Consultor Jurídico

Batalha dos transgênicos

Monsanto continua proibida de cobrar royalties

Os agricultores de Mato Grosso ganharam, nesta quarta-feira (24/10), o direito de não pagar royalties à multinacional Monsanto pelo uso de soja e algodão geneticamente modificados. A notícia é do site Exame.com.

A Justiça do estado negou hoje o recurso impetrado pela multinacional contra liminar concedida em favor da Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato) e mais 64 sindicatos rurais.

A decisão impede a Monsanto de cobrar dos agricultores os royalties pelo uso de soja do tipo Roundup Ready, já que os direitos de propriedade intelectual caducaram em setembro de 2010 e desde então são de domínio público, embora a empresa argumente que seus direitos se estendem até 2014.

A soja Roundup Ready é uma semente geneticamente modificada para resistir ao pesticida Roundup, também fabricado pela Monsanto, e que oferece uma maior produtividade.

Além disso, o tribunal proibiu que a empresa siga cobrando pelos direitos de propriedade intelectual do algodão transgênico do tipo Bollgard I. A Monsanto sustenta que deixou de cobrar por esse algodão em 2011, ano no qual expiraram seus direitos.

A Famato e os sindicatos rurais calculam que nesses dois anos a empresa arrecadou R$ 300 milhões em royalties.

A Monsanto afirmou hoje em comunicado que a decisão tomada pela Justiça é “mais um passo” no processo judicial, que permite “prosseguir” com a apresentação de recursos em instâncias superiores.

Ao conhecer a primeira decisão judicial, a companhia decidiu de forma voluntária suspender as cobranças de royalties a todos os produtores de soja do Brasil para evitar agravos comparativos com os de Mato Grosso.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 24 de outubro de 2012, 21h34

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 01/11/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.