Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Destempero inaceirável

OAB quer afastamento de promotora que agrediu advogado

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil na Bahia, Saul Quadros, enviou ofício ao procurador-geral de Justiça, Wellington Lima e Silva, para requerer a instauração de procedimento disciplinar contra a promotora Cleide Ramos Reis. Ela é acusada de agredir o advogado Murilo de Freitas Azevedo durante audiência na Vara Criminal da Comarca de Santo Amaro, na Bahia.

O advogado afirma ter levado um soco da promotora na altura do rosto, o que lhe teria causado sangramento no interior da boca. Após a agressão, o juiz que conduzia a audiência, Alberto Fernando Sales de Jesus, suspendeu o julgamento. No ofício, o presidente da OAB-BA sustenta que destemperos como esses não podem ser permitidos e devem ser rechaçados, principalmente quando partem de uma representante do Ministério Público.

"O MP tem por objetivo promover a defesa da ordem jurídica e do regime democrático, e obrigação de zelar pela paz social, devendo ser exemplo de retidão à sociedade", afirmou Quadros. Segundo ele, casos como esse não podem maculá-lo.

O dirigente da OAB-BA solicitou o afastamento preventivo da promotora e que, ao final do procedimento, seja aplicada a pena de demissão. Com informações da Assessoria de Imprensa da Conselho Federal da OAB e da OAB-BA.

Revista Consultor Jurídico, 12 de julho de 2012, 21h41

Comentários de leitores

8 comentários

Crise de identidade...

Riobaldo (Advogado Autônomo - Civil)

Infelizmente, certos integrantes do Ministério Público Estadual padecem daquilo que nosso piadista de plantão costuma definir: certos membros da instituição padecem de crise de identidade.Explico.Quando o sujeito não teve coragem para ser delegado de polícia, tampouco, competência para passar em concurso da magistratura. Daí,temos nós advogados militantes, ter de suportar essas criaturas errantes, de ares pedantes, olhares arrogantes e, ipso facto, intolerantes.Quem sabe o Congresso Nacional aprove o projeto de lei que outorga a competência deles comandarem investigações processuais criminais, e mais, presidirem inquéritos policiais, a moda dos sistemas europeus, como o francês, não propiciaria uma obturada no ego de alguns desses infelizes? Alguns, insiisto, por não fazer tábula raza desse preconceito dado que a maioria dos promotores de justiça que conheço, foram muito dignos da função na qual sempre se fizeram respeitar.

Afastamento e nada é a mesma coisa

JrC (Advogado Autônomo - Civil)

E a responsabilidade criminal da promotora, a OAB não ira oficiar o MP?

Quando o estado é omisso

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório)

Por essas e outras, pactuo do princípio de que "Quando o Estado se omite, implicitamente está passando procuração ao cidadão para que ele mesmo faça justiça com as próprias mãos". (Fernando J. Gonçalves - in- obra inexistente). Destarte, se fosse comigo, a promotora já estaria sem alguns dentes na frente e, daí, injustiça por injustiça, ela pelo menos teria que gastar parte dos seus proventos (ainda que nada mais lhe aconteça) para fazer os necessários e estéticos implantes.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 20/07/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.