Consultor Jurídico

Colunas

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Mercado Jurídico

Banca sai na frente por domínios próprios para empresas

Por 

Imagine que todas as empresas com sede em Paris tenham site com o domínio “.paris”. E mais: que as páginas dos estabelecimentos cariocas terminem com “.rio”. Pois essa é uma tendência apresentada pela Internet Corporation for Assigned Names and Numbers (ICANN). A entidade é responsável pela gestão dos nomes de domínio genéricos na world wide web — ou seja, todos aqueles que não têm terminação indicativa de país, como o famoso ".com".

A ICAANN divulgou a lista contendo potenciais novas terminações, ou as gTLDs. Ao todo, são 1,7 mil. O Brasil, no entanto, parece não ter mergulhado na onda. Somente sete empresas apresentaram candidatura para operar domínios terminados nas suas marcas. O Silveiro Advogados, que representa metade desses pedidos, cuida dos domínios dos postos Ipiranga, do banco Itaú e da Vivo. Também pleiteam terminação própria Bradesco, Rede Globo, Natura e UOL.

“Com empresas globais assumindo a operação da rede, com endereços que correspondem a suas marcas, a internet nunca mais será a mesma. Enormes campanhas de marketing posicionarão esses novos endereços, podendo ofuscar o ".com" ou ".com.br", conta o advogado Rodrigo Azevedo, coordenador do projeto na banca.


Unidade africana
Dois índices sobre Moçambique — o primeiro de que o país, de acordo com o relatório Doing Business 2008, ocupa a 33ª posição no planeta no quesito “proteção a investidores”, e o segundo de que ele é o Estado mais pacífico da África — levaram a banca mineira Bernardes & Advogados Associados a inaugurar uma unidade por lá.

“Identificamos no país uma necessidade de atuação para promover as relações comerciais com o Brasil, de forma a orientar e assessorar os empresários sobre assuntos jurídicos e tributários”, explica o advogado Flávio Bernardes. O escritório atende empresas em áreas como construção, mineração e tradings.


Além mar
Especializado em Direito Empresarial, o Aidar SBZ Advogados também estabeleceu parceria além do oceano Atlântico, com o Cameira Law Advogados, que tem unidades em Lisboa e Londres. A intenção é atender clientes que mantenham negócios na Europa e nos países africanos de língua portuguesa.


Assistência gratuita
Josie Jardim, diretora jurídica da GE para a América Latina e membro do Conselho Deliberativo do  Instituto Pro Bono, defende que todo advogado recém formado em universidade pública seja obrigado a fazer determinado número de horas em advocacia pro bono. No último dia 2 de junho, a entidade organizou mais um de seus mutirões, dessa vez na Casa do Zezinho. Foram seis horas de trabalho e 114 atendimentos, grande parte deles em Direito de Família, do Trabalho e Previdenciário.


Muitas nações
Auto declarado como o primeiro escritório português especializado em tax & business, o RFF & Associados firmou parcerias com advogados de bancas do mundo todo, como Luanda, São Paulo, Maputo, Praia, Macau, Díli, Espanha, Reino Unido, França, Alemanha e Itália. No Brasil, a correspondente é a advogada Raquel Preto.


Contrato doce
Com sede em Cingapura, a Olam International, maior exportadora de açúcar do mundo, chega ao Brasil. A entrada se dá pela compra da Usina Açucareira Passos. Foi o Veirano Advogados que assessorou a aquisição do controle pelo grupo. Já os acionistas da usina contaram com apoio do Pinheiro Neto e Porto Lauand Advogados.


Uma década
O criminalista Eduardo Mahon comemorou, na terça-feira (19/6), os dez anos de seu escritório em Cuiabá. No almoço de comemoração, não perdeu tempo quando tratou da disputa da OAB de Mato Grosso. Aproveitou a ocasião para pedir, aos colegas advogados presentes, votos para a candidata à presidência da seccional, Luciana Serafim, que representa a oposição.

Mahon é mais lembrado por sua atuação na Operação Arca de Noé, da Polícia Federal, que prendeu o bicheiro João Arcanjo Ribeiro, o Comendador. Também atuou em outras operações de grande repercussão no estado. Entre elas, a Operação Jurupari — que investigou crimes como extração, transporte e comércio ilegal de produtos da Amazônia, a Operação Maranello — que investigou uma rede de tráfico de drogas e lavagem de dinheiro no Estado e a Operação Curupira — que apurou crimes contra o meio ambiente, formação de quadrilha e advocacia administrativa.


Novo nome
O advogado André de Almeida, sócio fundador do Almeida Advogados, agora faz parte da Comissão Nacional de Relações Internacionais do Conselho Federal da OAB.


Palestra I
O advogado e sócio Fernando Tonanni, do Machado, Meyer, Sendacz e Opice Advogados, participa de seminário sobre preços de transferência, promovido pela Britcham em São Paulo. Ele palestra sobre as novidades em importação e exportação. Acontece na quarta-feira (27/6), das 8h30 ao meio dia, no Centro Brasileiro Britânico. Mais informações pelo eventossp@britcham.com.br ou pelo (11) 3819-0265.


Palestra II
Começou nesta segunda-feira (25/6) e segue até quarta (27/6) o 52º Congresso Brasileiro de Direito do Trabalho. A sessão solene de abertura tem participação de Ives Gandra Martins. Já Nelson Mannrich, professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie, fala no painel “Regulamentação do Artigo 7º, I, da Constituição Federal sobre Dispensa Arbitrária”. Mais informações aqui.


Pelas sociedades

Saiu e voltou para a área de Mercado de Capitais/Bancário. O advogado Rodrigo de Campos Vieira retorna como sócio do TozziniFreire, posição que ocupou até 2008, quando se tornou diretor jurídico no grupo Ferrous Resources, multinacional do setor de mineração.

O advogado Marvin Menezes, ex-Light, passa a atuar no Décio Freire Advogados. Ele é especializado em contratos. Ficou por sete anos na empresa, na área jurídico-regulatória e ambiental, onde exercia o cargo de advogado especialista.

Voltado para a advocacia criminal empresarial, o San Juan Araujo Advogados já começou a atender em novo endereço. Fica na rua Francisco Leitão, número 339, em Pinheiros, São Paulo.

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 26 de junho de 2012, 10h30

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 04/07/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.