Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Operação Saint-Michel

Cachoeira deve continuar preso, decide TJ-DF

Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, deve continuar preso. A 2ª Turma Criminal do Tribunal de Justiça do Distrito Federal negou seu pedido de Habeas Corpus nesta quinta-feira (21/6). O pedido de soltura foi referente a Operação Saint-Michel, da Polícia Civil, que investigou esquema de fraudes de licitação da bilhetagem eletrônica no transporte público do Distrito Federal. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Como noticiou a Consultor Jurídico, no último 15 de junho, o desembargador federal Tourinho Neto, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, concedeu liberdade a Cachoeira em um pedido relacionado à Operação Monte Carlo, que investiga indícios de corrupção, tráfico de influência, lavagem de dinheiro e exploração de jogos ilegais em Goiás e no Distrito Federal.

Apesar da expedição do alvará de soltura, Cachoeira permaneceu preso por conta de outra ordem de prisão. O empresário de jogos ilegais está preso, também, pelas investigações da operação Saint-Michel, feitas pela Polícia Civil do Distrito Federal.

A investigação da Saint-Michel nasceu da operação Monte Carlo e apura a suposta tentativa do grupo de Cachoeira de fraude a licitações no sistema de passagens do transporte público de Brasília.

Em 26 de março, a 3ª Turma do TRF-1 rejeitou o primeiro pedido de Habeas Corpus para sua liberação. Em 12 de abril, a defesa de Cachoeira, comandada por Márcio Thomaz Bastos, teve negado o segundo Habeas Corpus para a soltura do seu cliente.

Revista Consultor Jurídico, 21 de junho de 2012, 17h54

Comentários de leitores

1 comentário

É mais fácil ir direto ao stf

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório)

Com trânsito livre nos bastidores do poder,em face do cargo exercido em tempo não muito distante como Min. da Justiça e, coincidentemente, já naquela época tendo orientado as investigações contra esse 'bicheiro' de há décadas 'carimbado', não ficará difícil ao defensor do increpado, o hoje advogado e ontem a mesma autoridade que então o perseguia, conseguir, em nome da Justiça que sempre o balizou, e em homenagem ao sagrado princípio da'presunção de inocência', um salvo conduto ao seu cliente. É claro que, mesmo no Brasil, não se deve prescindir do 'ritual da andança', batendo às portas do Tribunais, respeitando a hierarquia das instâncias, afinal isso também faz parte da cena, mas, no final (e muito em breve- pois o cidadão 'constrangido' está pagando só 15 milhões para isso), a 'coxia do STF' é o caminho adequado e suficiente para a solução do problema, e ela, com certeza, será a escolhida. "É O QUE SE ESPERA, POR SER DE JUSTIÇA !!!"

Comentários encerrados em 29/06/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.