Consultor Jurídico

Notícias

AP 470

“O problema é o guarda da esquina”, diz Lewandowski

Comentários de leitores

  • Página:
  • 1
  • 2

34 comentários

Sr. Ferreiro

Gabbardo (Professor)

Após eu apontar a falta de educação que é digitar em caixa alta em uma discussão na Internet, o sr. manteve a sua conduta.
Se o sr. acha que isso é uma "trincheira", bem se vê o estado lamentável em que se encontra a oposição no Brasil hoje.
A atualidade de uma concepção de mundo não implica na sua validade. O reacionarismo raivoso e mal-educado permanece vivo em cantos obscuros da Internet. Isso não significa que esteja correto, ou que valha qualquer coisa.

O problema é...

JA Advogado (Advogado Autônomo)

O problema não é o guarda, mas o delinquente, o pilantra da esquina, que ficariam liberados para fazer o que fizeram os mensaleiros, acaso fossem considerados inocentes. Data venia, apesar de todo o esforço dos mins. Lewandowski e Toffoli, as teorias por eles desenvolvidas ficariam muito bem na boca dos advogados de defesa e não nos votos de juízes da Suprema Corte. Significaria, na prática, dizer apenas: "OK, eles roubaram, se apropriaram de dinheiro público, mas neste caso o Direito os protege e não podemos puni-los". Não dá para digerir esse discurso.

mensalão

Rodrigues (Advogado Autônomo)

Vendo dois Ministros defendendo os responsáveis pelo escandaloso esquema mensalão, me lembra o filme advogado do diabo, esses dois efetivamente venderam suas almas quando foram colocados no STF para um fim especifico, fazem defesas ferrenhas e não ficam nem um pouco constrangidos, não se envergonham.

PeTralhas, PeTralhas...!

Richard Smith (Consultor)

.
Caro sr. Gabola, não é falta de educação não, pois estamos num espaço público de manifestação e não em correspondência pessoal ou fazendo simples resenhas culturais aonde o maiúsculo pode violar a chamada "netiqueta"! Estamos em uma trincheira mesmo, na defesa dos valores mais caros à Civilização, entre eles o de sermos governados por pessoas HONESTAS e PROBAS e não por CANALHAS, que desprezam a democracia "burguêsa" e a utilizam e manipulam para os seus fins de HEGEMONIA e DOMINAÇÃO (bem leninista também, não acha?!). Então, certas verdades merecem GRITOS!
.
Depois, quanto ao pobre "fessô" fiz apenas um chiste, em comparação ao que foi dito pelo maquiavélico e criminoso (Não foi o próprio irmão de Celso Daniel - bem "marxista" também, aliás - que disse em depoimento que o próprio gilberto carvalho, o "carvalhinho" confessou-lhe que transportou uma mala com R$ 1,2 MILHÕES da prefeitura de Santo André até josé dirceu, em pessoa?!) "Carvalhinho", que disse outro dia que "a dor o impedia de falar"! E zeca dirceu ainda não havia sido condenado! Ora, depois da condenação e levando-se em conta que o pobre "fessô" PeTralha, se lulla soltasse um pum ele o TRAGARIA (até pela proximidade do rosto da "orígem") de se imaginar que elle esteja se finando de intensa dor também, não acha?
.
Quanto à sua noção de "atualidade" da teoria marxista que levou a mais de CEM MILHÕES DE MORTOS (viu? já fiquei um pouco mais conservador na minha avaliação!) e que representa o sistema político mais PERVERSO e DESUMANO jamais inventado, como todo o poder e os meios de produção nas mãos de uns "honestos" e "benignos" altamente "desinteressados", como a PuTaiada que temos visto, bem...não há sequer o que comentar, não é?!
.
Passar bem.

Imparcialidade é tudo!

