Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Satisfação a deputados

Ministro dá explicações sobre investigações da PF

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, participou, nesta terça-feira (4/12), de audiência pública das comissões de Segurança e Fiscalização e Controle, da Câmara dos Deputados, para falar sobre as operações Porto Seguro e Durkheim, da Polícia Federal. O ministro também foi convidado pelo Senado para falar sobre esse mesmo tema, na próxima quarta.

Cardozo negou que haja uma quadrilha infiltrada na Presidência da República. Segundo ele, apenas cinco pessoas foram indiciadas pela Polícia Federal por formação de quadrilha e nenhuma trabalha na Presidência. As outras 13 são investigadas por corrupção ativa, falsidade ideológica e tráfico de influência.

O ministro rebateu também boatos de que a operação tenha motivação política. “Do ponto de vista técnico, foi uma investigação irrepreensível. Não foi tentativa de atingir ministros. Surgiu de uma denúncia protocolar feita ao Ministério Público e à Polícia Federal. Não houve abuso ou ilegalidade. Faço cumprimentos aos responsáveis.”

Ele também negou que a chefe de gabinete do escritório da Presidência da República em São Paulo, Rosemary de Noronha, tenha sido grampeada. “As gravações não foram descartadas. Simplesmente não há. Não há gravações que envolvam a senhora Rosemery porque simplesmente essas interceptações não tinham autorização da Justiça. Se alguém tem essas gravações, fez ilegalmente”.

Rosemary foi responsável pela nomeação de Paulo Vieira para a diretoria da Agência Nacional de Águas (ANA) e de seu irmão, Rubens Vieira, para a diretoria da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Paulo Vieira é acusado de liderar o grupo que supostamente vendia pareceres de órgãos públicos para beneficiar empresas.

Segundo o ministro, apesar de a Polícia Federal ser um órgão subordinado ao seu ministério, nenhuma das duas operações recentemente deflagradas pelo órgão tiveram interferência dele.

“Sempre que pessoas do mundo político ou econômico são investigadas, há muita tensão, controvérsia e confusões”, disse. “Mas afirmo aqui que nenhuma dessas operações é fruto de instrumentalização do ministro da Justiça e nem de descontrole da Polícia Federal.” Segundo o ministro, há anos a PF evoluiu de um status de polícia de governo para se tornar, de fato, uma polícia de Estado, “sem qualquer interferência política”.

Cardozo disse ainda que normalmente o ministro da Justiça só toma conhecimento das operações no momento em que elas ocorrem. Em relação à operação Porto Seguro, disse que foi informado de maneira genérica, no dia anterior, de que haveria uma operação envolvendo um órgão do governo.

“Ainda na quinta-feira (22/11), informei a presidente Dilma Rousseff que haveria uma operação da PF no dia seguinte envolvendo órgão do governo, mas sem detalhes, porque eu não os tinha naquele momento”, disse Cardozo.

Segundo o ministro, ele manteve a agenda de quinta-feira e viajou para Fortaleza (CE), onde seria o anfitrião de um encontro de ministros do Mercosul. “Somente na manhã de sexta-feira, de volta a Brasília, tive um encontro com o doutor Leandro Daiello Coimbra, diretor-geral da Polícia Federal, em minha residência, e aí pude tomar conhecimento do teor de todos os mandados que haviam sido cumpridos naquele dia”, disse.

Resumo das operações
Cardozo ressaltou que o início da Operação Porto Seguro se deu em 2011, com a apresentação de notícia-crime pelo ex-auditor do Tribunal de Contas da União Cyonil Borges, que contou ter recebido uma oferta de R$ 300 mil para emitir parecer técnico favorável à empresa Tecondi. Borges chegou a receber R$ 100 mil em duas remessas de R$ 50 mil, em dinheiro. Em seguida, arrependeu-se e delatou o esquema.

A Tecondi arrenda uma área da Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp) no porto de Santos desde 1998. O TCU acusava a empresa de fraudar licitações por estar explorando uma área diferente da que constava da concorrência. O parecer favorável à Tecondi teria sido encomendado em 2010 por Paulo Vieira.

Em relação à Operação Durkheim, que indiciou outras 57 pessoas e prendeu 27, o ministro disse que as investigações começaram a partir do suicídio de um papilocopista da PF e, a partir de então, tomou-se conhecimento de grampos ilegais envolvendo diversas autoridades.

