Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Agressão em juízo

Conselheiro da OAB quer desagravo contra promotora

O conselheiro federal pelo estado da Bahia, Luis Vianna, encaminhou, nesta quarta-feira (11/7), ao presidente do Conselho Federal da OAB, Ophir Cavalcante, representação pedindo a promoção de ato de desagravo público por conta do episódio em que uma promotora desferiu um soco no rosto de um advogado durante audiência em Santo Amaro da Purificação, Bahia, na segunda-feira (9/7).

Ao tomar conhecimento do fato na revista Consultor Jurídico, o conselheiro encaminhou correspondência a Ophir Cavalcante, solicitando ao presidente da Ordem que comunique o ocorrido à Comissão Nacional de Defesa da Prerrogativas e Valorização da Advocacia da OAB Nacional.

No pedido, Vianna afirma que o episódio não diz respeito apenas a uma questão de prerrogativa da classe, mas também de equilibrio institucional, porque “atinge não apenas prerrogativa profissional, mas, especialmente, a convivência entre duas instituições republicanas, a Advocacia e o Ministério Público, que se devem mútuo respeito”, disse.

Na ocasião em que a promotora de Justiça Cleide Ramos Reis agrediu o advogado Murilo Azevedo, o juiz Alberto Fernando Sales de Jesus suspendeu a audiência, registrando a agressão em um termo. O advogado tentou registrar queixa naquele mesmo dia, mas só conseguiu formalizá-la na terça-feira (10/7) por não haver um delegado presente no local na noite anterior.

O secretário-geral da Ordem dos Advogados do Brasil na Bahia, Nei Viana, já havia informado que a instituição pretendia instaurar um procedimento para apurar o que ocorreu. O Ministério Público da Bahia comunicou que só irá se pronunciar oficialmente sobre o episódio depois de investigar os fatos.

Clique aqui para ler a representação.

Revista Consultor Jurídico, 12 de julho de 2012, 17h15

Comentários de leitores

12 comentários

Concordo, dr. Marcos

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório)

Concordo. O 'silêncio', por um minuto,
seria uma maneira 'gritante' de manifestar o repúdio da classe diante desse fato, mas.....e quantos , nesse minuto de silêncio seriam agredidos pelos promotores/juízes, praticantes do U.F.C., apenas por ficarem de boca fechada? Imagine; um verdadeiro massacre reduzindo drasticamente o número de inscritos nos quadros da OAB por falecimento.

Agressão a advogado

argento (Advogado Autônomo)

È infelizmente muito comum a atitude tanto de promotores quanto de advogados DO SEXO FEMININO, abusando do direito de ser mulher, provocar, intimidar, empurrar e ofender os advogados.
Muitos delegados são comumente ofendidos e tambem agredidos.
Depois elas se queixam
É preciso haver moderação e respeito de ambas as partes.

Moderação

Brecailo (Advogado Autônomo - Consumidor)

Agora o tal exige moderação. O tal ofendeu e ofende quem ele bem entende e, agora se faz de vítima.
Tenho ou não razão de estar me sentindo enganado, tenho ou não razão de estar me sentindo triste, frustado, impotente diante das forças que se moveram para dar ao presente o valor que se dá a uma brincadeira infantil?
Palhaço, títere, fantoche, é o sentimento que me assola, ao ver que alguns diante de sabe-se lá por quais razões, são acometidos de uma tilose, ou melhor, uma alexia que atinge a capacidade de apreender o real significado das coisas que lhe são explanadas e subvertem a compreensão da realidade, mesmo diante da gritante verdade, que apesar da clareza que se evidencia, resta incompreendida.
São revelações dantescas e vergonhosas, indignas do gênero humano a que pertencemos...

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 20/07/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.