Consultor Jurídico

Notícias

Interesse individual

Não cabe ao STF analisar critério de férias de juízes

Não compete ao Supremo Tribunal Federal julgar, em sede de ação originária, matéria que não diga respeito a toda a magistratura. Com esse entendimento, o ministro Dias Toffoli determinou o retorno à Justiça Federal de Santa Catarina de uma ação em que uma juíza substituta do Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região reclama o direito de “ter suas férias regulamentares aferidas por exercício, sem necessidade de averiguação ou formação de período aquisitivo”.

De acordo com o ministro, a discussão, no caso, refere-se apenas a uma regra disposta em regimento interno, a qual determina que os juízes substitutos somente terão direito ao gozo de férias anuais após 12 meses de exercício. “Não há interesse, direito ou reflexo, de toda a magistratura no deslinde do conflito, mas de uma única e específica classe de magistrados”, disse.

Ainda segundo o ministro Dias Toffoli, tampouco se está discutindo o direito de férias da magistratura com base no artigo 66 da Loman. O que está em discussão, explicou, é o critério adotado pelo TRT-12 para o gozo das primeiras férias pelos magistrados substitutos.

Em sua decisão, o ministro reportou-se a jurisprudência firmada pela Suprema Corte na AO 587, relatada pela ministra aposentada Ellen Gracie. Ele também citou jurisprudência do STF no sentido de que a corte não tem competência originária para julgar ação em que se discuta verba, vantagem ou direito estabelecidos concomitantemente em favor dos membros do Judiciário e de outras categorias funcionais. Também neste caso, segundo o STF, cabe ajuizamento de ação na primeira instância.

No caso, a juíza pede a averbação de 60 dias de férias referentes ao exercício de 2006, a fim de que sejam oportunamente fruídas, ou sua conversão em pecúnia, acrescida do terço correspondente. Ela alega que o Regimento Interno do TRT-12, ao condicionar o direito ao gozo de férias anuais pelos juízes substitutos, fere o disposto no artigo 66 da Lei Complementar 35/1979. Segundo esse dispositivo, os magistrados terão direito a férias anuais, por 60 dias, coletivas ou individuais.

A União contestou os argumentos da autora, arguindo, preliminarmente, ausência de interesse de agir e prescrição bienal do pedido. Diante disso, a Justiça Federal declinou da competência para julgar o caso, remetendo-o ao STF. Alegou que, em conformidade com previsão do artigo 102, inciso I, letra “n”, da Constituição Federal, o caso seria da competência originária da Suprema Corte, uma vez que estaria envolvido o interesse de todos os membros da magistratura na causa. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.

AO 1.688

Revista Consultor Jurídico, 27 de fevereiro de 2012, 18h18

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 06/03/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.