Consultor Jurídico

Flagrante por concussão

Defensor público de ES é preso acusado de extorsão

O defensor público de Baixo Guandu (ES) Vladmir Polízio Júnior foi preso em flagrante sob acusação de tentar extorquir o prefeito do município, Lastênio Cardoso (PSDB), em R$ 50 mil. Ele foi detido logo após sair do carro do chefe do Executivo com a quantia de R$ 10 mil. Após pagar fiança, Júnior foi liberado.

Segundo Cardoso, o defensor público costumava ajuizar várias ações civis públicas contra ele, definidas pelo chefe do Executivo como "sem sentido". Cardoso disse ainda que o suspeito também teria um programa em uma rádio local, com o qual o atacava constantemente. "Ele queria semear dificuldade para colher facilidade", disse o prefeito.

"Semana passada, ele me procurou e propôs retirar as ações movidas contra mim e parar de me atacar, fazer as pazes. Fiquei satisfeito, claro. Foi aí que ele pediu o valor de R$ 50 mil para fazer isso. Disse para ele: ‘vou pensar e te falo’. Só que eu fui direto ao Ministério Público Estadual (MPES) e denunciei o caso ao promotor. Foi o MPES que armou o flagrante", contou o prefeito.

O encontro entre Cardoso e Polízio aconteceu dentro do carro do prefeito. "Falei para ele que não poderia pagar R$ 50 mil de uma só vez. Disse que pagaria R$ 10 mil toda semana, porque a situação estava difícil. Ele aceitou", disse o chefe do Executivo. Ao deixar o carro, o defensor público foi detido por policiais militares, que já o aguardavam.

Segundo a delegada plantonista Danielle Peres, Polízio foi autuado em flagrante por concussão — que é exigir dinheiro em razão da função exercida —, cuja pena pode chegar a oito anos de reclusão. Ela afirmou ainda que a Justiça arbitrou fiança, que foi quitada, e o defensor público foi liberado em seguida. Ele vai responder ao processo em liberdade. Vladmir Polízio foi procurado pela reportagem, mas as ligações não foram atendidas. 




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 2 de dezembro de 2012, 18h15

Comentários de leitores

5 comentários

Flagrante forjado

Motta Gomes (Outros)

O flagrante da forma como narrado é forjado e, pois, ilícito, merecendo anulação. Contudo, a ilicitude do flagrante não macula a existência do crime, visto que o efetivo pagamento é mero exaurimento do tipo ou, quando muito, causa de aumento de pena.

exceção

Ricardo T. (Outros)

O fato é uma exceção. Os defensores, heróis do pobres e oprimidos, apesar do "gordo" salário, vem ditando o direito no área penal. Defensor defende pobre mas não precisa ser pobre!

Deve ser demitido e responsabilizado

rafahen (Defensor Público Estadual)

Se for verdadeira a acusação, que seja extirpado do serviço público e, consequentemente, desta nobre função. Frutas podres há em todas instituições.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 10/12/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.