Consultor Jurídico

Notícias

Ataques e defesas

IBCCrim pede suspensão do novo Código Penal

Por 

A primeira parte da audiência pública promovida nesta quarta-feira (29/8) pelo IBCCrim sobre o novo Código Penal foi marcada por debates acalorados, provocações e até um manifesto, que pede a suspensão do anteprojeto elaborado por uma comissão de juristas. Assinado pelo IBCCrim e pelo Instituto Manoel Pedro Pimentel, da Faculdade de Direito da USP, o documento diz que o novo ordenamento foi conduzido de forma açodada, sem consulta à comunidade jurídica.

“Magistrados, membros do Ministério Público, advogados, delegados de Polícia, professores de Direito Penal e ciências afins não tiveram tempo para opinar sobre uma proposta de crimes e penas dirigidas para milhões de brasileiros”, diz trecho do manifesto.

As entidades reclamam, ainda, que teria havido pouco tempo para a análise do projeto, o qual estaria cheio de “vícios”, como a falta de proporcionalidade entre crimes e penas e uso de linguagem incorreta. “Por todas essas razões apontadas, torna-se imperioso o imediato sobrestamento do projeto nº 236/2012 para a mais ampla consulta à Nação, à comunidade científica e aos operadores jurídicos”, finaliza o manifesto, distribuído no 18º Seminário Internacional de Ciências Criminais do IBCCrim. Nesta quinta-feira (30/8), o instituto promove a segunda parte da audiência pública.

O ataque
A mesa que conduziu a audiência foi composta por dois críticos do novo Código Penal, o ex-ministro da Justiça Miguel Reale Júnior e o professor da UFPR, René Dotti. O defensor da proposta de novo ordenamento jurídico foi o relator do projeto e procurador regional da República Luis Carlos dos Santos Gonçalves.

Reale Júnior e René Dotti chamaram o novo Código Penal de "Projeto Sarney" e foram bastante aplaudidos em suas exposições, inflamadas e contundentes. “Isso fará vergonha à comunidade jurídica internacional”, afirmou Reale.

O seu companheiro de mesa e ideias, Rene Dotti, que chegou a fazer parte da comissão de juristas responsáveis pela elaboração do projeto, falou por que abandonou o grupo. “Fui a uma das audiências públicas pautadas pelo interesse da mídia e grupos de pressão, onde nada de concreto pude fazer”, justificou.

Ele exibiu uma lista com diversos artigos dos quais pinçou o que seriam, em sua avaliação, erros e aspectos problemáticos. “Não há no projeto Sarney a cominação da multa, a não ser em casos excepcionais. É só prisão”, citou como exemplo.

Outro ponto para o qual ele chamou atenção refere-se aos prazos de prescrição. “Agora, senhores advogados, a Polícia pode gastar na investigação e o MP pode gastar em pensar a denúncia até a véspera da prescrição da pena em abstrato. Isso é um atraso.”

Dotti também atacou a cláusula que preserva movimentos sociais do crime de terrorismo. “Essa proposta de exclusão é claramente inconstitucional”, afirmou, citando o MST. “Por que não dizer aqui abertamente? O MST tem proposta altamente social sem dúvida nenhuma. Nada contra o MST como instituição, mas sim quando comete crime.”

Miguel Reale Junior centrou suas críticas em aspectos relacionados a questões teóricas do Direito e foi bastante irônico. “O projeto liberal propõe aos jornalistas uma pena oito vezes maior do que propunha a lei de imprensa, que foi considerada um entulho autoritário”.

A defesa
Em sua exposição, o relator do novo Código Penal, Luis Carlos dos Santos Gonçalves, reconheceu que há falhas no texto. Ele fez um resumo das principais propostas apresentadas. Segundo ele, a adoção do novo Código Penal pode trazer benefícios para cerca de metade dos 471 mil presos no Brasil. “O nosso projeto é descriminalizador e descarcerizador”, declarou. “As maiores críticas que temos recebido é pelo caráter liberal. Vozes que vocês conhecem estão clamando por aumento de penas e redução de benefícios.”

Segundo Gonçalves, o novo CP reduzirá o número de tipos penais em vigor, que atualmente seriam 661, de acordo com seus cálculos. Com o novo diploma, esse número cairia para 374, já contando o Tratado de Roma. Apesar da enxurrada de críticas que e texto recebeu, o redator levou com bom humor o rótulo de "Projeto Sarney" dado por seus colegas ao novo Código Penal. “Para nós, é um avanço. Até outro dia, ele era conhecido como 'Pojeto Cabaré', pois previa a descriminalização das casas de prostituição”.

 Clique aqui para ler o manifesto do IBCCrim.

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 30 de agosto de 2012, 11h24

Comentários de leitores

5 comentários

Colega Marcos Alves Pintar

Luciano L. Almeida (Procurador do Município)

Quem acompanha a ConJur sabe da sua constante colaboração crítica; às vezes concordo com sua posição, às vezes discordo. Nessa oportunidade, faço minhas suas palavras. O Sr. disse o principal. Quem convive no ambiente acadêmico e na vida prática - seja na advocacia, no MP, ou na toga - ao mesmo tempo sabe que temos inúmeros juristas suficientemente competentes para elaboração de um novo código penal em verdadeira consonância com os preceitos constitucionais e moderna orientação doutrinária em matéria penal. Pena que assim não fora feito. Complemento esta parte com os seus comentários.

Responder

Falta sinceridade

mat (Outros)

Não vi uma única matéria em que o Código fosse apresentado como realmente é: extremamente liberal.
No ibccrim, o relator sustenta que o código é liberal, mas em todas as matérias veiculadas na imprensa destacam, os membros da comissão (8 advogados e o LFG), aspectos que levam os leigos a entenderem a proposta como um avanço contra a impunidade. Impunidade que, ao lado do sistema de execução penal, é o verdadeiro problema do sistema penal. Que tenham a decência e honestidade intelectual de anunciar que propõe um Código liberal em suas entrevistas aos jornais e às tvs.

Responder

Não existe desde 2009?

LHS (Advogado Sócio de Escritório - Criminal)

Então avise o Planalto que o CP compilado está incorreto, pois lá no site de legislação ainda consta o "nomem juris" do art. 229, firme e forte: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del2848compilado.htm
.
Ah, a inclusão digital...

Responder

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 07/09/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.