Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Decisão do CNJ

Tribunais terão de divulgar folha de pagamento

Os tribunais do país terão que publicar em suas páginas informações sobre a remuneração de magistrados e servidores, indicando o nome, o cargo que ocupam e os valores recebidos no mês, nos moldes da tabela adotada pelo Supremo Tribunal Federal. A decisão foi tomada em sessão plenária do Conselho Nacional de Justiça, nesta terça-feira (3/7).

Por unanimidade, os conselheiros decidiram alterar a tabela da Resolução 102 do CNJ que regulamenta a publicação das informações relativas à estrutura remuneratória do Judiciário e aos portais da transparência. A iniciativa foi proposta pelo grupo de trabalho criado pelo presidente do CNJ, ministro Ayres Britto, para regulamentar a Lei de Acesso à Informação (Lei 12.527/2011).

Segundo o presidente do grupo, conselheiro Wellington Saraiva, os tribunais devem adotar a mesma tabela utilizada pelo Supremo na divulgação da remuneração dos ministros, incluindo o cargo ou função exercida pelo servidor ou magistrado e a unidade na qual está efetivamente lotado. A tabela inclui informações sobre abonos de permanência recebidos e outros componentes da remuneração, além de descontos realizados na folha de pagamento, como os referentes ao Imposto de Renda e à previdência.

“Somente com a divulgação do nome e do subsídio será possível que a sociedade exerça efetivo controle social”, afirmou o conselheiro Wellington Saraiva.

O novo modelo será adotado pelos tribunais já no próximo dia 20 de julho, quando as cortes devem atualizar em seus respectivos Portais da Transparência os dados referentes à remuneração de servidores e magistrados, conforme estabelece o artigo 4º da Resolução 102 do CNJ.

O conselheiro destacou que a medida aprovada nesta terça-feira ainda é uma solução provisória para garantir o cumprimento da Lei de Acesso à Informação no Judiciário, pois o grupo de trabalho instituído no CNJ continua trabalhando para regulamentar o tema de forma mais ampla.

Na última semana, o CNJ enviou ofício a todos os tribunais do país dando o prazo de dez dias para que informem ao Conselho as providências que estão tomando para aplicar a nova lei. “O trabalho do grupo ainda não se esgotou, ao término desse prazo apresentaremos nova proposta para dar efetividade à legislação”, completou o conselheiro. As informações são da Assessoria de Imprensa do CNJ.

Revista Consultor Jurídico, 3 de julho de 2012, 22h24

Comentários de leitores

2 comentários

Transparência

rns (Advogado Autônomo - Civil)

Creio que antes da chamada "transparência" deve ser levado em consideração a segurança dos servidores. Não vejo problemas em se divulgar cargos e remuneração (incluindo gratificações), até porque são informações disponíveis em qualquer edital de concurso público, mas, não se pode negar ser temeroso apontar nomes. Expor pessoas à riscos desnecessários não é transparência. Transparência é saber o valor arrecadado em impostos e os valores aplicados em cada setor (saúde, educação, segurança); é divulgar as verbas destinadas a projetos sociais, quais projetos foram de fato realizados e o quanto foi gasto; é a divulgação do quanto cada ONG recebeu e seus gastos, entre outros fatores.

Transparência só para os outros ?

Le Roy Soleil (Outros)

E o CNJ, quando vai publicar no seu "portal da transparência", os jetons e as diárias pagos a seus conselheiros, inclusive citando-os nominalmente, como exige para os magistrados ?

Comentários encerrados em 11/07/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.