Consultor Jurídico

Comentários de leitores

31 comentários

Snif Snif....

Jean Spinato (Advogado Autônomo)

Não se poderia esperar nada diferente, em se tratando de Zé Dirceu, cuja biografia o localiza muito longe da luta democrática, mas sim muito próximos de democracias tiranas como Cuba, a quem ele tem tanto apreço.
Mas eu entendo: ele deve ter algo a dizer à militância, seres acéfalos que não tem opinião própria, meros reprodutores da ladainha petista, daqueles que orquestraram o mensalão como parte de uma estratégia golpista, como bem definiu ontem Ayres Brito.
Somente um lunático pode falar em julgamento de exceção, depois de 05 anos de tramitação, produção vasta de provas, inclusive com oitiva de testemunhas fora do país, e votos até excessivamente detalhados, listando exaustivamente provas e elementos de convicção.
Mas pra que né? É tão mais fácil negar a realidade e aderir a uma tese conspiratória.

Os trouxas choram, enquanto o velhaco ri!!!

Observadordejuris (Defensor Público Estadual)

Que cara de pau! A mesma tática manjada de passar-se por vítima, usada “ad nauseam” por integrantes de seu partido, ou seja, o STF é o vilão da história e e ele, o Zé Dirceu, o pobre e inocente perseguido. Ele não fez nada demais ao corromper parlamentares. Ele não fez nada demais ao usar meios ilícitos e criminosos, para levar adiante o projeto de poder de seu partido, o PT, em detrimento dos projetos de interesse do país. Ele não fez nada demais ao transformar o palácio do planalto em uma feira ou bazar, com o conhecimento e a anuêncja de Lula, onde as negociatas, as falcatruas, os desvios, a amoralidade de conduta, o sorteio de cargos comissionados e, principalmente, a imoralidade com o uso indevido do dinheiro público transformaram-se em moeda de troca para compra de consciências e de apoio político espúrio. Afinal, como bons adeptos de Nicolau Maquiavel: os meios justificam o fim. Agora, a conta chegou e bem salgada, diga-se de passagem. O
Molusco, certamente, está rindo a toa, pois, pelo menos nesse momento, encontra-se livre e muito rico. Que o digam a revista Forbes e o Sr. Eike Batista. Como deve ser confortável ter trouxas que paguem pelos nossos erros. Verdadeiros bois de piranha, isso sim. Haverá, ainda, muito choro e ranger de dentes.

Deve ser brincadeira

Eduardo Corleone Alencar (Funcionário público)

O Dirceu não pode estar falando sério, se fazendo de vítima a esta altura da vida? Deve ser brincadeira.
Não adentro profundamente no mérito da decisão do STF, que, não obstante a clara violação ao sistema garantista vigente no país, foi acertada. Agora, dizer que o Dirceu lutou pela redemocratização do país?! Faça-me rir. Tudo o que o ele e seu grupo queriam na época da ditadura militar era substituí-la por outra ditadura, nos moldes cubanos, e é evidente para qualquer leigo que na ilha dos Irmãos Castro a Democracia não passa nem perto.

Não entro no mérito,mas

Neli (Procurador do Município)

indícios não se prestam para condenar ninguém.E essa Teoria do Domínio do fato é um crime para o acusado Direito Penal.

No mínimo hilário

_Eduardo_ (Outro)

O Brasil passa por um momento histórico em que o partido governante está hipersendimentado no poder. Nao ha sequer oposição articulada. Os tentáculos do PT estão espalhados nos quatro cantos desta república.
É no mínimo hilário imaginar que neste cenário a cúpula do PT, agora condenada pelo STF, são inocentes alvos de uma midia e de um tribunal midiático; vítimas de um esquema orquestrado pela oposiçao ou qualquer coisa análoga.
O PT tem o supremo poder neste país, faz o quer e quase toda a população aplaude. Eles foram condenados porque por certo existiam elementos nos autos.

Chororô de galo velho

Gusto (Advogado Autônomo - Financeiro)

O Sr. Zé pilantra Dirceu só tem um caminho: o ombro do seu mentor, o molusco miasmático denominado lula, o qual não vai sair ileso como pensa. O tempo dirá... Quanto à sua biografia, faça-nos um favor: reproduza-a em milhares de cópias e entregue-as aos petistas e aos seus eleitores simpatizantes para que façam bom uso em suas necessidades diárias, na privada da vida.

