Consultor Jurídico

Comentários de leitores

7 comentários

Da melhor qualidade...

www.luizfernandopereira.com (Advogado Autônomo - Administrativa)

Parabéns por este artigo, da melhor qualidade. Para quem não conhecia Roberto Campos (como no meu caso), é um nobre deleite de conhecimento, como cartão de visita deste homem notável dentre poucos de nossa contemporaneidade.

Grande Mestre

BCRAS (Advogado Sócio de Escritório)

Roberto Campos não só foi o maior pensador político-econômico do Brasil como também vaticinou as falácias dos contornos utópicos que emoldurou nossa Carta Constitucional, que, a qualquer jurista mais atento, salta aos olhos como regras ineficazes que são distorcidas ao bel prazer daqueles que detêm o poder, ou, noutras palavras, promulgamos uma mera “Constituição Simbólica”, como brilhantemente abordado na obra do jurista Marcelo Neves.
Embora algumas de assertivas não tenham se concretizado – até porque ele era economista e não profeta – sua obra ainda se mostra extremamente atualizada e digna de estudo, seja por aqueles que desejam estudar a história contemporânea nacional, à luz de um maior senso crítico, ou simplesmente por quem goste de uma leitura prazerosa decorrente da graciosidade do escólio do grade mestre.

Notável pensador

Marcos MF (Advogado Autônomo)

Parabéns pela matéria!! Roberto Campos com certeza encontra-se no rol dos maiores homens públicos que contribuíram para a construção econômica brasileira. Lamenta-se apenas que tenha sido reconhecido como "profeta" quando na verdade o papel que melhor lhe caberia seria o de implementador de desenvolvimento sustentável casos suas ideias tivessem melhor acolhida quando divulgadas.
Ainda a respeito das "profecias", registra-se o depoimento do ex-ministro da Fazenda Octávio Gouvêa Bulhões: “A nova Constituição está completamente fora da realidade atual e futura. É uma Constituição retrógrada, que não acompanha o movimento da iniciativa particular, que não acompanha a economia de mercado. Não acompanha nenhuma das inovações que estão surgindo. É estatizante, excessivamente nacionalista, muito preocupada com a distribuição e pouco favorável à produção. Em uma palavra, um desastre”.

Lembrança

Marcelo Francisco (Procurador do Município)

Lia Roberto Campos quando ainda escrevia no Jornal O Estado de São Paulo (1988).
Lembro de ter lido todas as críticas à Constituição, bem como dos comentários econômicas que afirmavam e garantiam a falência da Constituição.
Mas ele se esqueceu das "externalidades" (termo da economia) que permitiram a sobrevivência do Brasil e da própria Constituição (não cabe comentar quais são as externalidades, mas quero citar a criatividade saudável do povo brasileiro).
Mais, se não fosse escrito um direito social ou outro, como estaríamos com a prestação dos serviços à população. Aliás, muitos deles fora escritos em 1966 - PIDCP e PIDESC.
Só mais um pouco. Como está a previdência privada do Chile? Já que não existe almoço de graça (acho que foi Hayek ou Von Mises que disse isso), quem teria almoço e jantar na mesa? Todos nós ou somente alguns (escolhidos)? Teriamos de esperar o bolo crescer? (Essa história do bolo era de um rival de Bob Fields, mas serve agora)

A utopia continua

MSRibeiro (Administrador)

Nossa Constituição é tão utópica como a própria existência da esquerda neste País.É claro que apesar de negarem qualquer semelhança,a equipe ideológica dos PeTralha se baseia no neoliberalismo do Bob Fields. Socialismo ou qualquer outra embalagem vermelha é puro marketing para fazer o povo acreditar que o Didi, o Gege e o Paz e amor são coerentes com aquilo que vendem para ganhar o poder.O Dudinha que o diga.

Bob Fields

Armando do Prado (Professor)

Deixemos os mortos com os mortos.

confirmações

Luciano Godoi (Outros)

embora algumas das previsões de Bob Fields não tenham se confirmado, outras não só se confirmaram como levaram a várias emendas constitucionais tanto no governo FHC, quanto no de Lula...

Comentar

Comentários encerrados em 3/12/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.