Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Ônus e bônus

STJ suspende pagamento a militar anistiado

O Superior Tribunal de Justiça suspendeu o pagamento de precatório a um militar beneficiado por dois regimes de anistia. O relator do caso, ministro Marco Aurélio Bellizze, observou que o anistiado, um militar da Marinha, optou por permanecer submetido ao regime jurídico dos militares da União. Essa escolha, segundo o ministro, torna controvertido o direito ao recebimento do montante retroativo reconhecido pela Portaria 1.002, do Ministério da Justiça, com base na Lei 10.559/02, que trata do anistiado político.

O precatório havia sido expedido por decisão do então presidente da Corte, ministro Ari Pargendler, para imediato pagamento de R$ 882 mil. A suspensão vale até a conclusão do julgamento da ação rescisória ajuizada pela União.

A jurisprudência da 3ª Seção do STJ reconhece a distinção entre o regime de anistia instituído pela Lei 10.559 e aquele a que estão submetidos os militares anistiados, por decisão administrativa ou judicial, com base em legislação anterior. Também está pacificado que o militar anistiado que teve essa condição declarada pelos dois fundamentos tem direito de escolher o regime no qual pretende ser incluído, optando pela situação que lhe for mais favorável.

O ministro Belizze, entendeu que “no caso ora examinado, o acórdão rescindendo destoou dessa orientação, ao admitir que os anistiados que optaram por permanecer submetidos ao regime jurídico dos militares da União mantivessem os benefícios concedidos pelo ministro da Justiça com fundamento na Lei 10.559.”

No pedido de antecipação de tutela para suspender o pagamento, a União reconhece que o militar pode escolher o regime de anistia que preferir. Mas alega que o regime deve ser escolhido integralmente, com seus ônus e bônus. Sustenta que não é possível escolher os benefícios de um regime e ao mesmo tempo os benefícios de outro.

O relator concordou com o receio da União de, uma vez efetuado o pagamento, não conseguir reavê-lo caso a ação rescisória seja julgada procedente. Isso porque os recursos derivam de proventos com natureza alimentar e não poderão ser devolvidos mesmo em caso de procedência da ação. Monocraticamente, o ministro já havia suspendido o pagamento. A decisão foi confirmada pela 3ª Seção, em julgamento de agravo regimental. Com informações da Assessoria de Imprensa do STJ

Revista Consultor Jurídico, 5 de setembro de 2012, 15h06

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 13/09/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.