Não entro no mérito,mas

Neli (Procurador do Município)

indícios não se prestam para condenar ninguém.E essa Teoria do Domínio do fato é um crime para o acusado Direito Penal.

Isso é absurdo retorico.

PAS-adv (Servidor)

Provas são um contexto lógico e não etiquetas de cada réu... (pelo menos assim vejo o conteúdo de um processo, por seu enredo criminoso...).
A vida do réu é um contexto pessoal dele. Até Hitler tambem praticou boas açoes antes de cometer atrocidades.
Esse sujeito, José Dirceu, acha que fez muito pelo país e agora quer cobrar a fatura com o direito de ser absolvido.
Absurdo da Era da hipocrisia e idiosincrasias Petistas. Veja que estudaram bastante Maquiavel.
deboche com o cidadao tem limite.
Esse sujeito cobroy caro pelas suas "boas acoes"..
Agora falta apurar o enriquecimento ilicito da Turma. Inclusive de Lula. Devem apurar as susoeitas de imoveis, nivel de vida antes e depois, etc..
Tambem dos demais poluticos do Brasil, afinal dinheiro publico é público.

A nota do zé é puro sofisma

Valdecir Trindade (Advogado Autônomo - Trabalhista)

A nota do zé dirceu é puro sofisma. Só não vê quem não quer. Observe-se que em nenhum momento ele, dirceu, nega que tenha sido o cabeça do mensalão ou que dele tenha sido protagonista. Diz tão somente que não há provas contra ele. Ora, com a devida venia, era necessário que o zé viesse a público e dissesse: eu jamais coordenei qualquer processo de corrupção de parlamentares; eu jamais participei da arrecadação e distribuição de dinheiro ilegal; eu jamais dei aval para esse tipo de delito. Mas não, limita-se a velha e conhecida ladainha: não há provas. Assim não dá. É substimar demais a inteligência de quem a tem.

Julgamento político

Armando do Prado (Professor)

O julgamento descambou para o linchamento político ao arrepio do devido processo. Sem provas, como disse o insuspeito Gilmar Dantas. E, mesmo assim e por isso mesmo, o condenaram. Em vez de presunção de inocência, presunção de culpa.
Politicamente não comungo de Dirceu, por motivos opostos aos que o criticam, pois Zé Dirceu levou o PT para o centro-direita tornando-o um partido de resultados. Isso não tira sua importância histórica e nem justifica um massacre do STF teleguiado pela mídia que quer porque quer desconstruir o PT e por tabela o Lula.
Independente do Dirceu, o PT e as forças populares continuarão a mudança do país afastando o domínio da Casa Grande.

"Conhecimento jurídico aprofundado"

alvarojr (Advogado Autônomo - Consumidor)

O conhecimento jurídico aprofundado que leva uns a sustentar a ausência de provas contra José Dirceu é o mesmo que falta a praticamente todos os ministros do STF, com exceção de Lewandowski e Dias Toffoli. Alguém se arrisca a fazer um prognóstico de que os ministros Celso de Melo e Ayres Britto tem o tal "conhecimento jurídico aprofundado" que levou o revisor e Dias Toffoli a votarem pela absolvição de José Dirceu?
O fato de o PGR ter deixado de denunciar Lula não basta para levar a um juízo de absolvição de Dirceu. Isso é simplesmente o mesmo discurso eleitoreiro de que o mensalão tem DNA tucano (pode ser que tenha mesmo mas não faz diferença).
Qualquer pessoa que se proponha a analisar as provas com honestidade intelectual não tem como concluir que os inúmeros fatos apontados na denúncia, os quais não cabe enumerá-los novamente (as benesses à ex-esposa, a viagem à Portugal...), levariam a um juízo de absolvição.
A nota de José Dirceu se ampara em sua biografia para criticar a decisão do Supremo. E como disse a ministra Carmem Lúcia, não são biografias que estão sendo julgadas mas os fatos criminosos imputados aos detentores dessas biografias.
A retórica que procura minimizar os fatos decritos na denúncia (como se avalizar um dívida que supera várias vezes o próprio patrimônio fosse algo corriquerio e banal para uma pessoa capaz e esclarecida) tem caráter nitidamente ideológico.

"A Estória da "Mula sem cabeça!"

