Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Direito de resposta

TJ-SP contesta entrevista de presidente da Apamagis

A presidência do Tribunal de Justiça de São Paulo enviou Nota à Imprensa, assinada pelo presidente, desembargador Ivan Sartori, em que presta esclarecimentos sobre a entrevista do presidente da Associação Paulista dos Magistrados, desembargador Roque Mesquita, publicada pela ConJur, neste domingo (16/9).

Na entrevista, o presidente da Apamagis faz comentários a respeito da política interna do tribunal . Relembra também de fatos como a eleição do atual presidente do Tribunal e o desentendimento entre o juiz de Direito e o promotor de Justiça da cidade de Lorena.  

Leia a nota da presidência do TJ:  

NOTA À IMPRENSA

Em relação à entrevista do presidente da Associação Paulista de Magistrados (Apamagis), desembargador Roque Antonio Mesquita de Oliveira, sob o título “A Presidência de um Tribunal é um Cargo Político”, publicada hoje (16), na revista eletrônica Consultor Jurídico, a Presidência do Tribunal de Justiça esclarece que:

1º) Não há predominância de pequena política no Tribunal de Justiça de São Paulo. Ao contrário, seus membros – desembargadores e juízes – estão totalmente integrados na realização dos trabalhos que objetivam a melhoria das condições estruturais de todo o Judiciário, com recursos humanos e materiais à altura da necessidade de uma boa prestação jurisdicional. O clima no TJSP é de perfeita união (nunca foi tão pacífico e harmônico) e de realização de projetos em prol dos jurisdicionados;

2º) Não há falta de comprometimento de juízes com a gestão e os magistrados assessores nunca foram administradores, embora tenham larga experiência e estejam diuturnamente empenhados nas soluções das questões afetas às áreas que administram;

3º) Inexiste também falta de comprometimento de desembargadores, sejam eles os antigos ou mais novos na carreira. A expressão ‘velhinhos’ é desrespeitosa e todos, independentemente do tempo em que estão na magistratura, têm se comprometido com as mudanças necessárias ao desempenho do trabalho do maior tribunal de Justiça que se tem notícia. Dizer que os 12 mais antigos estão acostumados a portas fechadas é, no mínimo, citação desrespeitosa. Conservadorismo independe de idade e tempo de atuação e esse adjetivo não pode caracterizar a atuação que os desembargadores – inclusive os prestes a se aposentar – têm no Poder Judiciário de São Paulo. Há, ainda, os que, já aposentados, continuam contribuindo com a gestão do Tribunal de Justiça;

4º) Em momento algum, minha candidatura foi plano colocado em prática pelo entrevistado ou pela presidência da Apamagis. Já havia antes tentado a eleição e estive por duas vezes no Órgão Especial, por eleição. Respeito, ainda, o ex-presidente Bedran, que fez seu trabalho a contento e sempre soube da nossa dissidência em relação a sua última candidatura;

5º) Quanto ao episódio de desocupação de uma sala ocupada pelo Ministério Público em Lorena, em momento algum houve por parte desta Presidência determinação para que houvesse despejo, nem conversa direta com o juiz, antes do acontecido. Apenas prestigiou-se o magistrado em sua decisão e, como a relação com o digníssimo procurador-geral de Justiça Márcio Fernando Elias Rosa é excelente, assim como com os promotores de Justiça de todo o Estado, procurou-se, no gabinete da Presidência, chegar a uma solução conciliatória para que não se propagasse crise desnecessária, prejudicial às instituições e aos jurisdicionados. A Magistratura e o Ministério Público caminham juntos e nunca estiveram tão próximos;

6º) Apesar da grandiosidade do Judiciário do Estado de São Paulo, evidente que não pode se arvorar como o mais importante, pois o Poder Judiciário é uno, impondo-se o respeito aos Judiciários de todos os outros Estados. 

IVAN RICARDO GARISIO SATORI
PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA

Revista Consultor Jurídico, 17 de setembro de 2012, 11h39

Comentários de leitores

5 comentários

IH, O GERADOR da LUZ no FIM do TUNEL está PIFANDO! - 2

Citoyen (Advogado Sócio de Escritório - Empresarial)

CONCLUINDO o TEXTO, porque ele me fugiu tal como fugira a ESPERANÇA que me possuiu, ao ler a ENTREVISTA do DD. DESEMBARGADOR PRESIDENTE da APAMAGIS:
.......modernidade que eu pensara estar começando a ver!
Que pena!
E, note, SEM QUALQUER OFENSA aos MAIS VELHOS, deliciosa e docemente chamados de "VELHINHOS", parece que os mais NOVOS, os moços, JÁ ESTÃO REVESTIDOS dos TRAJES da SISUDEZ e da VETUSTEZ que parecia começar a se desfazer.
Estou, em conclusão, já com um pé no túnel do Judiciário, sem a esperança, sem aquela chama que me estava permitindo começar a viver um dia, uma semana, de tempos mais bonitos.
E tudo por causa da frase : "IH, O GERADOR da LUZ no FIM do TUNEL está PIFANDO!, porque "Lasciate ogne speranza, voi ch'intrate - Abandon all hope, ye who enter here."

IH, O GERADOR da LUZ no FIM do TUNEL está PIFANDO!

Citoyen (Advogado Sócio de Escritório - Empresarial)

Puxa, que decepção!
Tinha acabado de afirmar, sobre a entrevista do Desembargador Roque de Oliveira, que ela me permtira ver uma LUZ no FIM do TÚNEL, porque sua ENTREVISTA reproduziu precisamente uma REALIDADE que SEMPRE assisti nos TRIBUNAIS, por ser "filho postiço" - no sentido intelectual e profissional da expressão! - de MAGISTRADOS.
Todavia, a nota do Ínclito Presidente do EG. TJSP produz um efeito de falta de combustível no tal GERADOR da LUZ no FIM do TUNEL.
Agora, vendo a tal luz piscar, como querendo se apagar, compreendo que o DD. Presidente do Tribunal pretende "cortar a verba de combustível" para o funcionamento do gerador daquela luz e, assim, guardar a TRADIÇÃO que precisa e, pensava eu, poderia estar se MODIFICANDO.
É com triteza, pois, que leio a nota e seu ATAVISMO!
Tal como se lê na Porta do Inferno, de Dante, aquela luz que me parecia brilhar está se apagando, e considero que vi, sim, a luminosidade do fogo que internamente queima, tosta e destroi. E, estando diante da entrada do "túnel", em que via ESPERANÇA, agora não consigo ler senão a frase, já famosa: "Lasciate ogne speranza, voi ch'intrate - Abandon all hope, ye who enter here."!
Aos que bradam, ou bradavam, pela entrega da ADMINISTRAÇÃO dos TRIBUNAIS a PROFISSIONAIS de ADMINISTRAÇÃO, como forma de dotá-los de GESTÃO e EFICIÊNCIA, além da PRODUTIVIDADE, lembro, assim, que NÃO HOUVE REPERCUSSÃO POSITIVA ao bafejo de modernidade

péssima nota do TJSP

daniel (Outros - Administrativa)

a entrevista do presidente da APAMAGIS foi excelente,
Mas a nota do TJSP reforça a incompetência gerencial da cúpula, a falta de transparência, a pura retórica, sentimento de "grupinho", o falso discurso de vítima.
Em suma, o TJSP é mal administrado. Até pouco tempo um alcoólatra era o Presidente. Mas, o pior é que não reconhece necessidade de mudança de paradigmas.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 25/09/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.