas que são ontologicamente distintas do emprego assalariado comum. Todos perdem, ninguém ganha, excetos advogados que agora vigiarão cada família de classr média em busca de um potencial processo trabalhista.

PEC dos Empregados Domésticos traz insegurança jurídica

Max (Consultor)

O Governo não está um pouquinho sequer preocupado com os trabalhadores (inclua-se as domésticas. O que ele quer é "ARRECADAR". Inúmeras vantagens(ajudas, presentes e outras)que hoje damos às nossas empregadas, serão cortadas. Faltou: desconta; Chegou atrasada: desconta; Saiu mais cedo: desconta.Não tem mais presente do Dia das Mães, Dia das Crianças; Páscoa, Natal. Olho por olho, dente por dente. É assim que o Governo quer.ACORDA BRAZZZZILZIZNHO.

Comentar

Comentários encerrados em 10/04/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.