Consultor Jurídico

Notícias

Função constitucional

Procuradores e delegados debatem poder de investigação

Comentários de leitores

8 comentários

pode o mais pode o menos

Servidor estadual (Delegado de Polícia Estadual)

Se quem pode o mais pode o menos, então para que perder tempo? O juiz que denuncie e sentencie ao final. Distante da discussão, que acredito só afasta o foco principal do problema brasileiro: má qualidade das investigações, seja feita por quem for, por uma barreira legal criada pela legislação (como a proibição de se legitimar criminalmente) que é preso em flagrante e pela carência de recursos materiais e humanos. É preciso criar facildiades às investigações, como alargar o uso de interceptações, regularizar a recém cirada infiltração, aumentar o poder de investigação da polícia e o uso de tecnologia coletiva, como câmaras de vigilância. Agora, nem o MP, nem a polícia sem estes recursos dará conta da onda de furtos que assola o páis, embora recebamos criticas neste sentido, ninguém além de nós investiga o furto, pois este não da IBOPE.

Não entendo

Gathaspar (Advogado Autônomo)

Os Procuradores e promotores agem como se só eles tivessem o poder de acabar com a impunidade...não é bem assim.
MAS Sr. Preocupante, me responda:
Se não há o poder de investigar por parte do MP, o que a emenda prentende? Eu li o texto provisório...mas, se ao seu ver, não há tal poder, o que ela pretende mudar?
E Sr. Sapiens:
O fato do órgão de controle dos MPs, ao seu ver, ser parcial,impede que a a proposta de que os MPs continuem com seu poder investigativo?

É..

preocupante (Delegado de Polícia Estadual)

Se o mp não tem prerrogativa constitucional para investigar crimes, como podem os procuradores/promotores afirmarem que a pec 37 lhes vai tirar essa prerrogativa?
Desafio qualquer profissional do direito a indicar onde se encontra essa prerrogativa, a não ser no 'achismo' dos promotores e de alguns ministros que julgam mais com base em sentimentos pessoais e interesse classista do que com base na norma, lamentavelmente.
Se há impunidade no país deve-se, isso sim, a omissão da maioria dos dos promotores de justiça que mal comparecem aos gabinetes para trabalharem, pois estão envolvidos em assuntos de maior importãncia para eles, tais como lecionando em universidades e cursinhos.
Como a ânsia por mais poder estatal é muito grande por parte dos promotores/procuradores, querem eles absorver o poder investigativo das polícias civil e federal e assim terem mais poder de barganhar com os legislativo e executivo interesses para a classe num processo com efeito "bola de neve descendo a escosta", até submeterem todos à sua ditadura.
Que país pode ser considerado democrático à luz da comunidade internacional quando nele existe um órgão com poderes supremos, acima dos demais?
É preciso que a sociedade brasileira acorde antes que seja tarde.

Defensoria Pública!

Ricardo T. (Outros)

Se o promotor passar a ser investigador, o defensor público deve atuar como fiscal de lei. Quem vai controlar a investigação realizada pelo promotor? O próprio MP? Tudo bem que os promotores estão acima do bem e do mal, mas acho que a investigação não pode ser secreta só no âmbito do MP sem controle da defensoria ou do MP.

Impunidade?????

Bellbird (Funcionário público)

Se lutam tanto contra a impunidade, então cobre do CNMP uma atuação mais imparcial e não escondam as mazelas que existem dentro do MP. Quantos promotores e quantos procuradores vcs conhecem que já foram punidos por suas corregedorias e o CNMP. E sobre os promotores de justiça do DF que devido ao orgulho e prepotência causaram a liberação de mais de 20 criminosos, em uma das maiores operações da Polícia Civil do Distrito Federal? Sabe a resposta do CNMP: Não podemos interferir na consciência dos promotores. Neste caso foi consciência ou irreponsabilidade.
Trecho do jornal:
De acordo com notícia veiculada pelo jornal Correio Brasiliense em 09 de maio, a referida Juíza, inconformada com a inércia do MP local, representou na Corregedoria deste órgão contra os Promotores envolvidos no caso, solicitando providências e punição. O periódico destacou, ainda, que o Promotor Edmar Carmo da Silva defende a tese de que o Delegado de Polícia não tem capacidade postulatória, ou seja, não pode pedir medidas cautelares à Justiça, como, por exemplo, a prisão de criminosos, pois somente os membros do Ministério Público, como titulares da Ação Penal, teriam essa legitimidade.

Impunidade?????

Bellbird (Funcionário público)

Se lutam tanto contra a impunidade, então cobre do CNMP uma atuação mais imparcial e não escondam as mazelas que existem dentro do MP. Quantos promotores e quantos procuradores vcs conhecem que já foram punidos por suas corregedorias e o CNMP. E sobre os promotores de justiça do DF que devido ao orgulho e prepotência causaram a liberação de mais de 20 criminosos, em uma das maiores operações da Polícia Civil do Distrito Federal? Sabe a resposta do CNMP: Não podemos interferir na consciência dos promotores. Neste caso foi consciência ou irreponsabilidade.
Trecho do jornal:
De acordo com notícia veiculada pelo jornal Correio Brasiliense em 09 de maio, a referida Juíza, inconformada com a inércia do MP local, representou na Corregedoria deste órgão contra os Promotores envolvidos no caso, solicitando providências e punição. O periódico destacou, ainda, que o Promotor Edmar Carmo da Silva defende a tese de que o Delegado de Polícia não tem capacidade postulatória, ou seja, não pode pedir medidas cautelares à Justiça, como, por exemplo, a prisão de criminosos, pois somente os membros do Ministério Público, como titulares da Ação Penal, teriam essa legitimidade.

Cada um no seu quadrado

Rodrigo P. Martins (Advogado Autônomo - Criminal)

O problema é que no país não se está mais respeitando a Constituição, acredito que a PEC, aprovada ou não, de nada adiantará e a situação continuará como está, pois como nenhum direito é absoluto e já relativizaram tudo, irão ignorar qualquer dispositivo para a turma do "decido conforme minha consciência"...

Brasileiro e suas crenças

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Como no Brasil há quem acredite em papai noel, coelho da Páscoa, e até no PT, muitos acreditarão que a PEC vai de fato semear a impunidade.

Comentar

Comentários encerrados em 18/12/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.