Rui Telmo Fontoura Ferreira (Outros)

Prezados Senhores,
Paz e Bem!
A mula sem cabeça, lenda do folclore brasileiro, tem a sua origem desconhecida, mas faz parte da cultura e, é evidenciada em todo o Brasil.
A mula é literalmente uma mula sem cabeça, que solta fogo pelo pescoço, local onde deveria estar sua cabeça. Possui em seus cascos, ferraduras que são de prata ou de aço...
Ora, Senhores! Com o todo respeito e consideração não vamos "idiotizar" o povo e a cultura brasileira e muito menos os Poderes da República.
O "Mensalão" segundo alguns juristas e dois Ministros do STF, é um autêntico "mula sem cabeça", basta cumprir os trâmites da Lei, para observar-se "o fogo saindo pelo pescoço", mas, indubitavelmente, os tempos são outros, e o STF, através da Nação, como um todo, saberá encontrar essa "cabeça" e a "sub-cabeça", que estão bem próximos de nós, para serem expulsas do processo político brasileiro, enquanto há tempo, de mantermos à Nação livre e democrática a serviço de todos os brasileiros, desta Querida Pátria Amada Brasil!
Cordialmente,
Rui Telmo Fontoura Ferreia

uma nota que emana ódio

PAULO FRANCIS (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

A nota de José Dirceu, em suas entrelinhas, denota um ódio profundo.
E mais, se um dia voltar ao poder, salve-se quem puder.Lembra um personagem da histório: Stalin
Aliás, os psicanalistas afirma que dentro de si, todo ser humano tem um pouco de HItler e de Stalim inclusive.
Humildade: 0
Respeito as in stituições: 0
O que ele pode querer? Na verdade, seu projeto de poder acabou.Deve ser dificil aceitar, resignar-se e acreditar que, apesar dele, vamos tentar fazer uma democracia melhor.

As instituições precisam ser fortalecidas

Leitor - ASO (Outros)

Esse episódio só comprova que a sociedade precisa ficar vigilante em relação aos ocupantes do Poder. Defesa da ética só existe enquanto os partidos estão na oposição. Uma vez alcançado o Poder, são capazes de tudo para não "não largar o osso".
É decepcionante para qualquer um que acompanhou a história de um partido de esquerda que, logo que chegou ao Poder, adotou imediatamente os velhos expediente não republicanos.
O mais irritante é a justificativa no complô das elites bla!bla!bla!.
Parabéns Ministros do STF! Os senhores gravaram seus nomes da história positiva do Brasil.

(corrigido) Sobre o alarde por falta de provas

Pefer (Advogado Autônomo - Civil)

O "alarde" por falta de provas é resultado de um conhecimento jurídico aprofundado, e não, ao contrário, como supõem alguns, efeito de uma propaganda. Segundo o CPP os indícios relacionam-se como fato e este fato tem de ser provado, os indícios servem para recobrir o fato de autoria, não para atestar a existência do crime, que deve ser mostrada pelas chamadas provas diretas. O problema do julgamento do STF começa quando a materialidade do crime é presumida, o que é um despautério, e sim, projeta-nos todos na insegurança. Agora será tudo assim como "ouviu falar", "esteve com não sei quem", "tinha proximidade", "coincidiu tal fato com outro", etc. Isto sem falar, é claro, no disparate que é qualificar como lavagem de dinheiro o que seria simples exaurimento da corrupção. O que Gilmar Mendes indica como processo pelo qual o fenõmeno é compreendido e não só registrado pelos sentidos físicos, isto é, o sentido lógico, não é nenhuma novidade e nenhuma aquisição de conhecimento seria possível, mas a própria ciência parte de observações, de forma que antes de dar-se o sentido numa forma dedutivista ou mesmo indutiva, parte-se de um fato e não de uma presunção de existência.No caso de Dirceu o que temos é a simples reunião e o fato de haver um empréstimo no qual foi favorecida sua ex-esposa. É indicativo? Sim. Suficiente para fazer prova? Não. A cndenaçãod eDirceu obriga a condenaçãod e Lula, pois, este teve reuniões comos dirigentes do Banco Rural e er ao principal favorecido de tudo o que se faz, e se for para falar em domínio do fato, ele seria o elemento na cúspide de todos estes fatos bem como aquele que com efeito daria a palavra final e a direção que seu projeto de governo empreendia.

