Consultor Jurídico

AP 470

Barbosa quer reconhecimento social, acusam advogados

Por 

No primeiro dia de votações na Ação Penal 470, o processo do mensalão, ministros elevaram o tom ao discutir o pedido de Joaquim Barbosa para enviar uma representação à Ordem dos Advogados do Brasil contra três advogados que levantaram sua suspeição para julgar o processo. Os advogados, nas alegações finais, apontaram “dúvidas quanto à imparcialidade” do ministro, afirmando que Barbosa “possivelmente não goza de condições para atuar” no processo.

“Desde que assumiu a relatoria do processo, o ministro relator, em diversas ocasiões, mostrou-se simpático aos argumentos — diga-se, equivocados — trazidos pelo procurador-geral da República. A bem da verdade, mostrou-se tendente a acolher as teses da acusação pública”, acusaram os defensores Breno Fischberg e Enivaldo Quadrado, Antônio Sérgio Pitombo, Leonardo Magalhães Avelar e Conrado Almeida Gontijo.

Fazendo referência a declarações do ministro na mídia, os criminalistas afirmam que Barbosa estaria expondo posicionamento contrário às teses da defesa e cogitam que o ministro esteja mais preocupado em apresentar uma decisão “que atenda aos anseios da população, que lhe proporcione reconhecimento social, do que em pautar-se na observância das regras e princípios da Constituição Federal, e das regras do Direito Processual Penal”.

Até mesmo a doença de Joaquim Barbosa, que o obriga a acompanhar julgamentos em pé e a se ausentar de algumas sessões, entrou na acusação feita pelos advogados. Os problemas de saúde que levam a constantes afastamentos da corte, diz o processo, permitem a suposição de que a permanência do ministro no tribunal “está vinculada ao julgamento do presente processo, depois do que ele poderá ganhar maior visibilidade midiática e se aposentar”.

A visibilidade midiática à qual os criminalistas fazem referência fica patente em outro trecho do pedido, no qual copia uma entrevista de Barbosa para o jornal O Estado de S. Paulo em 2007 — que foi reproduzida pela Consultor Jurídico e pode ser lida aqui — , na qual o ministro diz ter sido gratificante receber a denúncia, pois “o cidadão comum, as pessoas, nas ruas compreenderam”.

Outros trechos da mesma entrevista mostram o ministro dizendo por que, ao julgar a denúncia, apontou  o ex-deputado José Dirceu como “mentor chefe supremo do esquema”. Em resposta, ele afirma que “estava interpretando o que o procurador quis dizer”.

Também um artigo do professor de Direito e colunista da ConJur Luiz Flávio Gomes é apontado no processo. Em seu texto, o criminalista diz que o ministro está totalmente comprometido com o caso do Mensalão. “Não irá nunca julgar essa causa com isenção, em razão do seu comprometimento moral, psicológico e funcional. Já não é um juiz independente para julgar esse caso. Deveria, evidentemente, ser afastado do processo".

Outros juristas são citados para definir a necessidade da imparcialidade no caso. “No aspecto objetivo, a imparcialidade se traduz na equidistância prática do juiz no desenvolvimento do processo, dando às partes igualdade de tratamento”, diz a peça processual.

Nesta quinta-feira (16/8), advogados saíram em defesa de Pitombo e seus colegas, clique aqui para ler.

Clique aqui para ler as alegações finais que acusam Joaquim Barbosa de ser parcial.
Clique aqui para assistir os vídeos do julgamento do mensalão.




Topo da página

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 16 de agosto de 2012, 20h46

Comentários de leitores

19 comentários

Publicar o que querem e deixar de fora o que deve ser visto!

Carlos Henrique de Carvalho (Advogado Associado a Escritório - Propriedade Intelectual)

Gostaria, imensamente, de ver minha publicada, senhores!
Curto e grosso, há uma tendência gigantesca de se tentar aliviar essa turma que está aí no banco dos réus. Ponto!
Ministro Joaquim Barbosa está corretíssimo e esses advogados endinheirados aí são apátridas, porque querem provar o improvável.
Certo e justo, é que deveria ter muito mais gente sentadinha ali no banquinho de "fazer pensar", inclusive o ex-presidente Lulla!
Ou estou sendo muito MAU com os "inocentezinhos"?

Manobras e outros estratagemas.

Carlos Henrique de Carvalho (Advogado Associado a Escritório - Propriedade Intelectual)

A tez curta e grossa acerca dessas manifestações reside no fato do mensalão ser concreto, com seus protagonistas desbaratados e com um STF objeto da desconfiança sobre sua parcialidade. Não a do ministro Joaquim Barbosa, mas talvez de uma maioria que, sabidamente, pouco se interessa em punir exemplarmente os marginais que foram desmascarados e estão sob julgamento.
Deveriam esses defensores muito bem pagos observar o outro lado, o da parcialidade com intuito de livrar a cara de bandidos e, assim, perpetrarem uma das maiores vergonhas históricas nacional.
Os advogados deveria ter sido, no mínimo, levados a análise pela comissão específica da OAB.
O resto é conversa fiada.

Espírito de Corpo

J. Cordeiro (Advogado Autônomo - Civil)

Só os ingênuos acreditam que ao indeferir a representação do ministro Joaquim Barbosa o STF estivesse defendendo a classe patronal. Era caso de Espírito de Corpo, considerando que o fato, se aceito, haveria de ser debatido no competente setor de Deontologia da OAB. E haveria amplo debate em torno de todos os julgadores da AP 470. Quem tem telhado de vidro não atira pedra no telhado alheio. Foi defesa de um grupo, em particular, e não dos causídicos.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 24/08/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.