Consultor Jurídico

Prazo de decadência

Anulação de restruturação de cargos no TRT-16 é suspensa

Está suspensa a decisão do Tribunal de Contas da União que anulava a reestruturação de cargos ocorrida, em 1996, no Tribunal Regional do Trabalho da 16ª Região. O principal fundamento para suspender a decisão é o de que incide prazo de decadência do direito administrativo de anular atos de reenquadramento ou ascensão funcional praticados há mais de cinco anos. A decisão terá validade até o julgamento do mérito da ação.

A relatora do processo no Supremo Tribunal Federal, ministra Cármen Lúcia Antunes Rocha, explicou que as consequências que poderão sobrevir da execução desta decisão podem configurar dano aos substituídos por envolver a supressão de parcela de natureza alimentar. A ministra destacou que existe jurisprudência no caso. A liminar em favor dos servidores do TRT-16 terá validade até o julgamento do mérito da ação.

O pedido de liminar foi feito pelo Sindicato dos Trabalhadores no Poder Judiciário e Ministério Público da União no Estado do Maranhão (Sintrajufe) por meio do Mandado de Segurança impetrado com o objetivo de impedir o retorno dos servidores aos cargos ocupados anteriormente à reestruturação. O principal argumento do Sintrajufe é o de que a decisão do TCU não poderia ser cumprida uma vez que já ultrapassou o prazo decadencial de cinco anos para a Administração anular atos administrativos. Esse prazo é previsto no artigo 54 da Lei 9.784/1999.

De acordo com o sindicato, em 1996 o TRT-16 fez o reenquadramento dos servidores ocupantes de cargo de auxiliar operacional de serviços diversos do nível auxiliar para o intermediário, desde que fosse comprovado que o servidor possuía nível de escolaridade de segundo grau completo. Essa alteração foi efetivada e, nove anos depois, em 2005, a Secretaria de Controle Externo do TCU no Maranhão instaurou processo para examinar a legalidade da reestruturação. Somente em março deste ano saiu decisão que determinava a anulação das alterações e o retorno dos servidores beneficiados aos cargos que ocupavam anteriormente.

A decisão do TCU é no sentido de que candidatos aprovados em concurso de nível auxiliar não poderiam ter ingressado em cargo de nível médio com base no artigo 37 da Constituição Federal e no artigo 5º da Lei 8112/1990. Para o Sintrajufe, a decisão é “ilegal e abusiva” por ocorrer 16 anos depois e ameaçar a segurança jurídica, além de causar a imediata perda de parcela substancial das remunerações dos servidores atingidos. Com informações da Assessoria de Imprensa do STF.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 26 de abril de 2012, 15h28

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 04/05/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.