Consultor Jurídico

Colunas

Contas à vista

É preciso cortar despesas para estabilizar a economia

Comentários de leitores

7 comentários

Cortesia com chapéu alheio

J. Ribeiro (Advogado Autônomo - Empresarial)

Esqueceu o e. articulista que o Sr. Lula, no apagar das luzes de seu governo, aumentou em mais duzentas varas federais, ou seja, como consequencia, 400 juizes, diretor de secretaria, mais auxiliares etc, etc, que segundo Ajufe (pasmem) seriam pagos pela arrecadação que a Justiça Federal faria nas execuções fiscais (noticia veiculada neste Conjur), somado a legião de advogados públicos anunciado, transformaremos de fato este país na República Federativa dos Servidores (desocupados) Públicos do Brasil.

Serviço público caro e vagabundo, mas há os que gostam...

Mig77 (Publicitário)

A D.Dilma sabe que o BrasilIDH84 foi feito para não dar certo.Melhor, dar certo para alguns.É preciso incorporar ao custo absurdo do serviço público o
casuísmo, corporativismo, nepotismo, ptismo, psdbabismo, vagabundismo (dedicado com louvor ao TST e TRE)corrupção e aí a conta sobe mesmo.
Os servidores públicos, COM RARAS EXCEÇÕES, prestam um serviço porco à sociedade que lhes paga.E paga muito bem.
Mas há os que acham esse serviço bom.Que bom !!!
Alguém tem um nome para próximo presidente???Para senador???Para deputado federal???

Servidores concursados já.

FRMARTINS (Administrador)

Falar muito e sem conhecimento de causa faz parte da "curtura brasileira", como é o caso acima.
Das duas uma:ou quer se tornar ministro da fazenda e ganhar um pró-labore da petrobrás, assim como o próprio min.Manteiga faz(recebe) ou então quer ocupar o lugar do min. Da previdência para falar que a previdência está falida? Dilema???Não ele só quer participar das licitações governamentais; só isto.

Dar aumento sem aumentar a despesa

Roozevelt (Contabilista)

Se o governo quiser aumentar os salários do funcionalismo público e estatal é só mexer no Imposto de Renda Pessoa Física. Como a grande massa de salários recebem menos de R$ 20 mil de salário bruto reduzia para ao máximo de 12% o IR e partir daí criava mais 3 alíquotas: de R$ 20.001 a 35.000 = 25%; de 35.001 a 50.000 = 35% e de 50.001 em diante 45%. A arrecadação do IRPF iria sem dar aumento salarial. Esses cálculos aproximados foram feitos por alunos do curso de ciências contábeis de uma faculdade daqui de Maceió. Creio que se o governo quiser poderia fazer esses cálculos com melhores informações.

Bajulador

Casteglione (Serventuário)

Não é à toa que é bajulador. Assim como grande parte do empresariado brasileiro, para ele não bastam os incentivos fiscais concedidos a diversos setores produtivos. Ele quer dinheiro público- ajuda do BNDES- para "dinamizar" a economia privada. Por que não investem com financiamento de dinheiro dos bancos privados, já que são tão eficientes ? Vivem chorando e pedindo ajuda do governo, esse é o perfil de nosso empresariado. Mal sabem fazer parafuso.

Distribuição de dinheiro público

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

O Governo Dilma é mantido com a farta distribuição de dinheiro público aos filhos da classe média (e não aos pobres, ao contrário do que se afirma), com centenas de bilhões de reais todos os anos para custear cargos de baixíssima produtividade (e irregularidades como o articulista cita, ou seja, dezenas de servidores estudando temas que nada tem a ver com suas funções, em outros países, recebendo vencimentos integrais). Se essa "imensa teta" secar, o Governo rui em curto prazo.

Quanta bajulação!

Ray Oten (Advogado Assalariado)

Com tanta bajulação à Política do Governo Federal vai acabar sendo nomeado ministro da Fazenda! Não sei se teria tempo para exercer o cargo, pois parece que vive no "mundo da lua"...

Comentar

Comentários encerrados em 25/07/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.