Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Vestígios genéticos

CCJ da Câmara aprova criação de banco de DNA

A Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados aprovou, nesta terça-feira (24/4), proposta de criação de banco nacional de DNA para auxiliar nas investigações de crimes violentos. A medida está prevista no Projeto de Lei 2.458/2011, já aprovado pelo Senado. Pela proposta, os dados do banco de DNA serão sigilosos e as pessoas que os utilizarem para qualquer fim diferente daquele determinado pela Justiça responderão civil, penal e administrativamente. Os perfis genéticos seguirão normas internacionais de direitos humanos. Ou seja, não poderão revelar traços somáticos ou comportamentais, apenas o gênero do investigado ou do condenado.

A proposta tramita em regime de prioridade e ainda será analisada pelo Plenário da Câmara dos Deputados. O autor, senador Ciro Nogueira (PP-PI), esteve presente na reunião da CCJ e argumentou que o projeto apenas formaliza a instituição de um banco de material genético que já vem sendo testado no Brasil, denominado Sistema de Indexação de DNA Combinado (Codis, na sigla em inglês), que é o mesmo empregado nos Estados Unidos e em outros 30 países.

O relator da proposta, deputado Vicente Candido (PT-SP), recomendou a aprovação do texto. Ele citou especialistas no assunto e concluiu que a medida vai favorecer o combate ao crime. O objetivo do projeto é estabelecer uma unidade central gerenciadora de vestígios genéticos deixados em locais de crimes, como sangue, sêmen, unhas, fios de cabelo ou pele. Também constará do banco o material genético de criminosos condenados por violência dolosa, ou seja, intencional. Com informações da Agência Câmara.

PL 2.458/2011

Revista Consultor Jurídico, 25 de abril de 2012, 8h13

Comentários de leitores

2 comentários

Fechando o cerco.

Pek Cop (Outros)

Realmente eh um grande passo para a investigação em si. Tal modernização vem em boa hora e será uma grande ferramenta no combate aos crimes repudiáveis de maior potencial ofensivo.

É bom, mas...

Diogo Duarte Valverde (Advogado Associado a Escritório)

É uma boa iniciativa, moderna, mas seria capaz de apostar dinheiro que o pessoal do hipergarantismo monocular não tardaria a vislumbrar alguma inconstitucionalidade na lei, como é o caso em qualquer iniciativa que vise coibir um pouco mais o crime e a impunidade.

Comentários encerrados em 03/05/2012.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.