Consultor Jurídico

Sistema prisional

MP defende, em carta, dignidade de presos

O Ministério Público divulgou, nesta sexta-feira (24/8), o que chamou de Carta de Brasília, resultado do III Encontro Nacional de Aprimoramento da Atuação do Ministério Público junto ao Sistema Prisional, realizado nos dias 23 e 24 de agosto.

Iniciativa da Comissão de Controle Externo da Atividade Policial e Sistema Prisional do Conselho Nacional do Ministério Público, o fórum foi presidido pelo conselheiro Mario Bonsaglia. O objetivo foi debater formas de aprimorar a atuação do MP por um sistema prisional justo, considerando tanto a proteção da sociedade quanto os direitos dos presos.

Aprovada em plenária por cerca de 90 promotores e procuradores do MP dos estados e do Distrito Federal, do MP Militar e do MP Federal, a Carta de Brasília diz que são essenciais o respeito aos direitos dos presos, a existência de estabelecimentos adequados e em número suficiente, a retirada dos detentos em delegacias e em outros estabelecimentos inadequados, atividades educacional, laboral e profissionalizante do preso e do egresso, enfrentamento da criminalidade no sistema prisional, a reinserção social, entre outras medidas.

O documento também defende que a supressão ou redução de atribuições do Ministério Público na proteção individual e coletiva dos presos ou investigação de crimes implica o enfraquecimento do Estado Democrático de Direito, assim como o prejuízo da defesa dos direitos e garantias individuais. O MP deve participar tanto da formulação de políticas públicas de execução de pena quanto da sua fiscalização.

Outro assunto que a carta aborda são os investimentos e recursos, sustentando que a ausência do Estado e de investimentos adequados no sistema prisional afronta a Lei de Execução Penal, viola direitos básicos dos presos e fortalece as facções criminosas que atuam nos presídios.

Além de aprovar a carta, os participantes do evento discutiram aspectos relativos à atuação do MP nas seguintes áreas: saúde física e mental dos presos; prevenção à tortura e tutela coletiva no sistema prisional; déficit carcerário e medidas em meio aberto e semiaberto; facções e grupos criminosos dentro de estabelecimentos prisionais. As conclusões e sugestões para a melhoria do trabalho e enfrentamento aos problemas serão analisadas agora pela Comissão, para encaminhamento e adoção das providências necessárias. Com informações da assessoria de imprensa do Conselho Nacional do Ministério Público.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 24 de agosto de 2012, 19h51

Comentários de leitores

5 comentários

O quê o bumbunzinho tem a ver com o fundilho das caças?!

Richard Smith (Consultor)

.
Quem está deixando de lado os CEAPAS?! Estamos falando do adequado ambiente para o cumprimento daqueles que forma condenados ao regime fechado, chapa?
.
Miopia, é?!...O que dizer de alguém que não sabe interpretar adequadamente um texto lido?!
.
Ou será que D. Comentador acha que INEXISTEM crimes dignos da prisão? Talvez até ache, como muitos que já vi e tive o desprazer de ouvir, até!, que o delinquente, o BANDIDO, seja um "vítimo" desta Sociedade-Burguêsa-Capitalista-Exploradora e, por via de consequência, um "herói" na resistência contra esta opressão toda "que aí está"?!
.
(cartas para a redação)
.

insistem na miopia da prisão e esquecem da CEAPA

daniel (Outros - Administrativa)

insistem na miopia da prisão e esquecem da CEAPA (Centrais de Penas Alternativas).
A mesmice de sempre...

dignidade dos presos

Servidor estadual (Delegado de Polícia Estadual)

Finalmente uma luz no fim do tunel, em especial pela manifestaçãod e retirar presos das delegacias, pois a falta de estrutura transforma as Deelgacias num depósito humano de pessoas.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 01/09/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.