Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Vida e coragem

Livro sobre a vida de Dilma é lançado em São Paulo

A livraria Saraiva do Shopping Higienópolis, na capital paulista, hospeda nesta terça-feira (13/3), a partir das 19h, o lançamento de um bom livro: A vida quer é coragem — A trajetória de Dilma Rousseff (...), escrito pelo jornalista Ricardo Batista Amaral.

O autor trabalhou na campanha de Dilma e conseguiu a proeza de transformar a proximidade que teve em um relato precioso e pungente que mapeia a forma de pensar e agir da presidente. O livro encadeia e dá perspectiva a fatos que, noticiados de forma esparsa, confundem sua importância.

O resultado é uma obra cinematográfica e visual. Um grande mérito é o de evitar o truque da “história secreta da eleição”, recurso que jornalistas costumam usar para alavancar grandes reportagens como essa. Amaral usou melhor seu talento: conta a história com rigor e honestidade, mesmo escancarando sua admiração pela personagem que retrata. O fato de ser uma história contada de dentro para fora, não compromete. Antes, enriquece.

O ânimo narrativo, contudo, não poupa a imprensa dos vexames que, no curso acelerado das eleições, passam batido. O texto confronta, elegante, notícias e fatos. As notícias não ficam muito bem na foto.

Veja o que foi dito a respeito do livro de Amaral na imprensa:

Resenhas, leitores, repercussão
Pequena coleção de notícias e comentários sobre o livro A Vida Quer É Coragem no Brasil e no exterior: resenhas, reportagens, leitores, links.

"Dilma e seus recomeços", por Raymundo Costa no Valor Econômico (http://www.outroladodanoticia.com.br/inicial/26579-dilma-e-seus-recomecos.html)
“O livro “A Vida Quer é Coragem — A Trajetória de Dilma Rousseff”, escrito pelo jornalista Ricardo Batista Amaral, (...) é uma contribuição preciosa para dissipar a névoa que ainda encobre boa parte da biografia da primeira mulher a presidir o Brasil. Amaral trabalhou no comitê eleitoral de Dilma. Espectador privilegiado da campanha, completou mais tarde suas anotações e memórias ouvindo o depoimento de mais de 50 pessoas, lendo o que se escreveu sobre o período e revendo entrevistas concedidas por Dilma para a campanha e ao cineasta Silvio Tendler.

“A Dilma que emerge do relato de Amaral é uma mulher da sua época, a “geração de 68”. Uma geração que viveu os seus melhores anos num período de intensa efervescência política e cultural, mas também regida pelos fuzis. Engajada na luta armada contra o regime, Dilma ficou presa durante dois anos e dez meses. Os primeiros 22 dias na cadeia foram de tortura. Dilma se considera uma sobrevivente da ditadura. E esse nem foi seu primeiro recomeço.”

Da Guerrilha ao Poder, por Guilherme Evelin na Revista Época
(http://revistaepoca.globo.com/tempo/noticia/2011/12/trajetoria-de-dilma-da-guerrilha-ao-poder.html)
“O livro é resultado em parte da posição privilegiada da qual Amaral assistiu à disputa presidencial de 2010. Como assessor da Casa Civil e da campanha de Dilma, ele testemunhou bastidores só agora relatados com a experiência de quem foi repórter político por 25 anos em Brasília, parte deles como jornalista e colunista de ÉPOCA. “Procurei fazer um relato objetivo dos fatos, como se espera de uma reportagem, sem abrir mão de explicitar meu ponto de vista”, diz Amaral. ÉPOCA publica alguns trechos do livro, em que os leitores podem saborear a excelência do texto de Amaral.”

Travessia de Dilma, da Tortura à Vitória, por Ricardo Kotscho
(http://noticias.r7.com/blogs/ricardo-kotscho/2012/01/15/a-travessia-de-dilma-da-tortura-a-vitoria/)
“Um dos melhores livros lançados no Brasil nestes últimos anos. Ao resgatar, desde a infância, a história da menina de alta classe média de Belo Horizonte, mostrando como era a vida na cidade e no país no começo da segunda metade do século passado, e as circunstâncias políticas que a levaram à clandestinidade e à prisão ao se engajar em organizações de esquerda que lutavam contra a ditadura militar, Amaral escreveu o romance da vida real de uma época.

“Ricardo Amaral escapou da tentação de tratar sua personagem como heroína, retratando-a apenas como uma cidadã brasileira que teve um destino incomum, sem cair na pieguice ou na louvação, alternando as conquistas, os sofrimentos, os acertos e os erros na vida dela até chegar ao Palácio do Planalto. Acima de tudo, trata-se de um livro muito bem escrito, coisa rara no jornalismo atual, com uma narrativa que amarra o leitor da primeira à última linha, mesmo aqueles que já conhecem parte da história. Posso dizer que o livro me ajudou a conhecer melhor a presidente Dilma e o valor que ela dá à lealdade, mesmo correndo risco de vida — e por isso a admiro ainda mais.

“Este é um livro (são 304 páginas que valem os R$ 39,90 cobrados) que eu gostaria de ter escrito.”

Na cabeceira de Lula, por Tales Faria, no Portal IG
(http://colunistas.ig.com.br/poderonline/2012/02/10/na-cabeceira-de-lula/)
O ex-presidente Lula tem passado os dias no apartamento em São Bernardo do Campo. Ele tem lido diversas biografias, entre elas as de Nelson Mandela, Franklin Roosevelt e o livro A vida quer é coragem, do jornalista Ricardo Amaral, que relata a vida da presidenta Dilma Rousseff.