Um grupo é acusado de violar sigilos fiscal, telefônico e bancário de um ex-ministro, um senador, dois prefeitos, dois desembargadores, uma filial de emissora de televisão e um banco. A ação também atingiu uma quadrilha suspeita de cometer crimes contra o sistema financeiro nacional. Com informações da Agência Câmara.

Revista Consultor Jurídico, 4 de dezembro de 2012, 14h26

Comentários de leitores

3 comentários

Lacaiagem

Luiz Carlos de Oliveira Cesar Zubcov (Advogado Autônomo)

Polícia republicana é o maior signo da mendacidade.
Nesta vergonhosa colônia não só a polícia federal, mas nenhuma instituição pública é independente. A independência é recurso retórico mesmo entre os 03 (três) poderes.
Enquanto as nomeações para os dirigentes públicos e para os Tribunais de Justiça estiverem subjugadas por critérios subjetivos e indicações politiqueiras, a prisão moral sempre se fará presente.
Todo aparato do Estado tem um único objetivo: servir o poder instalado, o resto é pura balela.
As operações da pf coadjuvadas pelo MP e por decisões judiciais vacilantes já destruíram – despudoradamente e com impregnações nazistas – muitas vidas inocentes.
Fossem pessoas comuns a principal dupla da operação porto seguro, desde o primeiro dia, a pf teria realizado interceptações indiscriminadas e os dois já estariam recolhidos nas masmorras tupiniquins.

Não acredito...

José Guimarães (Professor Universitário - Trabalhista)

Não acredito nas palavras do ministro José Eduardo Martins Cardoso quanto a não existir uma quadrilha na Presidência da República, pela mesma razão que não acredito que Lula não sabia de nada, seja a respeito do "mensalão", seja das ações de sua auxiliar mais que próxima.
Por quê?
Ora, sabemos que as redes de inteligência, informações e contra-informações produzem relatórios de atividades sobre todas as ações, públicas e privadas, políticas ou não, situações essas que definem as condutas governamentais e mesmo empresariais ou particulares.
Desta forma, certamente a sra. Rosemary, ao agir com desenvoltura excepcional perante os órgãos federais, até mesmo se intitulando namorada de Lula, faria com que esse eventual relacionamento viesse a público, o que, no entendimento mediano de qualquer cidadão, justificaria
uma pesquisa (para dizer o mínimo) sobre suas ações.

o depoimento do "sabonete envolto em KY"........

hammer eduardo (Consultor)

Apesar de não gostar do Jose Eduardo cardoso por ser da "quadrilha" que atende pela alcunha de PT , tenho que reconhecer que ao menos Ele é muito bem articulado comparado com boçais histericos e babões do calibre de um rui falcão da vida.
Hoje é dia de ser "sabatinado" pelas vestais do Senado e certamente não vai sair nada que se aproveite pois o moçoilo é bastante ensaboado e fala bem , diferentemente de "outros" meliantes que se abrigam no Senado, começando pelo seu proprio Presidente.........tambem pudera , ja tivemos naquela casa presidindo "outros" meliantes como renan canalheiros que saiu escorraçado depois de mostrarem que pagava o "bolsa-amante" com dinheiro de empreiteiras, alias não deu em nada, como sempre. Se isto aqui fosse serio e não a atual e tolerada casa da Mãe Joana , renan teria sido cassado e BANIDO da politica Brasileira mas não foi o que se viu e a desfaçatez elevada a estado de arte agora inclusive ameaça traze-lo de volta NOVAMENTE para presidente do Senado , realmente é o Comando Vermelho passando a guarda para o PCC...........
Quanto ao ensaboadissimo depoimento , ficou clarissimo mesmo com as pressões isoladas da minuscula oposição de que a "ordem de cima" é de não indiciarem EM NENHUMA HIPOTESE a vadiota da rosemery pois ate as pedras da rua sabem que se cavocarem levemente , o bandido numero 1 chamado de lula se afoga no proprio esgoto que agora mistura o esgoto de sempre com lençois putridos de alcova. Infelizmente no caso dele , é o politico "teflon" pois nada agarra graças aos descerebrados que AINDA continuam achando a sua cleptocracia de resultados duvidosos como sendo o maximo a que podemos nor permitir. Paiszinho bem vagabundo esse nosso não acham ????

Comentários encerrados em 12/12/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.