Consultor Jurídico

Artigos

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Declarações polêmicas

Presidente da Apamagis deve desculpas à advocacia

Por 

Neste final de semana, a ConJur publicou uma entrevista com o desembargador e presidente da Associação Paulista de Magistrados (Apamagis), Roque Antônio Mesquita de Oliveira. O entrevistado usou de seu prestígio para fazer declarações impensadas e que ofendem a classe dos advogados.

Em uma de suas declarações polêmicas, o magistrado afirma que os juízes corruptos deveriam ser advogados. Um completo absurdo.

O desprestígio à profissão está por todos os lados. Não raro nos deparamos com piadas de mau gosto ditas por humoristas ou pela própria população. Ser advogado, hoje, virou sinônimo de defender bandidos, burlar a lei ou pensar apenas em benefício próprio.

É indignante ver a imagem que as pessoas fazem da classe. A advocacia é uma profissão de respeito e seu exercício uma garantia constitucional que protege o direito de defesa. Diz o artigo 133 da Constituição Federal: “O advogado é indispensável à administração da Justiça, sendo inviolável por seus atos e manifestações no exercício da profissão, nos limites da lei.”

Na Europa, por exemplo, o advogado tem fé pública tal são seu prestígio e credibilidade. Já no nosso país, o que vemos é um completo descaso, um aviltamento da nossa profissão.

Precisamos resgatar a autoestima dos advogados. E isso só é possível com uma OAB que lute pelos seus direitos e imagem. Não é possível ficar calado ao ouvir ofensas a uma das profissões mais antigas e respeitáveis da sociedade.

É lamentável nos depararmos com declarações como a do desembargador Roque Mesquita. O presidente da Apamagis deve desculpas públicas aos advogados.

Ao contrário do que disse, ele deveria enaltecer a advocacia, assim como enaltecemos a magistratura. Só teremos uma Justiça capaz de cumprir de fato seu papel quando houver respeito e ética acima de tudo.

 é advogado criminalista e pré-candidato da Ordem dos Advogados do Brasil em São Paulo.

Revista Consultor Jurídico, 18 de setembro de 2012, 15h26

Comentários de leitores

10 comentários

E levar Ministro do STF pra Europa pode?

José_Jr (Advogado Assalariado - Família)

Engraçado... Dar "carona" para o Ministro Toffoli (STF) até seu casamento na Ilha de Capri pode né? Como é que se chama mesmo? Enaltecer a Magistratura!

E ainda se aposentará com homenagens da oab

Caio Arantes - www.carantes.com.br (Advogado Sócio de Escritório - Criminal)

E o que é pior... o rinitente desembargador ao se aposentar (inclusive com homenagens da OAB paulista), será convidado à integrar uma "grande banca de Advogados" que através de sua assessoria de imprensa publicará em festa no Conjur: "Mesquita de Oliveira integrará o quadro de sócios do (nome da banca)". A atitude desse desembargador é asquerosa e imoral, e deveria ter sido levada a termo pela Seccional OAB, inclusive com ação em face da Apamagis, já que o assalariado magistrado se pronunciou representando-a. Mas, para que, não é??? É por isso que a classe dos Advogados está a cada dia mais em baixa, inclusive sendo achincalhada em programas vespertinos da pior qualidade, sob pesadas criticas por pseudo juristas (como muitos que escrevem neste Conjur). FIM DOS TEMPOS !!!

Presidente chafurdante

Cláudio M. Gonçalves (Advogado Autônomo)

Esse palhaço fantasiado de juiz me ofendeu. Não admito que meliantes desta estirpe falem da minha profissão de forma genérica igualando-nos aos vagabundos membros de sua casta.
Este chafurdante intitulado presidente (puf) tem que respeitar para merecer respeito.
Como é que este jumento conseguiu chegar a tão importante estagio da magistratura? Deve ter ligação com o seu inspirador Nicolau dos Santos Neto.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 26/09/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.