Painel da Folha de S. Paulo/Fidel Castro
(http://www1.folha.uol.com.br/fsp/poder/23544-painel.shtml)
Cabeceira
Em encontro anteontem, Fidel Castro disse a Dilma que está lendo "A Vida Quer É Coragem", biografia da presidente escrita pelo jornalista Ricardo Amaral.

Mário Soares, ex-presidente de Portugal, no Diário de Notícias de Lisboa
(http://www.dn.pt/inicio/opiniao/interior.aspx?content_id=2217529&seccao=M%E1rio%20Soares&tag=Opini%E3o%20-%20Em%20Foco&page=-1)
"Recomendo aos meus leitores o interessante livro biográfico escrito por Ricardo Batista Amaral sobre a trajetória de Dilma Rousseff,  intitulado A Vida Quer É Coragem. O Brasil é um país irmão, membro da CPLP, que, por todas as razões, devemos acompanhar de perto.”

Marta Suplicy, senadora, na Folha de S. Paulo
"Estou lendo um livro sobre Dilma, "A vida quer é coragem", que ganhei no Natal. Não esperava muitas surpresas, mas estou tendo.

"Que nossa presidenta tem qualidades que aprecio, como discrição e amizade, eu já descobrira na campanha. Neste ano, também me dei conta de que, ao contrário do que diziam, ela é da política. E o livro está mostrando o como e o porquê disso."

Nilmário Miranda, ex-ministro, companheiro de Dilma na Polop
(http://www.blogdonilmario.com.br/conteudo.php?LISTA=detalhe&ID=3466)
"Durante o recesso li o livro de Ricardo Amaral sobre a trajetória de Dilma Rousseff "A vida quer é coragem". Muito bom. Ricardo Amaral é um jornalista do primeiro time. Trabalhou nos principais veículos do país, teve colunas, foi correspondente da Reuters. Ele é mineiro (tem uma irmã cantora, Patrícia Amaral), participou do Jornal dos Bairros, é casado com a jornalista Malu Baldoni. Assessorou a campanha de Dilma 2010.

"Ele soube brincar, recuperar, resgatar as informações necessárias para fazer um livro honesto. Para quem participou da resistência à ditadura nos anos 60 em Beagá é uma viagem no tempo.

A vitória de Dilma é também uma vitória de minha geração. Remete ao movimento estudantil, à lendária greve de Contagem, à resistência nas prisões, ás organizações revolucionárias. Li numa sentada."

César Fonseca, no Blog Independência Sulamericana
(http://independenciasulamericana.com.br/2011/12/lideranca-ainda-prisioneira-da-clandestinidade/)
"Amaral se rende aos fatos e os encadeia com honetidade e simplicidade. Ser simples é muito difícil."

A história da foto da prisioneira Dilma, em O GLOBO
(http://oglobo.globo.com/pais/fotos-de-dilma-na-ditadura-foram-feitas-pelo-jornal-ultima-hora-3501608#ixzz1oIcaWrvH)
"No começo de 2011, quando o país assistia meio incrédulo à festança de chegada ao poder de uma mulher e ex-guerrilheira, caiu nas mãos do pesquisador Vladmir Sachetta, por acaso, três fotos que revelavam um dos momentos mais marcantes da "terrorista" Vanda. As fotos são da presidente Dilma Rousseff no frescor de seus 22 anos, com ar rebelde, e de seu ex-marido Carlos Araújo, em depoimento na Primeira Auditoria Militar do Rio, em novembro de 1970. Feitas por um fotógrafo do extinto jornal "Última Hora", foram publicadas no livro "A vida quer é coragem", do jornalista Ricardo Amaral."

A repercussão internacional

No Clarin, Argentina

 

No El País, Espanha

 

La Crónica, México

 

La Repubblica, Itália

 

Agence France Presse

 

No International Herald Tribune/New York Times
(http://latitude.blogs.nytimes.com/2011/12/23/the-arab-spring-seen-from-brazil/)

No XaLuan, do Vietnam
(http://www.xaluan.com/modules.php?name=News&file=article&sid=326542#ixzz1oIfW0HKU ou http://www.xaluan.com/)

Nữ du kích bất khuất
Một tấm ảnh chụp bà Dilma Rousseff tại tòa án quân sự Rio de Janeiro năm 1970 đã gây ấn tượng mạnh trong dư luận Brazil

Nữ du kích Dilma Rousseff tại tòa án quân sự Rio de Janeiro năm 1970

Tấm ảnh xuất hiện trên tuần báo Epoca ngày 7-12-2011. Trong 41 năm qua, nó nằm im lìm trong hồ sơ quân cảnh Brazil ngoài tầm tay của báo chí. Gần đây, một nhà báo tên Ricardo Amaral được phép tiếp cận tấm ảnh lịch sử trong thời gian ông viết tiểu sử của bà Dilma Rousseff, nữ tổng thống đầu tiên của Brazil. Cuốn sách có tựa đề A vida quer é coragem (Cuộc sống đòi hỏi phải can đảm) vừa được phát hành rộng rãi ở Brazil. Đó là một câu nói nổi tiếng của Guimaraes Rosa, một nhà văn lớn Brazil.

Revista Consultor Jurídico, 13 de março de 2012, 7h00

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 21/03/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.