Observadordejuris (Defensor Público Estadual)

Concordo com o Gustavo. Infelizmente, ficou comprovado que, no decorrer do julgamento do processo AP 470, conhecido como mensalão, o portal CONJUR foi, definitivamente, cooptado pelos poderosos de plantão, haja vista a abertura de seu site, tão somente, àqueles que defendiam os mensaleiros, os quais, para tanto, chegaram a abusar de nossa inteligência ao fazerem uso de argumentos tão esdrúxulos, em seus insistentes ataques ao STF e, por conseguinte, a toda magistratura nacional, desprovidos que eram de qualquer embasamento jurídico. Para aqueles, como eu, que defendem a independência e a autonomia do Judiciário em face dos outros poderes, muitos de nossos comentários não foram publicados, por inobservância da política de comentários. mande e-mail pedindo que me infirmassem o motivo do bloqueio e até hoje não recebi nenhuma reposta. Entretanto, trilhando caminho oposto ao de Gustavo, não me calarei. Continuarem denunciando esse desvio despropositado de um site que tem o dever de se primar pela ética e isenção e respeitar, de maneira equânime, o direito de expressão de cada cidadão que fizer uso desse portal. Fica aqui consignado o meu mais veemente protesto. De uma coisa, porém, tenho certeza, duvido que o publiquem. Todavia, caso tal coisa venha acontecer, já tomei as minhas providências. Vou publicar esse protesto, juntamente com o de Gustavo, em vários sites sociais. Liberdade de expressão, liberdade de pensamento, imparcialidade é tudo o que queremos.

Ao Sr. Ferreiro

Gabbardo (Professor)

"Extertores"? Puxa vida.
Agora, não só para o Sr. Ferreiro (também para o sr. Citoyen): digitar em caixa alta na Internet é de uma falta de educação brutal. CAIXA ALTA SIGNIFICA QUE VOCÊ ESTÁ GRITANDO AOS PLENOS PULMÕES. Não façam isso, por favor.
Me impressiona, também, que o sr. J.Koffler, "cientista jurídico-social", afirme que a ideologia (não é "ideología", caro professor) marxista-leninista é "natimorta". Não é. Antes que comecem a babar e A DIGITAR EM CAIXA ALTA, apresso-me em dizer que é uma ideologia horrenda. Mas não natimorta; tanto não foi que a União Soviética só implodiu em 1991. Se natimorta fosse, não teria chegado a 1930.
Aliás, se o marxismo na China é uma ficção na prática, o leninismo continua muito bem, obrigado, com o partido único representando uma pretensa vanguarda que exerce um controle ditatorial sobre sua população.

O Problema É o guarda....

hrb (Advogado Autônomo)

O Dr.Lewandowski, possivelmente constrangido com o voto de absolvição do Sr.José Dirceu, havendo para isso encontrado pelo em ovo, agora que amenizar isso colocando pelo em ovo. Ora, os juízes serão, pois assim foram nomeados, suficientemente capazes de bem decidir, e se não o fizerem a Corte recursal corrigirá qualquer equívoco. Lamentável a atitude do ministro, que deve mal se sentir junto aos pares...

Coitado do Levandowski

silvius (Outros)

Ao defender seu voto legitimamente é insultado e criticado por uma ciberturba que ficaria muito bem ao redor das fogueiras da inquisição. Está praticamente findo este julgamento, mas não findas as atividades descritas e julgadas. Creio que continuam as práticas nesta mesma eleição municipal por todos os partidos e políticos. Estar contra a unanimidade e basear seu voto em princípios jurídicos não me parece ofensivo a ninguém, pelo contrário. Agora espero que o STF volte a julgar matérias também de interesse do povo brasileiro como por exemplo a desaposentação e o famigerado Fator Previdenciário cuja criação foi patrocinada pelo Presidente que mais me decepcionou, o Sr.EfeAgáCê.

Guarda da esquina

Servidor estadual (Delegado de Polícia Estadual)

De la para cá, a lei mudou muito, o guarda da esquina já não tem força, os Defensores Públicos são excelentes profissionais, o MP fiscaliza a polícia e a imprensa denuncia eventuais abusos. Hoje a realidade é outra. Na verdade o ministro desqualifica os juízes de primeira instância, como se apenas o STF no Judiciário fosse um órgão sério. Lamantável tal conceito, grande oportunidade para ficar quieto.

Carta ao CONJUR

Gustavo B. (Outros)

É com pesar que acompanhei ao longo desses meses a cobertura do CONJUR sobre o "mensalão". A grade maioria das manchetes e reportagens sobre o caso se alinharam com as teses esposadas pelos advogados de defesa dos réus, que em diversas ocasiões apareceram como os "especialistas" ouvidos pela reportagem, bem como por grupos que se organizam para atacar o Poder Judiciário. Assim procedendo, o CONJUR dá voz a esses atores e indiretamente colabora com sua perversa causa. É uma pena, pois de uma revista jurídica se espera o compromisso intransigente com a Democracia e o Estado de Direito. Por essa razão, a partir de hoje não mais acompanharei esse portal. No mais, espero sinceramente que o CONJUR perceba seu erro e deixe de cometê-lo.

