Consultor Jurídico

Abertura do Ano Judiciário

"As pessoas usam indiscriminadamente a palavra crise"

Por 

"Há, às vezes, dificuldades que são decididas pela interpretação." A consideração foi feita por Michel Temer (PMDB), presidente da República em exercício, que, nesta quarta-feira (1º/2), durante abertura do ano judiciário, negou a existência de uma crise no Poder. "Tudo se resume a uma visão interpretativa. Só devemos combater as críticas quando equivocadas", disse.

O discurso de Temer foi o último da solenidade, que começou às 10 horas, em Brasília. "Tem crise no Judiciário, Legislativo, Executivo, sem preocupar com as gradações da crise. As pessoas usam indiscriminadamente a palavra crise, vejo isso quando um ministro sai, entra outro, e o governo continua", afirmou.

"Tenho a mais absoluta convicção de que o Supremo Tribunal Federal, quando decide, o faz com base nos princípios constitucionais. Quando veio à luz a reforma do Judiciário, não foi para desestabilizar ou para agredir a federação", declarou.

No começo de sua fala, ele elogiou o discurso do presidente do STF, ministro Cezar Peluso, que minimizou a disputa entre Judiciário e Conselho Nacional de Justiça. "Interessante, presidente Peluso, como a sua manifestação é uma manifestação da democracia. Ela é justamente esse sistema de contestação", disse.

A Ação Direta de Inconstitucionalidade levada pela Associação dos Magistrados Brasileiros e que contesta os poderes do Conselho está na pauta desta quarta. "Tenho ouvido que o Poder Judiciário está em crise. Confesso que, alheio à só visão catastrófica dos homens e das coisas, não é assim que vejo o país e o Judiciário", disse Peluso.

Temer disse ainda que advogados, promotores e juízes estão acostumados a lidar com as controvérsias. "Nós, da área jurídica, temos uma facilidade muito grande de conviver na democracia", disse, ao lembrar que faz parte da advocacia tentar desconstruir argumentos de sentenças e acórdãos.

Em seu discurso, senador José Sarney (PMDB), presidente do Senado Federal, começou falando sobre a harmonia dos três poderes ("A história do STF é a história da própria república") para depois desaguar na judicialização da política. Para ele, "a judicialização da política é um dos maiores desserviços à harmonia dos três poderes e deforma o poder republicano".

Ao falar sobre a alegada crise do Judiciário, o senador disse que o STF não pode ser alvo de ataques e contestações. "Sem o poder Judiciário, as leis seriam uma construção abstrata, que não teriam aplicação na realidade. Fora da lei, não há salvação", disse. Para ele, o Judiciário brasileiro evoluiu de tal modo que hoje protege direitos individuais, de propriedade e também os direitos sociais. Ainda ele disse que não considera a Constituição de 1988 "um documento brilhante". "Fui seu crítico durante sua elaboração, mas, após votada e aprovada, jurei cumpri-la e tive a missão difícil de primeiro viabilizá-la [como presidente da República]."

"Quando afirmamos que o STF guarda a Constituição, queremos dizer que não é um arquivo morto, mas vivo. Ela zela para ser respeitada, até mesmo nos pontos mais obscuros. O STF assegura a perenidade das instituições e o Judiciário é um poder estabilizador. A Justiça é base da coesão do país", disse.

O presidente da Câmara dos Deputados, deputado Marco Maia (PT-RS), disse que espera que ainda neste primeiro semestre seja assinado o Terceiro Pacto Republicano.

Também estiveram presentes à abertura Ophir Cavalcante, presidente de Ordem dos Advogados do Brasil, Nelson Calandra, presidente da AMB, Luís Inácio Adams, advogado-geral da União e José Eduardo Cardozo, ministro da Justiça.

Clique aqui para ler o discurso de Michel Temer.




Topo da página

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 1 de fevereiro de 2012, 12h53

Comentários de leitores

6 comentários

SERIA CÔMICO, NÃO FOSSE TRÁGICO

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório)

Hê...Hê... SARNEY e TEMER falando em 'credibilidade'. Ai meu Deus, até quando farão de penico os meus ouvidos ?

"Avançar em nome da Democracia!"

Rui Telmo Fontoura Ferreira (Outros)

Prezados Senhores,
Paz e Bem!
Os novos tempos estão há exigir mais determinação ao ser concreto, claro e determinado.
Estamos buscando qualidades no propósito de pensar, diagnosticar, agir e executar novos caminhos, em busca de uma democracia construtiva, plena e representativa para o nosso povo.
Portanto, "salve, salve, lindo pendão da esperança", quando foi criado o Conselho Nacional de Justiça, e,
agora, vamos lutar, para que sejam criados os Conselhos Nacional do Legislativo e do Executivo. Precisamos mais do que nunca avançar nos valores éticos e morais desta "terra chamada Brasil!"
"O Brasil espera que cada um cumpra o seu dever!" (Almte Barroso)
Cordialmente,
Rui Telmo Fontoura Ferreira

CREDIBILIDADE

João Szabo (Advogado Autônomo)

O Sr. Michel Temer representa o Congresso Nacional, outro poder totalmente desacreditado pela população. O Sr. Michel Temer não pode falar que se fala indiscriminadamente em crise, pois ele representa um Poder com alto grau de corrupção, e totalmente rejeitado e execrado pela população. O Congresso Nacional, sem sombra de dúvidas, visando preservar uma democracia, não pode ser simplesmente extinto, mas este que está aí, fazendo leis imorais e indecentes, apenas favorecendo seus membros, tornando os corruptos e execrados pela população, não serve para representar o povo. Então o Sr. Michel Temer, tal qual o Ministro Peluso, precisam saber mais o que pensa a população, e não ficar fazendo afirmações totalmente descabidas e destituídas de bom senso.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 09/02/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.