Consultor Jurídico

Dupla punição

CNJ anula pena de indisponibilidade de juiz do RN

O Conselho Nacional de Justiça anulou, nesta terça-feira (27/3), a pena de disponibilidade aplicada pelo Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte a Eduardo Feld, juiz da Comarca de Santo Antônio, em processo que analisava a saúde mental do magistrado. A decisão confirmou liminar já deferida em recurso no dia 5 de dezembro de 2011. Por unanimidade, os conselheiros entenderam que a punição não poderia ter sido aplicada, pois se tratava de procedimento de avaliação de sanidade mental e não de processo disciplinar punitivo. Além disso, o magistrado já havia sido punido com censura em processo disciplinar do TJ-RN e, portanto, não poderia sofrer dupla punição pelos mesmos fatos.

O plenário acompanhou o relator da Revisão Disciplinar 0005864-63.2011.2.00.0000, conselheiro José Lucio Munhoz, que votou pela procedência do pedido feito pelo magistrado. O processo tramitava em sigilo. Na decisão, foi determinada a instauração de procedimento específico para a análise da sanidade mental do magistrado, abrindo investigação psiquiátrica. Embora o laudo médico tenha apontado que a existência de patologia não comprometia a capacidade de julgamento do juiz, o TJ-RN aplicou ao magistrado pena de disponibilidade com vencimentos proporcionais.

“O TJ-RN aplicou uma punição em procedimento de análise de sanidade mental, o que não é cabível. Ainda que se acolhesse a hipótese de insanidade, a pena jamais poderia ter sido aplicada, pois se trata de doença”, destacou o relator da ação. A Lei Orgânica da Magistratura prevê aposentadoria por invalidez ou licença de dois anos nos casos em que a doença psíquica de magistrado é constatada como obstáculo ao exercício de sua atividade.

“O meu caso fugiu da legalidade, pois um juiz não pode ser prejudicado pela interpretação jurídica, e sim pelos atos que ele verdadeiramente fez”, explica o juiz. Feld ainda não sabe quando voltará às atividades. Ele afirma estar abalado emocionalmente por conta do processo.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 27 de março de 2012, 19h57

Comentários de leitores

3 comentários

CNJ uma opção saudavel

alvarojobal (Advogado Autônomo - Civil)

Felizmente o juizes contam agora com esta instancia.
Contra a tortura psicologica a que foi submetido o juiz, prevalecendo a final a verdade.

Estirpe vergonhosa

Cláudia (Outros)

A justiça foi feita, entretanto, os danos causados ao juiz serão irreparáveis. Fico pensando se um tribunal tem um corportameno desse com um juiz, imaginemos o que eles são capazer com quem não estudo e dinheiro.

Aposentadoria por invalidez

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Realmente, é algo absolutamente desumano punir algo pelo fato de ter fica doente. E se é certo que o Magistrado em questão ficou "abalado" com o processo, é o caso mesmo de ser aposentado por invalidez, pois não reune mais condições de exercer o cargo.

Comentários encerrados em 04/04/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.