"Povo burro é povo que não tem inteligência..."

Mig77 (Publicitário)

parafraseando D.Dilma...
Fonte Wikipedia.
"Jorgina Maria de Freitas Fernandes[1] é uma ex-advogada brasileira, procuradora previdenciária, organizou um esquema de desvio de verbas de aposentadorias que, descoberto, ficou conhecido como "Caso Jorgina de Freitas".[2]
O total da fraude chegaria a R$ 500 milhões, mais de 50% de toda a arrecadação do INSS à época, estimada em R$ 1,2 bilhão.[3] Foi condenada a 14 anos de prisão em 1992.[4]..." isso mesmo "...em 1.992...há 20 anos e o Brasil não aprendeu nada... nada mesmo !!!

Excelente citação!

Richard Smith (Consultor)

.
Mas PÉSSIMA aplicação! Até parece que o nosso laxista e desconjuntado STF haverá de virar um tribunal NAZISTA como o pobre coitado do cada vez mais ensandecido "fessô" Robespierre do Prado, PeTralha, etc. zurrou outro dia, nos seus extertores, certamente (sabem? é que a "dor" é o impede de suportar, he, he!).
.
Aplicado o raciocínio do STF que nada inova, mas apenas recoloca as coisas no lugar, a Sociedade estará mais protegida e os CANALHAS CORRUPTOS menos. Não é o ideal?!
.
Quanto ao suposto "mensalão" Tucano, que seja rigorosamente apurado e que que todos os "azeredos" VÃO PARA A CADEIA, que é o seu lugar, se tiverem culpa no cartório!
.
Entendeu a nossa DIFERENÇA "fessô"?! Brincadeira, não se amofine, estou apenas sendo jocoso. Não espero mesmo que o senhor entenda jamais! Se não, não seria um PeTralha Baratão, emergido da esgotosfera governista!
.
.

Recado na captado

J. Cordeiro (Advogado Autônomo - Civil)

O recado não entendido, dito em alta voz pelo STF, nesse julgamento da AP470, é que a maioria do Congresso brasileiro não é seria. Não há outra ideia para qualificar a interpretação da “Teoria de Domínio do Fato”, dado pela Alta Corte nacional ao caso em pauta. Vejamos. O ex-Presidente Lula, quando estava na oposição, já denunciava os “333 picaretas”, caso bastante explorado pela mídia à época, enquanto podia vender notícia, que ficou por isto mesmo. Quando assumiu o governo, sem maioria para implantar planos realmente sociais, entendeu que sem “ajuda” dos ditos “aliados” da base parlamentar nada poderia passar nas votações. Supostamente invocou velhos princípios políticos, dentro de uma linha maquiavélica de governo, até hoje válidos no Congresso e que o STF bem os conhece, fazendo vistas grossas em alguns julgados. Desgostosos com os novos rumos, que não estavam lhes rendendo o esperado, um fatia da sociedade, a mesma de sempre, articulou, por um parlamentar facínora, uma cena de crime que resultou na AP470, em curso final, com condenações mirabolantes. Evidentemente, levar-se-á décadas até que sejam realmente digeridas as acusações e defesas dos fatos envolvidos. Muitos estudos e debates acadêmicos serão necessários para a deslinde social, político e judicial do caso. Mas a verdade é uma e uma só: o STF, conhecedor de que no caso em julgamento trata-se de moeda corrente no escambo político-partidário do Congresso brasileiro, disse, por sua maioria, que o Poder Legislativo federal é trambiqueiro e salafrário. Vamos ver como se comportara em semelhantes e futuros julgamentos, ainda pendentes.

quem não deve não teme!

Ricardo (Outros)

as garantias duramente conquistadas em prol dos cidadãos de bem não podem ser confundidas com a garantia de impunidade.

Algumas lições do julgamento do século.

