Consultor Jurídico

Notícias

Violação à intimidade

TRF-1 rejeita denúncias contra casal Guerner e médicos

Comentários de leitores

11 comentários

Caro Helio

Lucas da Silva (Estudante de Direito)

Minha crítica, como se viu, não foi à ação proposta pelo Parquet, haja vista que este cumpriu o seu papel, mas sim ao juízo feito pelos desembargadores, uma vez que quando se faz a análise quanto à denúncia, deve ser ela de forma superficial, para somente então, após a instrução, ser feita uma análise profunda. A meu ver não foi este o caso da ação em comento.

Sobram peças

Helio Telho (Procurador da República de 1ª. Instância)

Caro Lucas da Silva (Estudante de Direito),
Déborah Guerner, embora promotora de Justiça, foi investigada e denunciada pelo Ministério Público, que pediu a abertura da ação penal.
Debite-se ao coitadismo penal, tão prestigiado pelos tribunais brasileiros, em especial pelo TRF/1ª Região, a rejeição da denúncia, com base em tão inusitada tese.
Coitadismo penal é a feição abrasileirada do garantismo importado da Europa e que, quando passa pela alfândega, é desmontado e remontado sem manual de instrução (sobram peças).

Fosse outro o denunciado...

Lucas da Silva (Estudante de Direito)

Caso não fosse uma Promotora de Justiça uma das denunciadas, tenho certeza que o caso seria totalmente diferente, pois a denúncia seria recebida, para somente então, no decorrer do processo, analisar-se profundamente as provas. Ou seja, fez-se neste caso o juízo de delibação antes do tempo, embora quando o juízo analisa se recebe ou não uma denúncia, deve fazê-lo superficialmente, em outras palavras, utilizar apenas o juízo de prelibação. Mas está tudo bem, quem tem poder e dinheiro em nosso país jamais sofre as sanções impostas pelo descumprimento das leis.

Brasília

Observador.. (Economista)

Só quem não viveu em Brasília desconhece o caso destas pessoas.E ainda o papel ridículo que a senhora em questão fez para manipular a justiça.
Total falta de vergonha, dignidade e apreço pelo que é do outro ( ou de todos nós ).Os bens públicos.
Um caso chocante de uso dos conhecimentos jurídicos para manipular a justiça.E fica tudo bem não é?
É de indignar!
Mas Ribas do Rio Pardo (Delegado de Polícia Estadual) e Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório) escreveram o que penso, melhor do que eu poderia fazer.

Nota da Redação - comentário ofensivo Comentário editado

ricardo tubarao (Consultor)

Comentário ofensivo removido por violar a política do site.

Temos o pcc e o ppd

ricardo tubarao (Consultor)

Lembram da historia dos porcos, onde alguns sao mais iguais que outros, pois é, temos o PCC

É sempre a mesma 'baba' -e tudo a portas fechadas

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório)

Os MENSALEIROS também não cometeram os crimes que lhes são imputados e filmados; apenas estavam ajudando-se, mutuamente, a "ESTRUTURAREM SEUS PENSAMENTOS" em relação ao que dizer sobre as cuecas sujas, recheadas de dinheiro limpo. Enquanto este país tiver 'DONOS' estamos f.....

prova ilicitas

Servidor estadual (Delegado de Polícia Estadual)

Antes a prova era ilicita por ser produzida sem autorização judicial, agora é porque expôs a intimidade do casal. Será que a europa e os EEUU não são países democraticos? Basta comparar a legslação estra e as interpretações para se descobrir "então" que o Brasil é o único pais democrático e social de direitos QUE NÃO PROTEGE SEU CIDADÃO HONESTO e cria um arsenal para aquele que viola o pacto social.

Inacreditável. Será que esse entendimento é igual para todos

Maurício S. Christino Advogado (Advogado Sócio de Escritório - Empresarial)

Me recordei quando vi os vídeos que passaram nos jornais televisivos. A decisão do E. TRF nos moldes aqui noticiados causam perplexidade e pior o video foi feito pelos próprios réus. Como se falar em violaçao de intimidade. Se ensinar uma pessoa a se passar por doente mental não é crime, é o que então?
Espero que o CRM tenha uma melhor avaliação da conduta dos médicos envolvidos.

Provas ilícitas

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Prova ilícita, sem dúvida. No entanto, ao menos na reportagem a questão da falsidade documental não ficou clara.

Aos Drº Rogério e Drº Paulo Sérgio

Alexandrino (Estagiário)

Quem não conhece, penso que são poucos, anotem!!!!
O Drº Rogério é um dos mais bem preparado e destemido advogado criminal da nova safra.
Parabéns também ao Drº Paulo Sérgio, que alberga em seu escritório/casa esse formidável colega.

Comentar

Comentários encerrados em 28/09/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.