Consultor Jurídico

Progressão da pena

Projeto de lei busca evitar prisões desnecessárias

O Congresso Nacional enviou para sanção da presidente Dilma Rousseff projeto de lei que altera o Código do Processo Penal e prevê que o tempo da prisão provisória, da prisão administrativa ou da internação seja levado em conta pelo juiz no ato de definição da pena privativa de liberdade. Atualmente, o juiz só pode fazer esse cômputo quando a pena já está em execução. Assim, em função da espera pela decisão judicial, muitos condenados acabam permanecendo presos por mais tempo do que deveriam.

O projeto de lei aprovado pelo Congresso dá nova redação ao artigo 387 do Decreto Lei 3.689, de 3 de outubro de 1941 — Código do Processo Penal. A mudança vai impactar na vida dos cerca de 200 mil presos provisórios do país, que correspondem a 40% da população carcerária brasileira, que é de 500 mil detentos.

“É um avanço muito importante para o sistema de execução penal brasileiro. A partir de agora, o réu saberá, no momento de sua condenação, quando poderá ter direito à progressão da pena ou mesmo à liberdade”, afirmou o juiz auxiliar da Presidência do CNJ Luciano Losekann, coordenador do Departamento de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário e do Sistema de Medidas Socioeducativas do CNJ (DMF).

O projeto de lei é de autoria do Poder Executivo, e seu conteúdo foi discutido no âmbito do Ministério da Justiça. Além da necessidade de garantir os direitos dos presos, a pasta buscou reduzir gastos públicos com prisões desnecessárias e também a sobrecarga de recursos que são impetrados nos tribunais superiores exigindo o computo da prisão provisória no tempo total da pena. No dia 26 de outubro, o Ministério, em parceria com o CNJ e a Rede Justiça Criminal, promoveu seminário para discutir a situação dos cerca de 200 mil presos provisórios do país. Com informações da Assessoria de Imprensa do CNJ.

Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 12 de novembro de 2012, 20h05

Comentários de leitores

2 comentários

Sr. Leitor aso

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório)

É simples: Provindo do Executivo (e considerando o que temos no Brasil em termos de EXECUTIVO), só podem sair mesmo projetos que favoreçam a bandidagem. Afinal não estamos sendo governados por um partido líder nesse assunto? Então, quem é que vai querer legislar contra si próprio ?

Os termos desse projeto foram discutidos com a sociedade?

Leitor - ASO (Outros)

Fico sempre preocupado quando alguma alteração legislativa é justificada na falta de estrutura do Estado. Por que não se ataca a causa? Por que não se cobra estrutura para o Poder Judiciário? Por que não se cobra a melhoria do Sistema Penitenciário?
Alguém já parou para pensar que essas pessoas que estão sendo presas em São Paulo por, supostamente, estarem confrontando o estado(em minúsculas mesmo) vai prá rua ligeirinho?
Por que já não temos um Plano Nacional de Segurança no Brasil? Se é verdade que se mata 52.000 por ano, cabia até protesto na ONU por graves violações aos direitos humanos. Na Síria mataram bem menos e o país não sai do noticiário.

Comentários encerrados em 20/11/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.