Consultor Jurídico

Cadeira na corte

Dilma indica Assusete Magalhães para o STJ

Por 

A presidente da República, Dilma Rousseff, indicou nesta quinta-feira (24/5) a desembargadora federal Assusete Magalhães para compor o Superior Tribunal de Justiça. A nomeação será publicada no Diário Oficial da União nesta sexta-feira (25/5). Para assumir a cadeira no STJ, a desembargadora, que hoje compõe o Tribunal Regional Federal da 1ª Região, tem de ser aprovada em sabatina na Comissão de Constituição e Justiça do Senado e, depois, pela maioria dos senadores, em votação em plenário.

A desembargadora voltará a ser colega de Eliana Calmon, que também foi nomeada para o STJ a partir do TRF-1. A lista que Assusete compunha havia sido encaminha à Presidência há oito meses. Também faziam parte da lista o desembargador federal Néfi Cordeiro, do TRF-4, e Suzana Camargo, do TRF-3.

Assusete tem 63 anos e faz parte da seção responsável pelos processos penais no TRF-1. A desembargadora foi a terceira mulher a tomar posse no TRF-1, em 1993, mas a primeira — e única até hoje — a presidir o tribunal, de 2006 a 2008. Antes de entrar na magistratura, Assusete foi advogada por um ano, assessora jurídica da Delegacia Regional do Trabalho mineira e procuradora da República.

É legalista e rigorosa na persecução penal. São raros os casos em que permite a aplicação de penas alternativas para condenados por tráfico de drogas, por exemplo. Também admite a interceptação telefônica por prazo superior ao previsto na lei que regula a matéria, se os motivos que levaram à decretação da escuta persistirem na investigação do crime.

Assusete Magalhães nasceu em Serro (MG), formou-se em Direito, em 1973, e em Letras, em 1974, pela Universidade Federal de Minas Gerais. É pós-graduada em Direito pela Universidade Lusíada de Porto, Portugal.

Quadro quase completo
Com a escolha de Assusete, o STJ fica com apenas uma cadeira vaga. E a lista para preenchê-la já está com a presidente Dilma. O tribunal definiu na última segunda-feira (21/5) a lista tríplice para escolha do próximo ministro do tribunal na vaga do quinto constitucional do Ministério Público.

Os três escolhidos foram o acreano Sammy Barbosa Lopes, o paranaense Sérgio Luiz Kukina e o procurador do MP do Distrito Federal José Eduardo Sabo Paes. Foram necessários quatro escrutínios para que os nomes fossem definidos. Os dois primeiros escolhidos obtiveram o número mínimo de votos para compor a lista: 17 dos 31 votos possíveis.

O terceiro da lista, Sabo Paes, somou apenas 13 votos. Mas, de acordo com o regimento interno do STJ, a partir do quarto escrutínio, quando há apenas mais uma vaga a ser preenchida na lista, entra aquele que obtiver mais votos, independentemente de alcançar 17.

Sammy Lopes foi o único a passar no primeiro escrutínio. No segundo escrutínio, ninguém foi escolhido. Sérgio Kukina entrou no terceiro. Nenhum representante do Ministério Público Federal entrou na lista, fato raro na história do tribunal.




Topo da página

 é editor da revista Consultor Jurídico em Brasília.

Revista Consultor Jurídico, 24 de maio de 2012, 15h00

Comentários de leitores

4 comentários

Perguntar não ofende

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório)

É simpatizante do PT (pode tudo) ?

Quem quer ser Ministro do STJ ?

o corvo jus (Advogado Autônomo - Civil)

O que está acontecendo com o Ministério Publico? ninguem quer ser ministro? muito estranho isso, alguem pode explicar isso ?

Excelente escolha

jbmiranda (Advogado Autônomo)

Guardod excelente impressão da futura ministra, quando ainda juíza de primeira instância da Justiça Federal. Parabéns à Presidenta, pela escolha.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 01/06/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.