Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Pré-campanha

Advocacia está mal defendida, afirma Rosana Chiavassa

Por 

Na noite da última quinta-feira (26/7), cerca de 750 advogados — segundo a buffet — foram de trajes sociais ao Círculo Militar de São Paulo para a festa de apoio à pré-candidatura de Rosana Chiavassa, que disputa a presidência da OAB-SP. No evento, música, dança, fogos de artifício, mímicos e discursos que diziam que a advocacia nunca esteve tão mal defendida como agora, “nem mesmo no período mais duro da ditadura militar”.

Em vestido de gala azul escuro e sobre saltos vermelhos, Rosana Chiavassa começou seu discurso agradecendo às mulheres e falando sobre as pessoas que cuidavam de seus filhos quando ela tinha de ir à faculdade, reforçando a imagem de mulher e mãe, que agora a serve ainda mais, uma vez que é a única do sexo feminino na disputa presidencial.

Com discurso inflamado, garantiu que não vai permitir que advogados sejam representados como “malandros” em novelas e programas de televisão. “Tenho certeza que em um ofício as emissoras resolvem, mas não é feito”. A imagem da OAB, disse a pré-candidata, será trabalhada em todos os níveis.

“Vamos bater às portas, vamos abrir as portas e, se precisar, vamos invadir as portas”, disse a candidata, que conclamou todos os presentes a pedirem votos.

Ela reclamou do tratamento despendido a advogados nos tribunais e cartórios do país. “Aquelas plaquinhas fixadas no tribunal, dizendo que desacatar funcionário é crime... Me poupe! Desacatar advogado também o é!”, bradou, arrancando aplausos do grupo que jantava no clube.

O funcionamento e tratamento dado aos advogados nos cartórios apareceu mais de uma vez nos discursos. O professor José Francisco Siqueira, que discursou antes de Rosana, afirmou que fará um levantamento, para criar um ranking dos cartórios que pior atendem ao advogado. “Com dados poderemos exigir as melhoras”, disse a pré-candidata, “vamos parar de achismos e acusacionismo”.

Entre as promessas feitas, Rosana disse que, se eleita, não permitirá que vidros separem advogados de servidores nem que processos sejam consultados presos a correntes, como disse acontecer em varas no interior.

O fim do convênio com a Defensoria Pública também foi abordado pela candidata. “A partir de 1º de janeiro, nós teremos que enfrentar o fim desse convênio [da Defensoria com a OAB]”, lembrou Rosana. “O dinheiro [destinado ao convênio] é público e destinado a pagar advogado. Não vamos permitir que sirva para o lucro de facudlades, ONGs e prefeituras”, afirmou.

O discurso de Rosana teve foco em promessas e necessidades da advocacia. O discurso do professor Siqueira foi mais ácido. Ele atacou a atual gestão da OAB-SP. Segundo o professor, a OAB-SP aglutinou seu papel “na bajulação política e em interesses escusos de quem está no poder”.

A OAB-SP, segundo Siqueira, se prestou a serviços menores, e insiste na política, desfalcando os interesses da classe. Ainda segundo ele, a advocacia está entregue a um “jogo de interesses políticos”.

O professor arrancou fortes aplausos da platéia quando disse que é fundamental que haja o controle externo da magistratura, mas que, hoje, o maior mandatário da OAB-SP é “operador das políticas do judiciário paulista”.

Também ao palco subiu o pré-candidato à presidência da subseção da OAB de São Vicente, Áureo Bernardo. Ele levou à festa um ônibus com 50 pessoas, que se destacavam do público por ostentarem dois adesivos redondos no peito, o da campanha de Rosana, e o da chapa de Bernardo, cujo nome é “Advocacia e Verdade”.

Além dos advogados de São Vicente, o evento teve a presença de advogados de outras subseções, como Santos, Guarulhos, Itu e Sorocaba.

O convite para o evento era assinado pela sigla M.A.R., do Movimento de Apoio a Rosana Chiavassa, mas sua realização teve apoio da equipe de campanha da pré-candidata.

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 27 de julho de 2012, 15h30

Comentários de leitores

9 comentários

Enquanto isso

Luiz C. Souza (Advogado Autônomo - Trabalhista)

Enquanto Rosana Chiavassa propõe avanços e premissas interessantes, Toron fica discursnado para a mídia e defendendo interesses de escritórios estrangeiros, contra a advocacia nacional.
..........
Depois vem o Toron falar em moralidade. O exemplo que ele pretende seguir será o do mensalão? De seus atuais clientes? Qual é a origem dos recursos pagos a titulo de honorarios no caso do Mensalão?
...........
Como disse meu avô, tem gente ficando rica com dinheiro do povo

Eleições na OAB/SP

Rosana Chiavassa (Advogado Sócio de Escritório - Consumidor)

Prezado Dr. Antônio Dias
Ambos temos a mesma visão e percepção da OAB. De fato, a nossa amada entidade se transformou num trampolim político; ela, como entidade de classe que é, tem obrigação de defender o advogado e a advogada; e, sem dúvida, com a força que possui, a OAB pode e deve contribuir para melhorar o desempenho e, consequentemente, a imagem pública do judiciário. O Dr. está certo, nós somos o Poder Judiciário!
Estamos, como se observa, afinados. Convido o colega a conhecer as propostas que já elaboramos e os compromissos que assumimos publicamente com todos os advogados e advogadas do Estado de São Paulo. Nossa pré-candidatura visa mudar, com atitudes urgentes e gestos reais, a percepção equivocada que os atuais dirigentes da nossa entidade permitiram que fosse gerada e solidificada não somente junto a Opinião Pública, mas, também e infelizmente, juntos aos seus associados.
Sou advogada militante. Vivo da e para a advocacia. Conheço bem mais do que os meus “digníssimos” concorrentes, as dificuldades, os anseios e as expectativas dos colegas advogados e advogadas do nosso Estado. Frequento o Fórum e passo pelo detector de metais; fico nas filas aguardando a boa vontade dos cartorários para ver os meus processos; e, rotineiramente, faço arguições nos tribunais, onde a espera para ser atendida, as vezes, passa do limite da paciência. Afirmo-lhe que sei dos problemas da nossa classe e que, por essa razão, sei como solucioná-los uma vez à frente da OAB/SP.
Com tantos pontos comuns a respeito de um tema tão importante, convido o colega advogado a engajar-se à nossa campanha e, com a sua força e amor pela advocacia, ajudar-nos a mudar para melhor a nossa OAB.

Eleições na oab

Jose Antonio Dias (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Dra. Rosana: todos prometem a mesma coisa. Não vamos tapar o sol com a peneira; a OAB transformou-se em um trampolim para cargos políticos. Acredito que a maioria dos candidatos esqueceram-se que a OAB é uma entidade de classe e quem deve ser protegido e defendido é o advogado e, consequentemente, o Poder Judiciário, que, sem os advogados, não existiria. Isto não ocorre, a tal ponto, que a Justiça Brasileira é olhada com escárneo pelos cidadãos brasileiros. Não é a imagem da advocacia que precisa ser mudada, mas, a imagem do Poder Judiciário com uma atuação firme da OAB. A Justiça brasileira faliu e a culpa é nossa, advogados, que não possuimos uma entidade de classe que lute por um Poder Judiciário forte, digno e eficiente. Lembre-se Dra. Rosana, nós, advogados, somos o Poder Judiciário.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 04/08/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.