Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

AP 470

Declaração de Valério deve ser investigada, diz ministro

O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Joaquim Barbosa, disse nesta terça-feira (11/12) que declarações atribuídas ao publicitário Marcos Valério e divulgadas pelo jornal O Estado de S. Paulo precisam ser apuradas pelo Ministério Público Federal. De acordo com reportagem do jornal, Valério disse em depoimento à Procuradoria-Geral da República que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sabia do esquema do mensalão e que se beneficiou dele.

Barbosa falou brevemente durante o intervalo da sessão do Conselho Nacional de Justiça, que também preside. Perguntado por jornalistas sobre a necessidade de investigações, ele disse: "Eu creio que sim". O ministro ainda informou que tomou “conhecimento oficioso, não oficial" sobre o assunto.

De acordo com o jornal paulista, Valério disse no depoimento, em setembro passado, que Lula autorizou empréstimos dos bancos Rural e BMG para o PT com objetivo de viabilizar o esquema de pagamento de propina a parlamentares, apurado na Ação Penal 470, o processo do mensalão.

O depoimento ocorreu quando Valério já havia sido condenado pelo Supremo a mais de 40 anos de prisão pelos crimes de corrupção, peculato, evasão de divisas, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro na Ação Penal 470.

A PGR informou que o procurador-geral, Roberto Gurgel, não vai se pronunciar sobre o assunto até a conclusão do julgamento do mensalão, prevista para os próximos dias.

Quando as primeiras informações sobre o depoimento vieram à tona, no início de novembro, Gurgel explicou que as revelações de Valério tinham que ser analisadas com cuidado e não poderiam ser usadas em seu próprio benefício na ação do mensalão. Por outro lado, poderiam motivar novas investigações, inclusive em instâncias inferiores, uma vez que os envolvidos podem não ter mais prerrogativa de foro. Com informações da Agência Brasil.

Revista Consultor Jurídico, 11 de dezembro de 2012, 17h32

Comentários de leitores

3 comentários

Sobre os emprestimos vou contar o que lembro

Ernandes Mourao (Bancário)

Lembro que na época o pt obrigou a previ a repassar dois bilhões de reais a juros de 5% a.A. Agora pra que isso. Foi quando surgiu os emprestimos consignados. Esse dinheiro foi dividido um bilhão para o banco rural e o outro bilhão para o bmg para emprestarem a seis por cento ao mes. Senhoresvejam a diferença cinco por centoao ano paracseis por cento ao mes. Isto é cobravam 101,22% a.A. Contra 5% a.A., um lucro de 96.22% noventa e seis virgula vinte e dois. Multiplicando isso por dois bilhões renderiam 180 milhões de lucro isso se pagassem a previ o que nunca ocorreu. Nunca devolveram o capital emuito menos os juros.Isso ainda vai aparecer nas futuras investigações daprocuradoria da republica.Eu tenho fé,pois sou aposentado do banco do brasil e esse dinheiro nos pertence. E por isso que vivemosno sufoco como aposentado a troco de pegarei nossas contribuições feitas ao longo de 30 anos de trabalho no final davida ver esses elementos petistas surrupiarem o que é nosso. Acredito que o roberto gurgel eo joaquim barbosa darão um jeito nessasituação desastrosa feita por lula. Masum dia ele paga.

Mas os empréstimos não eram regulares?

alvarojr (Advogado Autônomo - Consumidor)

Que mal haveria em Lula ter autorizados esses empréstimos se, conforme as defesas de Genoíno e Dirceu, não havia irregularidade alguma nos empréstimos?
A verdade é que os empréstimos são um perfeito exemplo de violação das normas mais elementares de gestão de risco. Foram feitos para não serem pagos, ou seja, são pura simulação.
Um deles foi contraído no valor de R$ 13.000.000,00 e liquidado por R$ 2.000.000,00, muito tempo após a eclosão do escândalo.
Sem contar os pareceres das áreas jurídica e de compliance da instituição financeira que recomendavam a não concessão do crédito ao PT.
Empréstimo que envolve RISCO BANQUEIRO é concedido como se envolvesse apenas uma conta de bar dividida entre dois amigos e José Carlos Dias e Márcio Thomaz Bastos insistem em tentar convencer o público que não há nada de errado.
Qualquer bancário que se atrevesse a agir dessa forma seria responsabilizado pelos seus atos sem dó nem piedade (como deve ser).
Mas quando se trata de divindades petistas o assunto é outro...

Mas os empréstimos não eram regulares?

alvarojr (Advogado Autônomo - Consumidor)

Que mal haveria em Lula ter autorizados esses empréstimos se, conforme as defesas de Genoíno e Dirceu, não havia irregularidade alguma nos empréstimos?
A verdade é que os empréstimos são um perfeito exemplo de violação das normas mais elementares de gestão de risco. Foram feitos para não serem pagos, ou seja, são pura simulação.
Um deles foi contraído no valor de R$ 13.000.000,00 e liquidado por R$ 2.000.000,00, muito tempo após a eclosão do escândalo.
Sem contar os pareceres das áreas jurídica e de compliance da instituição financeira que recomendavam a não concessão do crédito ao PT.
Empréstimo que envolve RISCO BANQUEIRO

Comentários encerrados em 19/12/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.