Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Mesa redonda

CNJ vai discutir PJe com órgãos do Judiciário

O Conselho Nacional de Justiça vai discutir e avaliar a implantação e andamento do Processo Judicial Eletrônico (PJe) com presidentes dos Tribunais, corregedores de Justiça e gestores de todos os órgãos do Judiciário brasileiro. Na última terça-feira (20/3), em reunião conjunta entre integrantes das Comissões Permanentes de Eficiência Operacional e Gestão de Pessoas e de Tecnologia da Informação e Infraestrutura do CNJ, foi discutido o formado do programa, que deverá ter duas etapas.

“Queremos motivar os presidentes e corregedores dos tribunais a participar da construção de um panorama do PJe com base na troca de experiências”, afirmou o  conselheiro José Lúcio Munhoz, presidente da comissão. Munhoz afirma que a primeira etapa desse contato está prevista para maio, em encontro com os presidentes e corregedores dos tribunais. Será feita uma análise das dificuldades encontradas até o momento e o registro de proposições para o aperfeiçoamento do sistema.

A segunda etapa, de caráter mais técnico, está prevista para acontecer em agosto e reunirá os juízes e os gestores dos tribunais encarregados da implementação do PJe. No total serão três dias de debates, que contarão com a participação de técnicos, gestores, escolas judiciais, associações de magistrados e de representantes da Ordem dos Advogados do Brasil, do Ministério Público e da Advocacia Geral da União, entre outros órgãos. Também serão disponibilizadas vagas para a participação de magistrados da América Latina interessados em conhecer o sistema do PJe. 

Lançado em junho de 2011, o sistema de automação dos processos judiciais, criado pelo CNJ em parceria com os tribunais, permite o acesso à rotina e o acompanhamento de processos jurisdicionais e administrativos no Judiciário e no Ministério Público. De acordo com Munhoz, a discussão sobre o tema tem o propósito de incentivar as ações de implantação do PJe e a troca de informações entre os tribunais. Com informações da Agência CNJ de Notícias.

Revista Consultor Jurídico, 25 de março de 2012, 14h08

Comentários de leitores

1 comentário

Não reivente a roda....esqueçam as vaidades

Contribuição positiva (Outros)

Humildemente quero deixar minha sugestão para a implantação do PJe, e a sua essencial unificação em todos os níveis Brasil afora.
Para uma célere, e principalmente, econômica implantação, não precisam fazer intermináveis estudos e reuniões, não precisam reinventar a roda, bastam usar a plataforma do TRF da 4ª Região, que já existe a anos e é extremamente eficiente e seguro e, principalmente, totalmente aberto a sugestões e participações de todos os operadores.
Para isso bastará afastar toda burocracia e cerimoniosidade comum do Poder Público até para inaugurar uma pinguela, e principalmente afastar todo tipo de vaidade, pois muitos tribunais ainda não tem um PJe avançado como o do TRF da 4ª Região devido a vaidades onde existem dezenas de pessoas que querem ser o “pai da criança”. Tudo por pura vaidade.
Volto a dizer, não precisam reinventar a roda no tocante a PJe, pois ela já foi inventada pelo TRF da 4ª e funciona maravilhosamente bem.

Comentários encerrados em 02/04/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.