Observadordejuris (Defensor Público Estadual)

A imagem dos dois ministros dissidentes sairá arranhada desse épico julgamento da AP 470, denominado por todos como mensalão. Esse episódio proporcionará à sociedade brasileira vários benefícios, pois, com a condenação dos peixes graúdos da república o STF quebrou a espinha dorsal de vários paradigmas perversos. O primeiro é o de que tudo nesse país, no que diz respeito à corrupção, ao desvio de finalidade, a imoralidade administrativa, as falcatruas perpetradas no útero do poder central com o uso indevido do dinheiro público, a cooptação de políticos para fins escusos de perpetuação no poder, em detrimento da democracia e dos mais altos interesses nacionais, tudo terminava em pizza e ninguém era condenado chegou ao fim; o segundo fator, talvez o mais relevante, é o de que, nós brasileiros, temos sim, instituições fortes e capazes de dar um basta a qualquer tentativa golpista e antidemocrática, de maneira independente e altaneira, nos moldes do STF e Ministério Público. Agora, em face do chororô do Zé Dirceu, sob a a alegação de o julgamento soberano do Supremo o injustiçou, esse é um direito de quem não tem um contra-argumento suficiente para rebater o óbvio, o JUS SPERNIANDI. De outro norte, esse julgamento, também, trouxe-nos um alerta grave: existem membros da alta Corte comprometidos com outro poder e estão pouco se lixando com o bom nome da instituição, que deviam representar com dignidade e sobranceiramente. E isso não é pouco e isso não é grave. É gravíssimo!

resposta a Eduardo Hamer

Pefer (Advogado Autônomo - Civil)

"Quando este julgamento finalmente acabar , acredito que um novo Brasil deverá dele emergir", disse Eduardo Hamer.
.
Felicito o colega pela pureza de espírito que raia a ingenuidade. Mas a realidade é bem outra: deste julgamento oque ficará é uma ilimitação do poder judicante e dos ius persequendi, sacrificando as garantias duramente obtidas. E bao tenha dúvidas de que o próprio PT vai aproveitar como nunca o instrumental posto em suas mãos para perseguir, vingar-se e fazer pagarem a conta. Bem-vindo ao país do Ministério Público. Leia-se meu comentário "ENTRE A CRUZ E A ESPADA", abaixo.
Abraços
Pefer

Agora acredito...

JAV (Advogado Autônomo)

O Tufão finalmente abriu os olhos, o Maxell finalmente virou macho e a turma que usou-se do PT finalmente condenada.. Agora acredito que o Brasil possa mudar...

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório)

Observador.. (Economista)

Acho sim.Tomara.Tem gente que larga pelo caminho o que começou.Até em economia.Ou termina algo que - percebe-se - nem devia ter começado.
Mas, para sua pergunta, digo que acho sim.

Sr. Observador

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório)

Só se termina, o que se começa, a menos que em economia seja o contrário. Não acha ?

Ideologia

Observador.. (Economista)

Tudo isto é lamentável.Vejo que algumas pessoas se comportam, em relação à sua ideologia, da mesma forma que certos fanáticos religiosos.Ficam cegos e entorpecidos por suas crenças.Tão cegos e virulentos que causa espanto.Na política, sem o contraditório, teríamos um pensamento único.Uma visão única.Onde alguém, com alguns neurônios, pode achar que isto é bom para uma nação?Para a própria inteligência?Para a evolução de um povo?
Fico a pensar tais decisões do STF atingindo membros de partidos da oposição, se , sinceramente, haveria esta celeuma toda.
Ninguém se importou se havia provas ou não contra Demóstenes Torres.Perdeu o cargo de Senador, está afastado do MPF e não sabemos como irá terminar a estória.E está certo.Vários indícios demostram que, no mínimo, cometeu crimes como o de prevaricação.Ele alegou não haver provas.E é um operador do direito.Devia estar amparado pelo que conhece das nossas leis.
Mas ninguém esbravejou.Ninguém se importou.Pois é assim.A pessoa errou e tem que pagar por seus erros.Se temos uma Corte Suprema, indicada de acordo com a lei, sendo um colegiado, não seguindo ordens de ditador algum, onde está a injustiça e o perigo institucional?É porque alguns não concordam com a decisão?E advogados não divergem?Não acho que o Brasil irá piorar.Nem acho que irá melhorar.Para mim será como o Demóstenes."Perdeu".Mas só.Continuaremos sendo este país de contrastes, cada vez mais fragmentado, violento e vulgar ( não é o que vemos no dia-a-dia? ).Precisamos de muito mais do que o tal julgamento destas pessoas para mudar.
Temos maiores preocupações do que com o guarda da esquina.Mas, se alguns querem entrar "nessa onda", que seja.

  • Página:
  • 1
  • 2

Comentar

Comentários encerrados em 18/10/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.