Consultor Jurídico

Cálculos do processo

Regras sobre custas devem provocar redução dos recursos

A proposta de projeto de lei que estabelece parâmetros para a cobrança de custas judiciais foi concluída, na última semana, e está pronta para ser avaliada pelo Plenário do Conselho Nacional de Justiça. O projeto, que foi elaborada por um grupo de trabalho instituído pelo Conselho, prevê o cálculo das custas com base em percentuais sobre o valor da causa, limitado ao máximo de 6% somando todas as fases processuais.

Ao ingressar com a ação na primeira instância, o jurisdicionado pagará o máximo de 2% do valor da causa. Se recorrer da decisão do juiz, pagará mais 4%. A proposta, além de evitar a grande disparidade de valores entre os tribunais, vai inverter a lógica atualmente predominante de cobrar custas mais baixas nos recursos ao tribunal. O objetivo é baratear o custo da ação de primeiro grau e onerar os recursos.

Para o conselheiro Jefferson Kravchychyn, coordenador do grupo, a regra deve provocar a redução dos recursos protelatórios e valorizar mais as sentenças dos magistrados de primeiro grau. A sentença do juiz praticamente “não vale nada”, já que as partes recorrem de todas as decisões, comenta.

Segundo o desembargador Rui Stoco, do Tribunal de Justiça de São Paulo, cada ação gera mais de 20 recursos. A elevação do valor para os recursos “desestimula a sanha recursal”. Para Kravchychyn, a medida vai atingir diretamente os grandes litigantes, responsáveis pelo enorme volume de processos em tramitação na Justiça. Como os grandes litigantes entram com grande quantidade de recursos, a cobrança de custas vai afetar seus cofres, levando-os a considerar a possibilidade de encerramento do processo no primeiro grau. Com informações da Assessoria de Imprensa do CNJ.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 10 de outubro de 2012, 18h44

Comentários de leitores

2 comentários

De nada adiantará

Fontes Mendes (Bacharel - Tributária)

Sendo o Estado o maior litigante, se a ele não for imputado também o pagamento de custas que efeito terá a medida?

Pobre cidadão

José Eduardo Regina (Advogado Sócio de Escritório - Tributária)

Esse é o cúmulo do absurdo. Constitucionalmente a taxa se presta a cobrir o custo do serviço, e não pode ser utilizada como instrumento para estimular ou inibir comportamentos dos cidadãos.
Está claro que para o Governo é mais fácil cercear o direito do cidadão recorrer de decisões do que realizar as reformas necessárias na estrutura do Poder Judiciário.
Pobre cidadão!

Comentários encerrados em 18/10/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.