Consultor Jurídico

Garantia da ordem

STJ mantém prisão de acusado de integrar o PCC

A prisão deve ser mantida para a garantia da ordem pública e aplicação da lei penal. Essa foi a justificativa do presidente do Superior Tribunal de Justiça, ministro Ari Pargendler, para negar pedido de liminar em Habeas Corpus a Alexandre Rodrigues dos Santos, condenado por tentativa de homicídio e infrações ao Estatuto do Desarmamento.

O réu recorreu primeiro ao Tribunal de Justiça de Minas Gerais, que manteve a prisão preventiva. De acordo com o TJ-MG, há provas contundentes demonstrando que Santos é membro da organização criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC) e que foi ao estado com o objetivo de perturbar a tranquilidade e cometer delitos.

“A conduta do réu de disparar arma de fogo contra agentes públicos de segurança a mando do PCC demonstra grande periculosidade, merecendo, portanto, maior rigor em seu tratamento”, diz a decisão do TJ. “Caso o réu continue em liberdade, diante do quantum da pena e regime de cumprimento (fechado), haverá fortes indícios de o mesmo empreender fuga frustrando assim a aplicação da lei penal.”

Os delitos são dolosos, as penas privativas superam quatro anos e a sentença registra que ele ostenta condenação transitada em julgado na comarca de Mogi-Mirim, no interior de São Paulo. As circunstâncias admitem a decretação da prisão preventiva e, portanto, segundo Pargendler, não se pode falar em ilegalidade da prisão. “No estado do processo, não há como afastar tal motivação”, concluiu.

O mérito do Habeas Corpus será julgado pela 6ª Turma do STJ, sob a relatoria da desembargadora convocada Alderita Ramos de Oliveira. Com informações da Assessoria de Imprensa do STJ.

HC 247936




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 19 de julho de 2012, 11h46

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 27/07/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.