Consultor Jurídico

Sigilo profissional

Advogado não é policial nem órgão de fiscalização

Por 

Foi com estupefação que recebi a notícia de que a Corte Europeia de Direitos Humanos considerou válida norma da Ordem dos Advogados da França que obriga os causídicos a delatarem seus clientes na hipótese de atos indicando que estes estejam procedendo a lavagem de dinheiro.

É sabido que, em todo o mundo, cresce o movimento de combate à lavagem de dinheiro. Com efeito, as organizações criminosas, inclusive as terroristas, se utilizam, amiúde, do procedimento de branqueamento de capitais. O combate eficaz à lavagem de dinheiro pode, é verdade, sufocar o crime organizado, prejudicando suas atividades ilícitas. É, portanto, de se aplaudir as iniciativas nesse sentido.

Tudo, porém, tem um limite. É fora de dúvida que alguns profissionais, em razão das peculiaridades de seu ofício, têm que gozar da absoluta confiança de seus clientes, para que o serviço possa ser prestado da melhor forma possível. Assim é não só com o advogado, mas com o médico, o psicólogo, entre outros.

Todos esses são depositários de segredos, que devem ser preservados. O caso do advogado, porém, parece ser o mais sensível. O cidadão, quando procura um causídico, pode, muitas vezes, estar em apuros, envolvido em acusações criminais, ou mesmo processos de índole cível de grande envergadura. Contrata o advogado para entrar numa verdadeira batalha, onde sua honra, seu patrimônio e até sua liberdade podem estar em jogo.

Por certo que, numa relação como essa, a confiança deve ser absoluta. E não deve, evidentemente, revelar-se meramente subjetiva, ou seja, baseada nas qualidades e condições do advogado de manter segredo. Deve decorrer de lei, que imponha, cabalmente, a obrigação de sigilo profissional. Assim é, por exemplo, no Brasil.

Isto posto, é extremamente preocupante — perturbador mesmo —, que venha do Velho Mundo, de onde sempre vimos manifestações favoráveis à liberdade, sinalização tão retrógrada. O advogado não pode ser um alcaguete. Advogado não é policial, nem pode funcionar como órgão de fiscalização da vida alheia, muito menos de seus clientes.

O advogado, no exercício de seu mister, não pode prejudicar seu cliente, sob nenhuma justificativa. Tomara que esses ventos de atraso, ainda que oriundos de nações ilustres, não movam moinhos por aqui.




Topo da página

 é advogado e ex-ministro do Tribunal Superior Eleitoral.

Revista Consultor Jurídico, 10 de dezembro de 2012, 10h49

Comentários de leitores

3 comentários

Código de Ética

Luiz Gustavo Marques (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

A bem da verdade, aqui no Brasil, é até mesmo crime o advogado efetuar uma delação como a citada no artigo (violação de sigilo profissional), sendo que o próprio Código de Ética da OAB nos obriga aludido sigilo.
Claro que o advogado não pode coonestar com a prática criminosa do cliente, como também não lhe é dado conceder caminhos para facilitar a lavagem, mas se ficar sabendo de algo do tipo, pelo menos em minha opinião, a conduta mais correta é revogar o mandato, seja expresso ou tácito, mas o sigilo deve ser resguardado.

Vida privada

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

Mas porque então, médicos, psicólogos, contadores e "cabeleireiros chiques" estariam dispensados dessa obrigatoriedade, já que podem conhecer a vida financeira de seus clientes de forma mais aprofundada do que o advogado?

Os bancos também não!

Helio Telho (Procurador da República de 1ª. Instância)

Os bancos também não são policiais nem órgãos de fiscalização e igualmente estão obrigados ao sigilo, que é um dos pilares de seu negócio e do próprio sistema financeiro como todo.
Nada obstante, não há dúvidas que estão sujeitos às regras de "compliance" e devem adotar medidas para combater a lavagem de dinheiro.
O mesmo ocorre com a advogacia, nas suas atividades de consultoria e assessoria jurídica.
Convém lembrar que a obrigação de comunicar atos suspeitos não atinge a advocacia contenciosa, mas apenas a consultoria e a assessoria jurídicas.
Assim, à falta de argumento jurídico sólido, o artigo lança mão de argumentos histéricos e histriônicos para pintar um quadro catastrófico, que na prática não existe.
Sim, porque se a advocacia contenciosa não está obrigada à delação, então não há prejuízo ao direito de defesa.

Comentários encerrados em 18/12/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.