Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

UTI judicial

Flávio Dino propõe ao CNJ criação de varas de saúde

Por 

O Conselho Nacional de Justiça irá discutir em breve a criação de varas especializadas para processar e julgar ações que tenham como matéria de fundo o direito à saúde. A proposta foi feita pelo presidente da Embratur, Flávio Dino, ao presidente do Supremo Tribunal Federal e do CNJ, ministro Ayres Britto, na última quinta-feira (26/4). Dino entrou com Pedido de Providências no CNJ para que a possibilidade de criar as varas seja discutida.

A proposta foi bem recebida pelo ministro Ayres Britto. “Sou totalmente receptivo. Precisamos de varas especializadas na apreciação de reclamações contra atendimentos médicos desqualificados”, afirmou o presidente do CNJ. A ideia de Dino é chamar a atenção para o sucateamento não só da rede pública de saúde, mas do sistema privado. E fazer com que cidadãos lesados por maus atendimentos médicos tenham um fórum adequado para discutir seus casos.

Ex-deputado federal pelo PCdoB do Maranhão, ex-juiz e secretário-geral na primeira gestão do CNJ, Flávio Dino disse à revista Consultor Jurídico que a presença do Poder Judiciário na discussão da saúde e da qualidade do atendimento médico em hospitais tem, mais do que um efeito repressivo, uma dimensão pedagógica, de alerta aos hospitais e operadoras de planos de saúde de que precisam adequar seus serviços a padrões aceitáveis de qualidade.

“O Supremo Tribunal Federal vem mostrando que os direitos garantidos na Constituição têm de ser implementados, que não existem direitos sem que a Justiça dê efetividade a eles”, afirmou Dino. De acordo com o ex-deputado, “o sistema institucional ajuda a dar vida ao direito”.

Flávio Dino dá exemplos. A efetividade da Lei Maria da Penha, provavelmente, não seria a mesma sem as delegacias especializadas em atendimento à mulher vítima de violência. Nesta seara, também deu força à lei a recente decisão do STF, que fixou que as ações penais decorrentes de violência contra a mulher são incondicionadas. Ou seja, não dependem de representação da vítima para a ação do Ministério Público.

O mesmo pode-se dizer dos direitos do Consumidor. Sem os Procons, talvez a eficácia das normas do Código de Direitos do Consumidor não fosse a mesma. “A mera existência das leis, sem o respaldo institucional, não efetiva os direitos, nem corrige distorções”, afirma Dino.

“No caso de erros cometidos por médicos e hospitais, a vítima não tem a quem recorrer, senão à Polícia. E o mau atendimento pode não caracterizar, necessariamente, um crime. Daí a importância do tratamento especializado”, argumenta o presidente da Embratur. “Os juizados especiais de trânsito são outro exemplo de eficácia promovida pela especialização”, complementa.

No pedido feito ao CNJ, Dino lembra que o próprio Conselho já expediu recomendação aos tribunais, em 2010, para que celebrassem convênios para compor quadros técnicos com médicos e farmacêuticos que ajudassem os juízes a formar um bom juízo sobre as causas que discutem direito à saúde.

Flávio Dino ainda traz dados sobre os processos que envolvem temas de saúde. “Há no Brasil, hoje, mais de 240 mil ações judiciais na área da saúde, sendo que a maior parte destes processos é referente a reclamações de pessoas que reivindicam acesso a medicamentos e a procedimentos pelo Sistema Único de Saúde, bem como vagas em hospitais públicos, além de ações diversas movidas por usuários de planos privados”, sustenta.

Também consta do pedido que publicação do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), divulgada em março passado, revela que o setor financeiro e os planos de saúde lideram ranking de reclamações em 2011. E que os planos de saúde estiveram à frente do ranking por 11 anos consecutivos.

O presidente da Embratur recolhe forças de uma tragédia pessoal para tentar melhorar o atendimento médico no país. Seu filho, Marcelo Dino, morreu no dia 14 de fevereiro, aos 13 anos de idade, depois de chegar ao hospital Santa Lúcia, em Brasília, com uma crise de asma. Um inquérito policial foi aberto para apurar as circunstâncias da morte de Marcelo e concluído há 12 dias, com duas pessoas indiciadas pela Polícia.

 é editor da revista Consultor Jurídico em Brasília.

Revista Consultor Jurídico, 28 de abril de 2012, 6h49

Comentários de leitores

4 comentários

!!!!!!!!

Neli (Procurador do Município)

Questão de somenos importância.
Tem que melhorar o atendimento e não criar "varas para punir os profissionais da saúde". O ex-deputado deveria brigar por melhor atendimento da saúde pública.Lastimável que o governo,cujo partido a que o ex-deputado apoia, a cada ano carreia menos recursos para a saúde pública,no entanto torra dinheiro dinheiro público com coisas de somenos importância,uma delas a propaganda.
Aliás, muitas empresas públicas(para dar cargos a políticos desempregados pelas urnas), muitos ministérios,muita gente ingressando no serviço público sem concurso(os famosos QI) e o ex deputado quer criar varas para punir os profissionais da saúde?Deputado quem punirá os políticos que torram dinheiro público em funções dispensáveis em detrimento da saúde?Apedrejar profissionais médicos é fácil...

Justiça casuística

Eduardo.Oliveira (Advogado Autônomo)

Haverá justiça especializada tantas quantas forem as autoridades vilipendiadas. Enquanto for o cidadão comum a sofre com o descaso, justiça comum...
O nobre deputado lutou pela efetividade da justiça previdenciária enquanto era juiz, enquanto cidadão comuns e idosos implorava pela prestação estatal, negada tanto pela demora da jurisdição como pela negativa do INSS mesmo depois do processo julgado?
Precisou perder um ente para sentir o descaso do Estado?

Que retórica desmedida!

Paulo Jorge Andrade Trinchão (Advogado Autônomo)

O Ministro está cuidando da saúde, que por sua vez, tem tudo a ver com o bem mais precioso do indivíduo: a própria vida!
Se ser "coronel" é se preocupar com a saúde do país, então vamos todos ser "coronéis"! Crítica desafinada com à realidade, e mais ainda, as ilógicas comparações. Contudo, a livre manifestação é um sagrado direito constitucional, mas não o é absoluto - graças a Deus! -, nem por isso, se é obrigado a aturar teratologias. Parabéns ao preclaro Ministro pela oportuna iniciativa.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 06/05/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.