Consultor Jurídico

Improbidade administrativa

Médica é condenada por emitir atestado para si

O Superior Tribunal de Justiça manteve a condenação de uma médica de São Paulo que emitiu atestado de saúde em favor de si mesma, cometendo ato de improbidade administrativa. Os ministros entenderam que está verificado no caso o dolo, ainda que eventual, de ter conduta que atenta contra os princípios da administração pública.

A decisão, por unanimidade, foi da 1ª Turma do STJ, que seguiu o voto do relator, ministro Benedito Gonçalves. A Turma, no entanto, reduziu a pena de multa de 20 para cinco vezes o valor da remuneração da servidora.

Em seu voto, o relator relembrou que nenhum servidor público pode atestar sobre fato ou situação que diga respeito a si mesmo, por ferir o princípio da impessoalidade e, em consequência, o da moralidade administrativa.

O ministro destacou que “o elemento subjetivo necessário à configuração de improbidade administrativa previsto pelo artigo 11 da Lei 8.429 é o dolo eventual ou genérico de realizar conduta que atente contra os princípios da administração pública, não se exigindo a presença de intenção específica, pois a atuação deliberada em desrespeito às normas legais, cujo desconhecimento é inescusável, evidencia a presença do dolo”.

Sobre a redução da pena, o relator explicou que a multa civil pode ser estabelecida em até cem vezes o valor da remuneração do agente. Para sua fixação, o juiz deve levar em conta a extensão do dano causado e o proveito patrimonial obtido. Para o ministro, o laudo emitido pela médica em seu benefício não foi determinante para sua posse no cargo público, porque também houve laudo médico emitido por outro profissional. Assim, o ministro definiu que a multa deve ser reduzida de 20 para cinco vezes o valor da remuneração, valor tido como suficiente para penalizar a médica por sua conduta.

O ministro Napoleão Nunes Maia Filho discordou e votou para extinguir a multa. Para ele, a conduta da médica foi culposa, o que não pode dar ensejo à sua responsabilização por improbidade administrativa. “A negligência, a imprudência ou a imperícia, embora possam ser consideradas condutas irregulares e, portanto, passíveis de sanção, não são suficientes para ensejar a punição por improbidade”, afirmou.

No caso, o Ministério Público ajuizou Ação Civil Pública porque a médica, em 1999, teria emitido laudo em seu próprio benefício, objetivando manter-se no serviço público municipal, e aproveitou-se desse mesmo autoatestado para ser admitida no cargo de médica do programa Saúde da Família, em 2004. Para o MP, estaria configurada violação ao artigo 11 da Lei 8.429/92 — Lei de Improbidade Administrativa.

A defesa alegou que o fato de a médica ter assinado, voluntariamente, a declaração do seu real estado de saúde físico e mental “não significa que ela agiu com dolo capaz de configurar ato de improbidade administrativa”. Com informações da Assessoria de Imprensa do STJ.

REsp 453882




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 8 de outubro de 2012, 12h54

Comentários de leitores

3 comentários

Sem controle

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Perdeu-se realmente o controle sobre o STJ. Absurdo se concluir que a Médica agiu culposamente em um caso como esse.

Referência incorreta

Caio T. (Serventuário)

O julgado, na verdade, é o AREsp 73.968/SP.

culposa ??? KKKKKK

daniel (Outros - Administrativa)

Este STJ tem cada tipo de Ministro.
A médica emitiu um atestado para si "sem querer", por mera culpa (negligência, imprudência e imperícia).
KKKKKK seria hilário, se não triste, um MINISTRO do STJ votar neste sentido, embora felizmente tenha sido vencido.

Comentários encerrados em 16/10/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.