Suprema ousadia

JA Advogado (Advogado Autônomo)

O réu Dirceu está fazendo "exercício (não arbitrário por ora)das próprias razões", contra a opinião e a decisão da nossa suprema Corte de Justiça. Assim fica difícil. "Não descansarei enquanto não provar minha inocência", bradou a seu próprio juízo, esquecendo que a oportunidade de produzir as suas provas já passou. Desse julgamento só fica o enorme constrangimento moral de ver uma pessoa transformada em juiz vitalício da suprema corte por escolha pessoal e critérios subjetivos de Lula (!), que é o Sr. Toffoli, não se declarar suspeito ou impedido de votar, tendo sido assessor de todos os réus que estavam sendo julgados. Decidindo votar, até os postes de Brasília sabiam como seria o seu voto. Nem precisaria ter fundamentado. O Min. Mensalowski idem idem., este com o diferencial de que, ao invés de votar com a serenidade que se espera de qualquer magistrado, apregoou suas teses numa apaixonada sustentação oral, fazendo corar as faces de muitos que o assistiam.

Sobre o alarde por falta de provas

Pefer (Advogado Autônomo - Civil)

O "alarde" por falta de provas é resultado de um conhecimento jurídico aprofundado, e não, ao contrário, como supõem alguns, efeito de uma propaganda. Segundo o CPP os indícios relacionam-se como fato e este fato tem de ser provad, os ind´[icios servem para recobrir o fatod e autoria, não para testar a existência do crime, que deve se rprovada pelas chamadas provas diretas. O problema do julgamento do STF começa quando a materialidade do crime é presumida, o que é um despautério, e sim, projeta-nos todos na insegurança. Agora será tudo assim como "ouviu falar, esteve com não sei quem, tinha proximidade, coincidiu tal fato com outro", etc. Isto sem falar, é claro, no disparate que é qualificar como lavagem de dinheiro o que seria simples exaurimento da corrupção. O

Com um pouco de sorte.....

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório)

Se da vez anterior, ainda que correndo o risco de ser assassinado, o vilão voltou ao seu país, quem sabe agora, depois de tantos anos de 'safadezas' a história desse patife resolva acrescentar, também, o seu assassinato por algum descontente com o resultado do mensalão por ele orquestrado.Nada é impossível e, com um pouco de sorte do nosso país, isso pode acontecer, mesmo que a destempo.Eu, particularmente, torço muito, mas muito mesmo por esse 'gran finale'.

Sobre ilações e a mentira da falta de provas...

alvarojr (Advogado Autônomo - Consumidor)

Como disse o ministro Gilmar Mendes citando um doutrinador estrangeiro, se o ser humano conhecesse apenas o que é apreensível pelos seus sentidos o seu campo de conhecimento seria infinitamente inferior ao que de fato é.
Não é preciso enxergar um molécula de água a olho nu para saber que é formada por dois átomos de hidrogênio e um de oxigêncio, não é preciso tatear o cadáver de Eliza Samúdio para saber que está morta e não é preciso uma confissão escrita de Alexandre Nardoni ou de José Dirceu para saber que são culpados pelos crimes que lhes são imputados.
Não há nada de antidemocrático na decisão do STF e não há motivo algum para que se tema que daqui em diante as garantias processuais do cidadão não sejam respeitadas em função dessa decisão.
Todo esse alarde sobre a suposta falta de provas é fruto do discurso panfletário de petistas com vistas à eleição municipal de São Paulo sem honestidade intelectual alguma ou da falta de atenção ao julgamento por parte de alguns comentaristas que, embora não tenham filiação ou mesmo simpatia pelo PT, se deixam influenciar pela panfletagem nada convincente aos mais atentos.

Por será que não posso conter o riso? Ah, ótima piada!

Citoyen (Advogado Sócio de Escritório - Empresarial)

Puxa, nem consigo escrever nada.....!!!!!
Puxa, o que me preocupa, agora, é que, se eleitos no futuro, vão pedir, como o fizeram os TERRORISTAS do passado, INDENIZAÇÕES pelos que fizeram.
E nós, que formo vítimas deles e NADA RECEBEMOS?
Bom, pelo menos, agora, sabemos QUEM ERAM os TERRORISTAS, que, agora, estão ricos!

Comentar

Comentários encerrados em 17/10/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.